Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Cartão de Crédito desafoga o aperto

Cartão de Crédito desafoga o aperto

Categoria: Outros
Visitas: 2
Comentários: 1
Cartão de Crédito desafoga o aperto

Numa emergência, ditada pelo imprevisto - que pode bater à porta de cada um - quer seja por questões de saúde ou de outras necessidades essenciais para a sobrevivência, quer seja da ordem do bem-estar mínimo, como liquidar as prestações que se atrasam porque o vencimento mensal não deu entrada na conta bancária na hora prevista, o Cartão de Crédito (CC) assume-se como uma bóia de salvação e um amigo que desafoga temporariamente o aperto.

Se o exercício de gestão do seu próprio dinheiro é uma tarefa difícil, será perigoso gerir moedas e notas que lhe são emprestadas por algum tempo e que têm, a dada altura, de ser devolvidas a seu dono, com igual ou superior valor. Lá dizia o sábio do meu avô “quem não sabe cuidar do que é seu, dificilmente saberá prezar o que a outrém pertence”. Efectivamente, cada moedinha ou nota que nos é cedida, confiada, creditada, pode custar-nos mais caro do que à primeira vista poderemos pensar.

O facilitismo do dinheiro disponível em ciclos de 24 horas, continuadamente renováveis, em montantes, por vezes, bastante aliciantes para a satisfação de anseios e de necessidades básicas ou importantes (conforme a estrutura de valores de cada qual), exige uma gestão muito mais precisa e cuidadosa do que os euros presentes na conta a débito.

Há situações e fases na vida de todos nós, em que o adiantar de um x, mesmo que venha a custar x+y, traz um benefício ou reduz um problema, que vale mais do que y e, portanto, compensa essa transacção ou o sacrifício correspondente.

E há outras ocasiões em que a preserverança deve ser madrinha e que podem esperar pelo dinheiro devido a seu dono, sem necessidade efectiva de recorrer a César ou ao Alheio. Não devemos esquecer que “o que facilmente às mãos nos vem parar, facilmente delas se nos escapa” (in meu sensato avô).

O equilíbrio reside no usufruto dos benefícios do CC com um peso que não balanceie ou ameace o orçamento do mês seguinte, por conta da falta de medida adequada relativamente à urgência ou pertinência das necessidades atendidas.

Enquanto consumidores e após uma análise à vasta oferta disponibilizada, poderemos mais facilmente avaliar qual o CC que melhor se enquadra na nossa carteira, necessidades reais e forma de gestão/organização da nossa vida e dos capitais afectos. O objectivo deste estudo de mercado (que todo o consumidor consciente deveria efectuar) visa permitir o melhor uso do CC, conhecendo os seus contornos e limites, sem pisar a linha amarela, o que quer dizer sem vislumbrar senões (ou sermões, consoante os casos).

Os tempos são feitos de evoluções. E se é sensato viver-se consoante o tamanho da sua bolsa, também é verdade que, em casos extremos, vale a pena sacrificar algo a posteriori, para minimizar riscos ou coimas que representam um prejuízo real. No entanto, o acesso fácil ao dinheiro disponível e a crise de valores que a sociedade em geral atravessa dificulta a vida às famílias. Neste contexto, a maçã rica em flavonóides - excelentes para a boa circulação do sangue e para a saúde do coração - torna-se mais uma vez (quando usada de forma indevida), num fruto envenenado, ficando de novo Eva com a culpa de destronar a sua família do posto do equilíbrio e da bonança.


Sistematizando

Alguns prós

Se o salário atrasa, o CC é um fundo de maneio que pode resolver questões urgentes e evitar coimas ou taxas agravantes.

Alguns CC estão afectos a promoções aliciantes ou descontos que podem ser benéficos.

Há um deteminado montante, facilmente disponível, que pode ser usado em qualquer momento para aproveitar vantagens ou resolver problemas.

Permite adquirir bens e serviços que de outra forma seriam impensáveis ou levariam muito tempo a adquirir. Alguns desses bens estão associados apenas ao reconhecimento social, para algumas escalas de valores, bastante importante

O uso de um determinado cartão (Gold, p. ex) gera em si mesmo o acesso a um determinado status (imagem de marca).

Para os Bancos, o CC é uma forma de cativar clientes.

Para a economia, é uma peça do motor que movimenta capital e gera mais valias, promovendo o crescimento económico. Há que salvaguardar diversas situações para reduzir riscos.

Alguns Contras

O fundo de maneio do CC pode levar ao hábito de recurso ao dinheiro fácil, o que pode originar gastos superiores aos usuais ou desnecessários, face a lista de necessidades preementes a satisfazer.

Em certos casos, o uso do CC despoleta uma determinada taxa de uso do fundo de maneio e noutros esses juros aplicam-se passado um certo tempo. Há que estar atento a estes procedimentos para, no caso de não obter o maior benefício, colher o menor não-ganho ou prejuízo.

Consoante as situações, tais benefícios podem resultar num gasto secundário que poderia não ter lugar noutra situação.

Sendo o crédito um voto de confiança e o dinheiro aplicado algo que não nos pertence, ele terá de ser devolvido. Usá-lo antecipadamente – antes da reposição – poderá desorientar a gestão da família no mês seguinte.
Se a fome de status anda à frente do essencial, o empréstimo para essa satisfação é, por norma, constante.

Cabe ao consumidor informar-se devidamente de todas as nuances dos seus cartões para não disvirtuar o seu uso/propósito.

Pode gerar ilusão e alimenta um ciclo vicioso de ganhar, não o pão que se come, mas o presunto que já se comeu.

Se gerar endividamento familiar, por deficiente gestão desta ou por incorrecta fonte de informação por parte das entidades bancárias, pode, indirectamente, gerar uma forma de estagnação económica e de dificuldade de fluidez de capitais, tornando-se contraproducente.



Carla Santos

Título: Cartão de Crédito desafoga o aperto

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 2

669 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojoão artur silva costa

    01-07-2014 às 16:24:56

    o pedido de credito seria para aquirir uma scotter de mobilidade para eu conseguir sair de casa já que tive a infelicidade de ter sido amputado das duas pernas motivado pela diabetes e não consigo sair de casa com a cadeira convencional

    ¬ Responder

Comentários - Cartão de Crédito desafoga o aperto

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios