Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Por que sentimos medo?

Por que sentimos medo?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 6
Por que sentimos medo?

O medo. Essa força que nos paralisa. Que nos deixa uma angústia no peito e um aperto no coração. O medo. Aqulele sentimento por vezes absurdo que não nos deixa andar para a frente. Mas afinal o que é exatamente o medo? O medo é um sentimento agregado ao desconhecido. Tudo aquilo que não entendemos ou desconhecemos pode desencadiar em nós um sentimento de querer fugir ou de ficar parado sem conseguir reagir.

Mas, por que sentimos medo? O medo é uma reação normal em todos os seres vivos. É uma maneira de nos defendermos de tudo o que não conseguimos entender. Por exemplo, quando somos crianças temos medo que coisas tais como: monstros, bichos, bruxas, etc. Quando crescemos os nossos medos podem ganhar outras formas tais como: ladrões, criminosos, aminais ferozes, pessoas com segundas intenções. E também acontece ter medos quase irracionais como por exemplo: medo de andar de avião, medo de falar em público, medo de não ser correspondido, medo de amar, o medo da mudança, o medo de tomar decisões erradas, o medo de morrer. Até os animais sentem medo. Quando sentem que os predadores os querem comer, eles fogem. Na lei da sobrevivência é normal sentir medo quando algo ou alguém é mais forte do que nós.

Como podemos combater o medo? Não é uma luta fácil mas também não é impossível de se concretizar. A primeira coisa a fazer é avaliar o medo que sentimos. Assim, podemos perguntar-nos: Será que o que sinto é real? Quem, além de mim também tem este medo? Como conseguiram essas pessoas combater este medo? Ao fazer essa avaliação racional vai ver que o medo que sente tem tendência a diminuir, ou até mesmo a desaparecer. Outra forma de ver o medo desvanescer é procurar ajuda de livros sobre o assunto. Em ultima instância deve consultar o seu médico, porque o medo que sente pode estar associado a perturbações nervosas ou a qualquer outro problema de saúde. Quando experimentamos o medo, e este se traduz numa coisa pior chamada pânico, tendemos a ter consequencias tanto emocionais como físicas.

Algumas dessas consequências são: dificuldade em adormecer, palpitações, doenças nervosas e até mesmo corremos o risco de vir a sofrer um ataque cardíaco.
Assim, a próxima vez que sentir medo, pense duas vezes pois este sentimento assustador pode prejudicar gravemente a sua saúde, pode estar a privá-lo de enfrentar a vida com coragem, e pode, da mesma forma, impedi-lo de ser feliz.

Jovita Capitão

Título: Por que sentimos medo?

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 6

654 

Comentários - Por que sentimos medo?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios