Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Material Escritório > Papel carbono: seu auge e seu declínio

Papel carbono: seu auge e seu declínio

Visitas: 60
Comentários: 9
Papel carbono: seu auge e seu declínio

Até o século XVIII, escrever um mesmo texto e enviá-lo a várias pessoas era tarefa cansativa e que demandava tempo, pois não havia técnica de cópia, sendo necessário reescrevê-lo tantas vezes quantos fossem os destinatários.


Foi na Grã-Bretanha que surgiu a solução para este problema. Em 1806 o stylographic writer era patenteado por Ralph Wedwood, lingüista e inventor do novo recurso de cópias. O modelo e a forma eram rústicos. Para obter duplicata usavam-se dois papéis finos, colocando entre eles uma pasta elaborada com óleo, cera e negro-de-fumo. Na primeira, desenhavam-se as letras com uma ponta seca, que eram transferidas para a segunda folha. Ocorria, entretanto, que na folha original a pasta deixava as marcas invertidas e para ler era necessário recorrer ao espelho. Problema que foi resolvido ao longo de sua trajetória.


Com a invenção da máquina de escrever, em 1870, o papel carbono conheceu o triunfo, sendo difundido mundialmente.


O cientista da comunicação, Marshal McLuhan, já no século XX, classificou o papel carbono como o ponto de partida para a comunicação de massa, pois multiplicava a informação, mesmo em pequena escala, numa cifra apenas de unidades. Todavia, foi com papel carbono que foram duplicados arquivos históricos como o de Winston Churchill, e os autógrafos dos manuscritos de Mark Twain.


O papel carbono tem tecnologia simples. Coberto por uma composição química em uma das faces, a transferência da tinta ou da pigmentação ocorre por impacto. Seu declínio começou com o advento das impressoras. Embora as matriciais, que utilizavam o mesmo princípio do impacto, tenham sido parceiras do papel carbono, as gerações seguintes das impressoras, com tecnologia de jato de tinta e laser, foram empurrando o papel carbono para o esquecimento e inutilidade, pois são capazes de fazer grande número de cópias com a mesma nitidez, e em grande velocidade.

Hoje, o papel carbono segue sua marcha para a obsolescência, tendo um consumo irrisório no mundo inteiro, motivo pelo qual as fábricas continuam fechando. Atualmente, é utilizado estritamente para emissão de notas fiscais e duplicação dos escritos à mão.

Mas, mesmo quando houver desaparecido completamente, permanecerão resquícios de sua importante passagem pela história. A Internet, a grande sensação atual, presta sua homenagem a este colega tecnológico quando, no cabeçalho dos e-mails preserva a abreviatura “Cc”, que significa “cópia em carbono” (carbon copy), usada nas cartas para informar os receptores dos textos em cópia.


Hediene

Título: Papel carbono: seu auge e seu declínio

Autor: Hediene Hediene (todos os textos)

Visitas: 60

781 

Imagem por: bgilliard

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 9 )    recentes

  • Ednaldo

    29-05-2015 às 14:19:01

    Sou proprietário da empresa sos embalagens, trabalho com papais,carbono e outros como podemos fazermos uma passearia/

    ¬ Responder
  • Kizua UriasKizua

    22-09-2014 às 19:45:22

    Amei saber sobre o "CC" do e-mail que enviamos diariamente. Não sabia desse legado e da grande importância do papel carbono. Muito bom!

    ¬ Responder
  • Edu da SilvaEdu da Silva

    03-04-2012 às 00:19:28

    adorei txt

    ¬ Responder
  • Alessio DiasAlessio Dias

    10-02-2012 às 19:07:09

    Somos industria fabricante de Carnauba T4, materi-prima utilizada na fabricação de papel carbono.Estamos localizados em Teresina/PI e despachamos para todo Brasil. Queria seu contato Lilian.
    Abaixo, nossos telefones 86 3231.2637/3231.2569/9941.9002

    ¬ Responder
  • Jéssica MurielJéssica Muriel

    02-10-2011 às 22:55:20

    Boa noite Lilian sou estudande de meio ambiente e no meu TCC irei desenvolver uma técnica para a reciclagem do papel carbono. Qual a composição quimica desse papel?

    Grata,
    Jéssica

    ¬ Responder
  • silvio roloffsilvio roloff

    19-01-2011 às 00:12:38

    @lilian
    Tenho interesse em conversar a respeito de papel carbono.
    Aguardo seu contato.
    Obrigado
    Silvio

    ¬ Responder
  • Roberta MonteiroJ. Duarte

    16-11-2010 às 15:29:14

    Lilian, Boa Tarde!
    Vocês como fabricantes devem utilizar a cera de carnauba T/4 para a a produção da tinta. Eu fforneço cera de Carnauba T/4 diretamente do produto no nordeste.
    Caso haja interesse por favor me comunique os dados da sua empresa para que faça uma visita.
    Grato
    J. Duarte

    ¬ Responder
  • MARIA APARECIDAMARIA APARECIDA

    05-11-2010 às 19:41:45

    @lilian
    preciso de preço de papel carbono 220x330 preto filme
    grata

    ¬ Responder
  • lilianlilian

    30-04-2010 às 19:17:58

    sou fabricante de papel carbono a mais de 60 anos, gostaria de saber o nome do responsavel pela compra deste material para enviar amostrar e manter contato
    grata
    lilian

    ¬ Responder

Comentários - Papel carbono: seu auge e seu declínio

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: bgilliard

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios