Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Amar - Florbela Espanca

Amar - Florbela Espanca

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 66
Amar - Florbela Espanca

«Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... Além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda gente...
Amar! Amar ! E não amar ninguém!
Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!
Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pre cantar!
E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... Pra me vencontrar...»

A estrutura interna pode ser interpretada como: Florbela, na primeira estrofe, conta-nos que quer amar perdidamente! Amar só por amar. Amar todos e não amar ninguém. Ela questiona-se se quer recordar ou esquecer, mas é indiferente. E na opinião de Florbela, quem diz que se pode amar alguém durante a vida inteira é porque mente. Na 3ª estrofe, Florbela transmite que há um amor em cada “esquina”, e sempre que esse amor aparece, é preciso cantá-lo, porque se Deus nos deu voz foi para cantar. E se um dia, ela há de morrer, que a sua morte seja o nascer, para que saiba perder-se e encontrar-se.

A estrutura externa é mais linear. Este soneto é constituído por 4 estrofes: 2 quadras e dois tercetos. O esquema rimático: abab/abba/ccd/eed. A escanção métrica: Decassilábico.
Em relação às figuras de estilo, pode encontrar nos versos: (Amar só por amar: Aqui... Além...Mais Este e Aquele, o Outro e toda gente...), a enumeração, (Amar! Amar ! E não amar ninguém!), a exclamação, (Recordar? Esquecer? Indiferente!...) a interrogação, (Prender ou desprender? É mal? É bem?) a interrogação, (Durante a vida inteira é porque mente!), exclamação, (Pois se Deus nos deu voz, foi pre cantar!) a exclamação, (E se um dia hei de ser pó, cinza e nada), a enumeração, (Que seja a minha noite uma alvorada, Que me saiba perder... Pra me vencontrar...), a anáfora. Entre outros.

Um vício chamado amor.
Este amor ardente… especial… louco…
Nós podemos estar muito longe,
mas os nossos corações estaram sempre juntos
Sobre todas as montanhas, sobre todas as nuvens…
É quando os nossos corações explodem de tanta felicidade,
É quando as nossas almas se transformam,
Transformam-se numa só alma!

Daniela Vicente

Título: Amar - Florbela Espanca

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 66

782 

Comentários - Amar - Florbela Espanca

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios