Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Vaidade e Que importa?... - Florbela Espanca

Vaidade e Que importa?... - Florbela Espanca

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 50
Comentários: 2
Vaidade e Que importa?... - Florbela Espanca

Sonho que sou a Poetisa eleita,
Aquela que diz tudo e tudo sabe,
Que tem a inspiração pura e imperfeita,
Que reúne num verso a imensidade!
Sonho que um verso meu tem claridade
Para encher todo o mundo! E que deleita
Mesmo aqueles que morrem de saudade!
Mesmo os de alma profunda e insatisfeita!
Sonho que sou Alguém cá neste mundo...
Aquela de saber vasto e profundo,
Aos pés de quem a Terra anda curvada!
E quando mais no céu eu vou sonhando,
E quando mais no alto ando voando,

Acordo do meu sonho... E não sou nada!...Florbela Espanca sonha ser uma grande Poetisa, que diz e sabe tudo. Uma poetisa que tem uma grande inspiração, pura e perfeita e que consegue reunir tudo num só verso. Nesta estrofe, Florbela continua a sonhar. Sonha que os seus versos têm claridade para encher o mundo todo. Na 3º estrofe, ela sonha que é Alguém neste mundo, com um saber vasto e profundo. Ao ponto de a Terra se curvar a ela (como vénia). Na última estrofe, Florbela tem noção que quanto mais alto vai sonhando, que quanto mais alto vai voando um dia acorda do seu sonho e não é nada.

Eu era a desdenhosa, a indiferente.
Nunca sentira em mim o coração
Bater em violências de paixão,
Como bate no peito à outra gente.
Agora, olhas-me tu altivamente,
Sem sombra de desejo ou de emoção,
Enquanto as asas loiras da ilusão
Abrem dentro de mim ao sol nascente.
Minh’alma, a pedra, transformou-se em fonte;
Como nascida em carinhoso monte,
Toda ela é riso, e é frescura e graça!
Nela refresca a boca um só instante...
Que importa?... Se o cansado viandante
Bebe em todas as fontes... Quando passa?...

Nesta estrofe, Florbela Espanca diz-nos que era indiferente ao amor. Nunca sentia em si o coração a bater por paixão, como batia nas pessoas que a rodeavam. Agora o amor olhava para ela “altivamente”, sem desejo ou emoção. Mas mesmo assim, ela iludia-se com esse amor. Nesta estrofe, diz que sua alma era pedra e, agora, transformou-se em fonte. Sua alma estava alegre com este amor. Na 4º estrofe, Florbela pergunta-se quando este amor passará.

Esta é uma análise muito pessoal sobre estes poemas de Florbela Espanca. Não precisa de concorda, apenas apreciar.


Daniela Vicente

Título: Vaidade e Que importa?... - Florbela Espanca

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 50

685 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Gabriela TorresGabriela Torres

    09-10-2012 às 02:28:08

    Esse poema vaidade e que importa de Florbela Espanca é um dos poemas mais lindos e bem feitos produzidos por essa poetisa.Florbela sempre triste,aparece estar mais calma nesse poema apesar da eterna tristeza.

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    08-10-2012 às 23:28:57

    Falar de Florbela é falar de um Ser único cuja vida foi controversa e ao mesmo tempo inspiradora. Sou suspeita para falar da obra de Florbela, pois ela têm uma capacidade única de fazer arrepiar com palavras vindas não se sabe bem de onde - se da alma, se do coração. Lamento somente que a autora do texto tenha escrito tão pouco sobre a sua interpretação do poema de Florbela.

    ¬ Responder

Comentários - Vaidade e Que importa?... - Florbela Espanca

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Receptores digitais

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: TV HIFI
Receptores digitais\"Rua
Os receptores digitais são instrumentos que têm a função de receber sinal por via de canais digitais.

De acordo com a sua função, estes canais poderão ser satélite ou por cabo. Actualmente, já existem bastantes serviços de televisão por cabo que funcionam apenas com estes receptores, uma vez que é através deles que se consegue ter acesso não só aos canais de serviço, mas também a pacotes codificados.

O serviço de recepção de canais por satélite é um sistema independente para o qual é necessário ter um disco receptor satélite de modo a poder ter canais digitais fora dos serviços prestados pelos operadores de televisão digital.

Este instrumento permite que os próprios ecrãs sem tecnologia digital passem a usufruir desta através destes receptores. No entanto, a melhor qualidade só é garantida com um ecrã já com esta tecnologia.

Os receptores digitais permitem também aceder a uma multiplicidade de serviços, desde que devidamente configurados. Por exemplo, com estes receptores, é possível aceder a menus específicos de pausa de emissão para depois ser continuada, de serviços on-demand ou acesso a portais específicos, entre outros.

Esta pequena caixinha permite ao seu utilizador usufruir da televisão a um novo nível, de modo a que possa ter todas as comodidades no conforto do lar. 

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Receptores digitais

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    04-06-2014 às 06:53:28

    Gostei dos receptores digitais. Bom texto abordando isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios