Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > “A mais cruel das Tiranias” – Histórias reais, ou nem por isso

“A mais cruel das Tiranias” – Histórias reais, ou nem por isso

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 6
Comentários: 4
“A mais cruel das Tiranias” – Histórias reais, ou nem por isso

Com o processo “Casa Pia”, fomos confrontados, enquanto sociedade, com realidades que durante muitos anos não quisemos, saber, acreditar ou lutar em defesa de.

Como este processo existem milhares espalhados pelo mundo inteiro, verdadeiras mentiras reais que nos assustam, fazem temer e acordam-nos para uma realidade crua e sofrida.

Todos criamos opiniões sobre todos estes processos e defendemos ou acusamos pessoas através de julgamentos feitos com base na informação que os media nos dão.

Não querendo de forma alguma suscitar opiniões ao leitor, não trato do processo acima citado, nem de nenhum caso polémico que nos seja próximo, mas de outros frisados no livro – “A Mais Cruel das Tiranias”.

“A mais cruel das tiranias” escrito por Dorothy Rabinowitz é um relato de histórias reais de acusações não fundamentadas, surgidas de alegações com consistência pouco ou nada investigadas.

As histórias são várias, mas transcrevo em forma de relato uma delas:

“… Em agosto de 1983, uma mulher chamada Judy Jones, acusou Ray Buckley, de 29 anos professor e neto do fundador, de ter sadomizado o seu filho de 2 anos. A queixosa era alcoólica, vindo mais tarde a ser-lhe diagnosticada esquizófrenia paranoica…. Na sequencia das centenas de entrevistas com os alunos da escola… vieram a lume pormenores dos crimes espantosos alegadamente cometidos na escola e que encheram páginas da imprensa diária….

Durante 7 anos, a família de Burckley foi acusada, enxovalhada pela sociedade sem que a palavra inocência pudesse sequer ser ouvida quando aclamada pelos acusados. Quem não foi preso, viu a sua vida cair em desgraça, desfeita tal maltrapilho.

Apesar das entrevistas com a polícia e os psicólogos, nada nem ninguém considerou que estavam a ser acusadas e julgadas pessoas inocentes. Apesar dos indícios, as prisões e vexames sucederam-se. Acabaram por conseguir manter a sua inocência e prová-la, mas a um custo que custou vidas inteiras.

Este livro mostra-nos que a acusação de crimes de abusos sexuais contra crianças está na moda. Acusam-se sem provas e acreditam-se em palavras de ordem mal julgadas e mal interpretadas. Até que ponto, nós, enquanto sociedade não julgamos e incriminamos sem sermos verdadeiros conhecedores de todos os lados. Mantém-se a ideia de – preso por ter cão e preso por não ter. Afinal, cabe-nos proteger seres tão sensíveis e há que acreditar primeiro na palavra de uma criança do que na de um acusado, mas até onde chega o nosso bom senso. Um livro arrepiante a não perder.


Carla Horta

Título: “A mais cruel das Tiranias” – Histórias reais, ou nem por isso

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 6

653 

Imagem por: tranchis

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoLuisa

    24-07-2012 às 10:42:00

    Não venho aqui defender nem acusar ninguém do conhecido processo, mas será que alguém por aqui leu todo o processo? Fez a policia as investigações necessárias? Levou-as a um porto devido?
    Estas minhas palavras referem-se a várias situações, inclusive a pessoas que deveriam ter sido envolvidas e não foram. Que existiram abusos pedófilos ninguém tem duvidas, mas será que todos os culpados foram julgados? Será que no meio de tanta gente envolvida não estará nenhum inocente? Duvidas duma justiça Portuguesa que aos olhos deste povo cidadão e tão comum ficou insatisfeito por um ou outro motivo.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoHorácio

    24-07-2012 às 10:41:41

    Absolutamente absorvente. Este livro dá que pensar e que falar. Quando tanto se fala em pedofilia, aqui podemos pensar e querer estudar mais a fundo o que muitas vezes os medias nos comunicam. Somo na realidade consumidores convictos daquilo que a televisão e os jornalistas nos dizem. Bebemos, melhor… sorvemos tudo e criamos os nossos julgamentos sem apurar os factos. Chegamos muitas vezes ao ponto de não querer saber mais e não dar a oportunidade de mais explicações, pois o crime é tão hediondo que arrepia.
    Arrepiante é também este livro que nos faz perceber que as partes têm de se explicar e que a frase “onde há fumo, há fogo” pode não fazer muito sentido.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoCarina

    23-07-2012 às 12:34:52

    Já li este livro absolutamente arrebatador. A vida dos acusados nunca mais foi a mesma. Perderam-se famílias, escolas, valores, tudo porque as acusações infundadas não foram devidamente investigadas. É assustador pensar que qualquer um de nós pode estar sujeito a uma incriminação destas.
    Prefiro sempre estar do lado das vitimas e acreditar nelas de forma absoluta, mas perante factos que não nos são apresentados, não podemos colocar em causa verdades que juramos, apesar de grandes mentiras serem na sua maior essência. A mais cruel das Tiranias leva-nos a julgar os maiores ditadores e quem alimenta desmesuradamente situações que nunca chegaram a acontecer na realidade.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoAnabela Morgado

    23-07-2012 às 12:34:28

    Curiosamente a autora do texto faz referencia ao processo Casa Pia logo como introdução num texto sobre o livro em questão. Eu li este livro porque me foi aconselhado por um outro livro relativo ao processo referido.
    A mais cruel das tiranias é um livro espantoso em que vemos o relato de situações verídicas que julgamos nunca poerem acontecer. Estamos habituados nesta podre sociedade a ver casos de pedofilia a serem julgados em que os acusados são absolvidos com a referencia que as provas apresentadas não eram as suficientes. Nos relatos deste livro conhecemos um outro lado que nos leva a questionar muitas coisas.

    ¬ Responder

Comentários - “A mais cruel das Tiranias” – Histórias reais, ou nem por isso

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Imagem por: tranchis

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios