Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

Categoria: Internet
Visitas: 2
Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

De repente a onda crowd espalha-se pelo mundo através das redes e o termo crowd economy, cunhado por Reinaldo Pamponet, em 2011, nos coloca diante de uma potencialidade criativa como raras vezes se viu na jornada humana.

A velha capacidade humana de se juntar para sobreviver é potencializada pela tecnologia das redes que possibilita a criação de verdadeiros mutirões remotos com vizinhos que quase nunca estão do outro lado da janela.

O termo é novo e o inglês que o registra, aliado à rede que o difunde, lhe confere ares tecnológicos, e modernos, mas poucas coisas me parecem mais ancestrais do que a essência da crowd economy que é gente abrindo a própria janela para trocar, além de um bom dia (!), uma infinidade de outras coisas com o vizinho que pode estar do outro lado do jardim, da rua ou do mundo.

Na contramão de Wall Street que lucra criptografando a criatividade humana com códigos poderosos, a economia da multidão (crowd economy) nos possibilita abrir as janelas para o mundo. Em vez da Grande Janela fechada, inumeráveis pequenas janelas abertas.

Cada um com sua própria janela escancarada para o sol é a melhor definição de crowd economy. Uma rede mundial de criadores onde o ganho se avoluma de forma horizontal e em vez de criar “homens mais ricos do mundo” cria um mundo menos pobre para todos.

De repente, a economia nos encontra na multidão e nos coloca na rede. Transforma o trabalhador em criador e tira o verbo “ganhar” de perto do verbo “acumular” para colocá-lo bem ao lado do verbo “crescer”, crescer juntos.

Ao contrário de quem trabalha, quem cria quer criar mais para os outros que para si mesmo e isso confere à crowd economy a capacidade de compartilhar na multidão a soma das singularidades existenciais que nem sempre encontram espaço na economia de mercado.

Compartilhar ideias e sonhos na construção coletiva de um mundo melhor é a essência da crowd economy que se traduz por economia da multidão.

Em vez do lucro angariado, o ganho compartilhado; em vez da competição desenfreada, a cooperação humana. Em vez da vida pela economia, a economia pela vida.

Eis a crowd economy!


Luiz Mozzambani Neto

Título: Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

Autor: Luiz Mozzambani Neto (todos os textos)

Visitas: 2

156 

Comentários - Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.