Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

Categoria: Internet
Visitas: 2
Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

De repente a onda crowd espalha-se pelo mundo através das redes e o termo crowd economy, cunhado por Reinaldo Pamponet, em 2011, nos coloca diante de uma potencialidade criativa como raras vezes se viu na jornada humana.

A velha capacidade humana de se juntar para sobreviver é potencializada pela tecnologia das redes que possibilita a criação de verdadeiros mutirões remotos com vizinhos que quase nunca estão do outro lado da janela.

O termo é novo e o inglês que o registra, aliado à rede que o difunde, lhe confere ares tecnológicos, e modernos, mas poucas coisas me parecem mais ancestrais do que a essência da crowd economy que é gente abrindo a própria janela para trocar, além de um bom dia (!), uma infinidade de outras coisas com o vizinho que pode estar do outro lado do jardim, da rua ou do mundo.

Na contramão de Wall Street que lucra criptografando a criatividade humana com códigos poderosos, a economia da multidão (crowd economy) nos possibilita abrir as janelas para o mundo. Em vez da Grande Janela fechada, inumeráveis pequenas janelas abertas.

Cada um com sua própria janela escancarada para o sol é a melhor definição de crowd economy. Uma rede mundial de criadores onde o ganho se avoluma de forma horizontal e em vez de criar “homens mais ricos do mundo” cria um mundo menos pobre para todos.

De repente, a economia nos encontra na multidão e nos coloca na rede. Transforma o trabalhador em criador e tira o verbo “ganhar” de perto do verbo “acumular” para colocá-lo bem ao lado do verbo “crescer”, crescer juntos.

Ao contrário de quem trabalha, quem cria quer criar mais para os outros que para si mesmo e isso confere à crowd economy a capacidade de compartilhar na multidão a soma das singularidades existenciais que nem sempre encontram espaço na economia de mercado.

Compartilhar ideias e sonhos na construção coletiva de um mundo melhor é a essência da crowd economy que se traduz por economia da multidão.

Em vez do lucro angariado, o ganho compartilhado; em vez da competição desenfreada, a cooperação humana. Em vez da vida pela economia, a economia pela vida.

Eis a crowd economy!


Luiz Mozzambani Neto

Título: Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

Autor: Luiz Mozzambani Neto (todos os textos)

Visitas: 2

156 

Comentários - Crowd Economy: cada um abrindo a própria janela

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios