Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > Facebook na infância/adolescência

Facebook na infância/adolescência

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Internet
Comentários: 1
Facebook na infância/adolescência

Só é permitido fazer parte do facebook a partir dos 13 anos. No entanto são ínumeras as crianças mais novas que andam por lá...

A tendencia é entrar cada vez mais cedo, segundo um estudo feito, a partir dos 8 anos é comum os miudos despertarem o interesse para o mundo das redes sociais, mas é aos 11 anos que eles começam mesmo a atormentar os pais para abrirem um perfil no facebook. Depois é dificil de os convencer do contrário, porque os amigos têm, porque os pais têm, enfim, porque toda a gente tem. Mas será isto saudável?

Segundo os psicólogos, a rede social rouba um tempo precioso e, hoje em dia, rivaliza com a brincadeira e com as atividades criativas e desportivas indispensáveis, entre os oito e os 13 anos, para o desenvolvimento de novos centros de interesse e para a afirmação da personalidade. Ainda para mais, aos oito anos, eles não têm o distanciamento necessário para exporem a sua vida privada sem correr riscos. Isto, porque uma grande percentagem dos miúdos fornecem informações muito pessoais e usam a sua verdadeira identidade, e muitas vezes aceitam como amigo alguém que nunca viram, concluindo, fazem uso do facebook de
uma forma muito inocente.

Se não conseguir deter os seus filhos no uso do facebook, então é conveniente dar-lhes a conhecer ou consultar com eles os sites (e-Enfance ou Action Innocence) e dar-lhes as ferramentas necessária para os ajudar a construir parâmetros de confidencialidade. E não se esqueça que embora a maioria deles diga que conhece esses parâmetros de confidencialidade, não vá na conversa, pois podem não os saber usar.

Depois, existe a tendencia de os pais deixarem os filhos abrirem um perfil no facebook com a condição de serem seus amigos na rede social, pois acham que assim os podem controlar. Mas, os psicólogos acham que não é muito boa ideia porque a adolescência é um periodo em que se procura uma demarcação da influencia dos pais para construir a própria personalidade.
Em contraparida com os adultos jovens, é aconselhável terem os pais no seu grupo de amigos, porque isso permite manter os laços.

E voçê pergunta, então se não é favorável para as crianças terem facebook porque é permitido? Porque não é rigoroso o controle, e as crianças quando criam o perfil no facebook colocam o ano de nascimento errado.

O site da Comissão Nacional de Proteção de Dados (www.cnpd.pt) e o Projeto Dadus (dadus.cnpd.pt/) disponibilizam informação e os procedimentos que os pais devem ter.

E você, acha que as crianças podem ter facebook, em segurança?


Cristina Queiros

Título: Facebook na infância/adolescência

Autor: Cristina Queiros (todos os textos)

Visitas: 0

637 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    27-10-2014 às 12:59:58

    Verdade! Cada vez mais cedo, essas crianças desertam a curiosidade de entrar na onda das redes sociais. Infelizmente, tornam-se escravas e acabam por se prejudicar. Assim, os pais precisam estar em alerta para saber controlar esse uso. Uma grande missão na vida deles.

    ¬ Responder

Comentários - Facebook na infância/adolescência

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios