Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Numa viagem de barco

Numa viagem de barco

Categoria: Barcos
Visitas: 2
Comentários: 2
Numa viagem de barco

Viagem turbulenta. As ondas sacodem o barco de uma tal maneira que o estômago parece querer sair pela boca. As ânsias afiguram-se idênticas às de uma mulher que está para dar à luz. O passageiro arfa de forma contínua e aflitiva. Aproxima-se o barqueiro e pergunta ao passageiro: «O cavalheiro está com falta de ar?»
O homem, que mal consegue articular palavra, responde quase imperceptivelmente: «Não, meu senhor. Estou é com falta de terra…!» Isto é o que acontece a muito boa gente, mal a embarcação, seja ela de que tipo for, larga do porto de embarque. Efectivamente, é nestas alturas que muitos têm a clara noção de todos as estruturas das suas entranhas; lá dentro, tudo vibra desordenadamente, numa espécie de shake de órgãos em que do milk nem pode ouvir falar…!

Não obstante, há pessoas que insistem em contrariar esta tendência natural para a regurgitação e o vómito, e sonham com um cruzeiro magnífico por paragens belíssimas e paradisíacas. Contudo, é bom recordarem-se do seu “problemazinho” e apetrechar-se do que necessitarem para o sublimar um pouco, sob pena de, no regresso, terem para relatar episódios da viagem, não da sua vida, mas da sua quase morte!

Para além dessas vicissitudes, há outras, da alçada do comandante, que convém ter em conta, nomeadamente em navegações de longo curso, sobretudo quando há particularidades no trajecto, como é o caso da existência de icebergs.
Como escreveu um miúdo num teste da escola, «a fundação do Titanic serve para mostrar a agressividade dos icebergs». Sendo assim, o sensato é desviar-se destas autênticas montanhas de gelo, para evitar que, de repente, comecem a praticar sky aquático e venham de lá desmandadas embater num navio que circula, literalmente, à velocidade de cruzeiro. À partida, já não deverão realizar outro filme sobre tragédias do género, portanto…

Paralelamente, é de toda a utilidade saber nadar quando se pensa ir para o mar, um rio ou mesmo uma lagoa. Todos os cuidados são poucos, e, segundo um dos princípios de Arquimedes, «qualquer corpo mergulhado na água sai completamente molhado»! Pelo menos, podia acrescentar-se…

Já bem basta ter de mergulhar nas águas da crise económica, da desconfiança generalizada, da insalubridade psicológica, social, espiritual, e por aí fora. Nessas, para se sobreviver, muitas vezes tem de se aprender a boiar, à espera que a vaga seguinte se apresente mais favorável. Independentemente do percurso trilhado, o que realmente interessa é não deixar afundar o barco!



Maria Bijóias

Título: Numa viagem de barco

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

601 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRita B.

    15-03-2009 às 17:47:36

    Amigos que loucura de Barco!

    Que pena eu não saber nadar...

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaulinho B.

    15-03-2009 às 15:45:12

    Sim é muito louco este Barco. E tu Rita, mais vale aprenderes a nadar. Acredita no teu potencial e depois das primeiras braçadas e de alguns pirulitos, vais nadar.

    Pensa em conduzires um barco destes num ano( é uma boa motivação).

    ¬ Responder

Comentários - Numa viagem de barco

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios