Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Numa viagem de barco

Numa viagem de barco

Categoria: Barcos
Visitas: 2
Comentários: 2
Numa viagem de barco

Viagem turbulenta. As ondas sacodem o barco de uma tal maneira que o estômago parece querer sair pela boca. As ânsias afiguram-se idênticas às de uma mulher que está para dar à luz. O passageiro arfa de forma contínua e aflitiva. Aproxima-se o barqueiro e pergunta ao passageiro: «O cavalheiro está com falta de ar?»
O homem, que mal consegue articular palavra, responde quase imperceptivelmente: «Não, meu senhor. Estou é com falta de terra…!» Isto é o que acontece a muito boa gente, mal a embarcação, seja ela de que tipo for, larga do porto de embarque. Efectivamente, é nestas alturas que muitos têm a clara noção de todos as estruturas das suas entranhas; lá dentro, tudo vibra desordenadamente, numa espécie de shake de órgãos em que do milk nem pode ouvir falar…!

Não obstante, há pessoas que insistem em contrariar esta tendência natural para a regurgitação e o vómito, e sonham com um cruzeiro magnífico por paragens belíssimas e paradisíacas. Contudo, é bom recordarem-se do seu “problemazinho” e apetrechar-se do que necessitarem para o sublimar um pouco, sob pena de, no regresso, terem para relatar episódios da viagem, não da sua vida, mas da sua quase morte!

Para além dessas vicissitudes, há outras, da alçada do comandante, que convém ter em conta, nomeadamente em navegações de longo curso, sobretudo quando há particularidades no trajecto, como é o caso da existência de icebergs.
Como escreveu um miúdo num teste da escola, «a fundação do Titanic serve para mostrar a agressividade dos icebergs». Sendo assim, o sensato é desviar-se destas autênticas montanhas de gelo, para evitar que, de repente, comecem a praticar sky aquático e venham de lá desmandadas embater num navio que circula, literalmente, à velocidade de cruzeiro. À partida, já não deverão realizar outro filme sobre tragédias do género, portanto…

Paralelamente, é de toda a utilidade saber nadar quando se pensa ir para o mar, um rio ou mesmo uma lagoa. Todos os cuidados são poucos, e, segundo um dos princípios de Arquimedes, «qualquer corpo mergulhado na água sai completamente molhado»! Pelo menos, podia acrescentar-se…

Já bem basta ter de mergulhar nas águas da crise económica, da desconfiança generalizada, da insalubridade psicológica, social, espiritual, e por aí fora. Nessas, para se sobreviver, muitas vezes tem de se aprender a boiar, à espera que a vaga seguinte se apresente mais favorável. Independentemente do percurso trilhado, o que realmente interessa é não deixar afundar o barco!



Maria Bijóias

Título: Numa viagem de barco

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

601 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRita B.

    15-03-2009 às 17:47:36

    Amigos que loucura de Barco!

    Que pena eu não saber nadar...

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaulinho B.

    15-03-2009 às 15:45:12

    Sim é muito louco este Barco. E tu Rita, mais vale aprenderes a nadar. Acredita no teu potencial e depois das primeiras braçadas e de alguns pirulitos, vais nadar.

    Pensa em conduzires um barco destes num ano( é uma boa motivação).

    ¬ Responder

Comentários - Numa viagem de barco

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios