Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Numa viagem de barco

Numa viagem de barco

Categoria: Barcos
Visitas: 2
Comentários: 2
Numa viagem de barco

Viagem turbulenta. As ondas sacodem o barco de uma tal maneira que o estômago parece querer sair pela boca. As ânsias afiguram-se idênticas às de uma mulher que está para dar à luz. O passageiro arfa de forma contínua e aflitiva. Aproxima-se o barqueiro e pergunta ao passageiro: «O cavalheiro está com falta de ar?»
O homem, que mal consegue articular palavra, responde quase imperceptivelmente: «Não, meu senhor. Estou é com falta de terra…!» Isto é o que acontece a muito boa gente, mal a embarcação, seja ela de que tipo for, larga do porto de embarque. Efectivamente, é nestas alturas que muitos têm a clara noção de todos as estruturas das suas entranhas; lá dentro, tudo vibra desordenadamente, numa espécie de shake de órgãos em que do milk nem pode ouvir falar…!

Não obstante, há pessoas que insistem em contrariar esta tendência natural para a regurgitação e o vómito, e sonham com um cruzeiro magnífico por paragens belíssimas e paradisíacas. Contudo, é bom recordarem-se do seu “problemazinho” e apetrechar-se do que necessitarem para o sublimar um pouco, sob pena de, no regresso, terem para relatar episódios da viagem, não da sua vida, mas da sua quase morte!

Para além dessas vicissitudes, há outras, da alçada do comandante, que convém ter em conta, nomeadamente em navegações de longo curso, sobretudo quando há particularidades no trajecto, como é o caso da existência de icebergs.
Como escreveu um miúdo num teste da escola, «a fundação do Titanic serve para mostrar a agressividade dos icebergs». Sendo assim, o sensato é desviar-se destas autênticas montanhas de gelo, para evitar que, de repente, comecem a praticar sky aquático e venham de lá desmandadas embater num navio que circula, literalmente, à velocidade de cruzeiro. À partida, já não deverão realizar outro filme sobre tragédias do género, portanto…

Paralelamente, é de toda a utilidade saber nadar quando se pensa ir para o mar, um rio ou mesmo uma lagoa. Todos os cuidados são poucos, e, segundo um dos princípios de Arquimedes, «qualquer corpo mergulhado na água sai completamente molhado»! Pelo menos, podia acrescentar-se…

Já bem basta ter de mergulhar nas águas da crise económica, da desconfiança generalizada, da insalubridade psicológica, social, espiritual, e por aí fora. Nessas, para se sobreviver, muitas vezes tem de se aprender a boiar, à espera que a vaga seguinte se apresente mais favorável. Independentemente do percurso trilhado, o que realmente interessa é não deixar afundar o barco!



Maria Bijóias

Título: Numa viagem de barco

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

601 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRita B.

    15-03-2009 às 17:47:36

    Amigos que loucura de Barco!

    Que pena eu não saber nadar...

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaulinho B.

    15-03-2009 às 15:45:12

    Sim é muito louco este Barco. E tu Rita, mais vale aprenderes a nadar. Acredita no teu potencial e depois das primeiras braçadas e de alguns pirulitos, vais nadar.

    Pensa em conduzires um barco destes num ano( é uma boa motivação).

    ¬ Responder

Comentários - Numa viagem de barco

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios