Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Barcos > Deixe-se levar pelo vento

Deixe-se levar pelo vento

Categoria: Barcos
Visitas: 2
Comentários: 2
Deixe-se levar pelo vento

A água exerceu, desde sempre, fascínio sobre o Homem. Ou não fosse o globo terrestre maioritariamente constituído por ela. Aliás, a sua primeira grande aventura constou, exactamente, de se fazer ao mar. Para tal, revelava-se indispensável a concepção de um engenho que permitisse rasgar as águas de lagos, rios e mares. Neste contexto, as velas surgiram como um meio válido para aproveitar a energia do vento. Não obstante, nem sempre a intensidade e direcção deste se mostram favoráveis ao impulsionamento das embarcações.

Assim sendo, foram-se desenvolvendo técnicas para tornar possível velejar com apenas um mínimo de vento.

A vela, para além de uma actividade desportiva que propicia uma forte conexão com a Natureza, firmada no cheiro a maresia, no sentir do vento e no desfrutar de paisagens assombrosamente belas, integra uma modalidade de competição que movimenta verbas absolutamente inimagináveis despendidas na aplicação de tecnologias de ponta, desenvolvidas por equipas imensamente numerosas, com o intuito de aumentar as probabilidades de ganhar. Também conhecida como “iatismo”, desde 1900 que a vela faz parte do programa olímpico. A competição tem em conta os pesos e dimensões dos barcos, estabelecendo a divisão por classes.

Existem, essencialmente, dois tipos de provas: regatas, em que todos competem com todos, e match racing, que se disputa próximo da costa, entre barcos iguais, em que a estratégia e a agilidade dos velejadores se revelam fundamentais para a vitória.
O windsurf mais não é do que uma versão light da vela, sendo uma expressão da evolução desta ao longo dos tempos. Já existe, inclusivamente, vela adaptada, destinada a deficientes motores.

Embora haja provas de vela em lagos e albufeiras, este é um desporto característico de países dotados de costa marítima e tradição navegante. Ainda assim, talvez por se tratar de uma modalidade cara, não encontra ainda tantos adeptos quantos os que seria de esperar. Saber nadar é uma premissa inquestionável para que quer aprender a velejar.

Posteriormente, há que procurar uma boa escola de vela, que, geralmente, empresta a embarcação. A idade mínima recomendada para praticar vela ronda os oito anos.
Curiosamente, a classe Optimist, ideal para a iniciação teve origem em terra. Nasceu a partir dos soapbox car (carrinhos com ascendência em caixas de madeira), com os quais brincavam nas ruas as crianças de Clearwater, na Florida, EUA. Este barco, de reduzido custo de produção e construção simples, foi criado em meados do século passado. É dirigido a velejadores com menos de 15 anos. Esta é, precisamente, a classe com mais adeptos, contando cerca de 150 mil em 100 países.



Maria Bijóias

Título: Deixe-se levar pelo vento

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 06:18:54

    Adoro viagens de barco. Ele nos proporciona momentos de reflexão e paz.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãotelsio

    20-05-2009 às 12:19:22

    Optimist é uma classe de barco que o meu filho costuma velejar. Tem 14 anos e todos os verões pratica, disfruta, diverte-se com varios amigos no seu Optimist. O barco até tem nome - Romeu.

    Maria gostem bastante do teu texto sobre barcos , um muito obrigado.

    ¬ Responder

Comentários - Deixe-se levar pelo vento

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios