Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > A Pintura Flamenga Do Século XV E XVI

A Pintura Flamenga Do Século XV E XVI

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 20
A Pintura Flamenga Do Século XV E XVI

A pintura flamenga também teve um papel importante na História da Arte.

A obra O pecado original, de Hugo van der Goes, trata, como diz o título, o tema do pecado original. Vemos Adão e Eva, duas figuras magras, num jardim paradisíaco. Agarrado à árvore, está um monstro horrível com cabeça de mulher e corpo de lagarto, ou seja, a serpente que os textos bíblicos falam.

O Tríptico, Hans Memling, chamado de altar de São João pela presença destes nos painéis laterais. No painel central, vemos a Nossa Senhora entronizada com o menino ao colo. O Menino tenta alcançar o anjo com instrumento, que lhe oferece uma maçã. Este alimento parece ter caído dos enfeites do baldaquino. Do outo lado da Virgem está um individuo estático na posição de oração. A paisagem atrás da cena principal é calma e tranquila.

Cristo carregando a cruz, de Hieronymus Bosch, mostra uma multidão em tumulto com a passagem de Cristo carregando a cruz, a figura principal. Ele avança indiferente à multidão enfurecida. Destacamos aqui a figura de branco que vai a sair da composição, com um turbante, ou seja, é um fiel. Tem nas costas um escudo com um sapo, o símbolo do Mal. Em primeiro plano, vê-se os dois Ladrões, que também vão ser crucificados. O Bom Ladrão encontra-se à direito do observador ser confessado por um frade, e o Mau Ladrão, no lado esquerdo, preso com uma série de cordas.

Retrato de uma senhora veneziana, uma pintura Albrecht Dürer, é uma obra que resulta da permanência do pintor em Itália. É um retrato inacabado, como podemos ver pelo laço do lado direito. Conseguimos ver um sorriso suspenso nos lábios. O seu cabelo está preso atrás da nuca numa rede transparente, deixando cair à frente alguns caracóis. O martírio dos dez mil cristãos conta a história dos dez mil martírios (decapitação, crucificação e lapidação). É um quadro com grande dramatismo e sofrimento. O rei persa no cavalo controla o massacre. Destacam-se duas figuras no centro da cena a ver os martírios. Estas figuras são o próprio pintor e o seu amigo Conrad Celtes.


Daniela Vicente

Título: A Pintura Flamenga Do Século XV E XVI

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 20

767 

Comentários - A Pintura Flamenga Do Século XV E XVI

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios