Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Categoria: Arte
Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Os primeiros cristãos reuniram-se em pequenos grupos em casas particulares. O partir do pão fazia-se de casa em casa, assim como partilhar do vinho.

Durante a década de 1920 foi feito um achado arqueológico na cidade síria de Dura-Europos, que nos permite ver o deverá ter sido um local típico de reunião cristã. Começam por ser casas privadas e modestas e tinham quase sempre um baptistério. A casa é uma típica domus romana de dois andares, com uma grande sala que dá para o átrio, que poderá ter servido como sala de assembleia, enquanto outro espaço terá sido reservado para o baptismo, a avaliar por uma fonte que ocupa uma parede. A fonte é coberta por um arco em pedra e cenas em fresco decoram a fonte e as paredes laterias. Na luneta está um Bom Pastor, equilibrando um cordeiro nos ombros e encaminhando o seu rebanho. Nas paredes laterais estão três mulheres, podendo ser as Três Marias no Tumulo.

Em meados do século III as comunidades cristãs já tinham alguma importância, e quando passou a vaga de perseguições estabeleceram-se paróquias em Roma. Cada paróquia tinha uma igreja própria, identificada por um titulus. A religião cristã começa a crescer e a ter uma liturgia mais elaborada que exigia espaços permanentes. Estas igrejas deveriam possuir: uma sala para os serviços religiosos, com dimensões alargadas, uma divisão entre clero e leigos, uma mesa de altar, uma mesa para as oferendas e uma cancela baixa em madeira; um vestíbulo para ouvir a missa; um baptistério com pia baptismal; alguns espaços de apoio para a catequese, para a administração, para arrumar a roupa entre outros fins; quartos para os membros do clero; e um pátio. Havia dois tipos de serviços: serviço aberto a fiéis e catecúmenos e serviço reservado a fiéis. Havia dois tipos de igreja: construído a pedido dos imperadores ou construído pelo patrono ou congregação.

Após a a vitória de Constantino na Ponte de Mílvio sobre Maxêncio, Constantino, Imperador de Roma, mandou erguer a Basília de S. João de Latrão, em Roma. A construção iniciou-se em 313 e terminou por volta de 318. A basílica tinha 100 metros de comprimento, 53 metros de largura, um transepto saliente e 5 naves divididas por arcadas. Ao longo do tempo, a Basílica de São Pedro foi substituindo esta, pois atrais os fieis com o tumulo de São Pedro.

Daniela Vicente

Título: Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 0

603 

Comentários - Nascimento dos espaços arquitectónicos cristãos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

10 motivos para você fazer um cruzeiro

Ler próximo texto...

Tema: Viagens
10 motivos para você fazer um cruzeiro\"Rua
Vai chegando o final do ano e começa a bater aquela vontade de viajar, de ir descansar longe da correria do dia-a-dia, sem se estressar, a dica é que não há nada mais prático e relaxante do que fazer um cruzeiro, sabe por quê?

1. Você pode contratar o serviço parcelado, em muitas agências de viagem; assim começa a pagar agora e provavelmente já estará mais da metade pago na ocasião da viagem;

2. Relaxar em lugar calmo, com todas as comodidades à bordo, garçons, camareiro, equipe de animação, entre outros;

3. Geralmente o pacote já vem com comida e bebida liberados, o que quer dizer que você se delicia e não se preocupa com quanto vai gastar e onde vai comer.

4. Como o navio atraca em vários portos, dá um tempinho para conhecer vários lugares bacanas e tirar muitas fotos nos pontos turísticos. Dependendo da parada, você até consegue alugar um kit de mergulho e dar uma olhada no fundo do mar.

5. A diversidade cultural costuma ser muita e você acaba conhecendo pessoas e costumes de outros países;

6. Para não ir achando que as horas à bordo do navio são entediantes, vale ressaltar que há inúmeras atividades fornecidas pela tripulação responsável, o que inclui brincadeiras, atividades físicas em grupo, dança, sorteios e muita música.

7. Para aqueles que apreciam jogos de azar, o navio tem um cassino que é um encanto mesmo para quem não joga.
8. Outra atração impressionante é a danceteria, aberta todas as noites, com músicas de variados estilos, e bebidas liberadas com o bar no mesmo ambiente;

9. Já se preferir lagartear ao sol dentro do navio costuma ter espaço para o banho de sol e com piscinas grandes e também jacúzis para você se sentir em um verdadeiro spa.

10. Não menos importante, os navios contam com um teatro que costuma impressionar os passageiros, com um elenco digno de grandes palcos, e histórias incríveis.


Então, se você ainda não teve essa incrível experiência, vale a pena se programar aí com a família, e aventurar no mar, colecionar um misto de emoções, lembrancinhas e milhares de fotos. Com certeza será uma experiência inesquecível e você vai acabar querendo fazer mais vezes!

Pesquisar mais textos:

Clarissa Reinoco Machado

Título:10 motivos para você fazer um cruzeiro

Autor:Clarissa Reinoco Machado(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios