Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Ordens mendicantes

Ordens mendicantes

Categoria: Arte
Visitas: 4
Ordens mendicantes

As ordens mendicantes chegaram a Portugal na década de 20 do século XIII, acompanhando o crescimento das cidades e vilas, num momento em que o reino estabelecia as suas fronteiras definitivas, nomeadamente a Sul.

Estas ordens distinguiam-se das anteriores que se tinham estabelecido em Portugal, pois não viviam da dízima, nem das doações e não cultivavam o culto das relíquias, prática muito comum nesta altura na Europa. Eles viviam das esmolas dos cristãos, principalmente, os Franciscanos, pois os Dominicanos viviam do apoio das elites da sociedade.

Os Dominicanos foram criados para combater os cátaros, enquanto que os Franciscanos queriam apenas espalhar a paz e a harmonia e missionar os muçulmanos e os cristãos pobres. Os Dominicanos eram os mais intelectuais, convertiam pela razão e pelo confronto didáctico com os hereges.

Os Franciscanos foram aqueles que tiveram mais dificuldade em integrar-se na sociedade, sendo expulsos pelas instituições pré-existentes, que não queriam concorrência. Até inícios do século XV, a implantação dos medicantes estava associada a movimentos de resistência activa.

Fixaram-se na periferia das cidades, quase sempre em construções pobres e temporárias, instalando-se muitas vezes em edifícios cedidos por entidades públicas ou assistenciais. Habitações, normalmente, de madeira. Foi aos poucos que edificaram os seus edifícios definitivos.

Em Portugal, o modelo mendicante mais comum tem grandes semelhanças com a igreja de Santa Maria do Olival, em Tomar, e irá ser copiado em quase todas as igrejas das crescentes ordens e na maior parte das igrejas paroquiais, entre o século XIII e inícios do século XVI. O modelo mais comum consiste numa cabeceira com remate poligonal, cruzamento em ogivas simples e três capelas, três naves escalonadas, na iluminação directa pelo clerestório da nave e naves com três, cinco ou sete tramos com cobertura de madeira. Os pilares das arcadas têm secção reduzida, colunas embebidas nas faces longitudinais e são espaçadas entre si. Estes são simples pois não têm tecto abobadado ao contrário do que acontece, por exemplo em Alcobaça. Não possuem torres, apenas campanários de dimensões modestas. A altura do edifício, regra geral, é relativamente pequena. As igrejas góticas totalmente abobadas são extremamente raras, apenas nas catedrais, grandes mosteiros ou igreja de financiamento régio.


Daniela Vicente

Título: Ordens mendicantes

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

657 

Comentários - Ordens mendicantes

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Jardinagem Fonte de Vida

Ler próximo texto...

Tema: Bricolage Jardim
Jardinagem Fonte de Vida\"Rua
A jardinagem é conhecida há anos como uma forma de emprego que possibilita a muitos uma renda familiar mensal. A jardinagem também pode ser artística onde a arte do profissional é aplicada. A jardinagem pode ser de inúmeras formas conhecida e exercida, trazendo benefícios imensuráveis a aqueles que dela são adeptos.

Muito mais que fonte de renda ou arte a jardinagem é uma fonte de inúmeros beneficio a vida do ser humano, fonte de alegria, relaxamento e distração. E por ser uma atividade tão simples não é difícil de ser realizada. A jardinagem é por si só fonte de vida, fonte de aprendizado e principalmente fonte de intimidade do ser humano.

Ser adepto da jardinagem não é somente revirar terra, ser adepto da jardinagem é decisão de vida que transforma seu dia-a-dia mudando a rotina de dias estressantes e cansativos.

Ao olhar de muitos a tarefa possa parecer penosa, cansativa e até chata, mais somente estando envolvido na jardinagem para perceber que muito mais ter um corpo cansado após a tarefa, você na verdade descansa seu corpo sua mente e seu espírito da agitação do dia-a-dia.

Alguns minutos dedicados à jardinagem são o suficiente para inibir grande carga emocional e física do nosso dia-a-dia, e proporcionando uma energia a mais para os próximos dias.

A jardinagem pode ser realizada de varias formas simples que vão trazer todos estes benefícios a sua vida e não são necessários grandes investimentos ou mudança radical da sua rotina de vida ou qualquer outra mudança que você possa imaginar. Na verdade as maiores mudanças são comportamentais e só depende de você.

Para detalhar um pouco o que você poderá fazer com alguns minutos dedicados à jardinagem você irá perceber que não há nenhuma dificuldade em realizar esta tarefa.

Com um mínimo de espaço você pode cultivar plantas simples, em vasos pequenos que não irão ocupar espaço e serão na verdade uma linda forma de ornamentar sua casa.

Você poderá cultivar uma espécie de planta conhecida como:
- Rosa de pedra

É uma suculenta, planta que armazena água nas folhas e caules, que tem o formato parecido com o de uma rosa. É muito usada para fazer arranjos em vasos com outras suculentas e cactos. Deve ser regada apenas uma vez por semana, pois a umidade pode apodrecer suas raízes. Não tolera muito sol.

E você vai perceber que se dedicar alguns minutos a jardinagem é muito bom para você, os resultados não tem como ser calculados, somente há possibilidade de experimentar o quanto bom é o resultado final.

Então não espere muito é dedique-se um tempo a descobrir o quanto é bom a jardinagem para sua vida.

Pesquisar mais textos:

Rodrigo Junio Ferreira

Título:Jardinagem Fonte de Vida

Autor:Rodrigo Junio Ferreira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:43:33

    É tão gratificante nós mesmos realizarmos a jardinagem. Essa atividade relaxa, gera prazer e o resultado nos deixa muito felizes. Vale a pena!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios