Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Utilidades Domésticas > Como recuperar um pixel danificado num LCD!

Como recuperar um pixel danificado num LCD!

Visitas: 6
Comentários: 1
Como recuperar um pixel danificado num LCD!

Se o seu ecrã LCD tem um ponto na tela que está teimosamente "preso" (ou sempre brilhante ou sempre escuro), é potencialmente possível corrigi-lo em casa. Tudo dependerá da gravidade do dano.

Primeiro precisa descobrir se o pixel está somente preso ou morto. Um pixel preso geralmente mostra uma cor. Um pixel morto é branco sólido ou preto sólido. Tente descortinar se o pixel está simplesmente preso, ou completamente morto.

Enviar a tela de volta para o fabricante é sempre uma opção. Se o pixel estiver morto, a sua melhor aposta é a de lucrar com a garantia do seu ecrã e enviá-lo de volta para o fabricante.

Se a garantia do ecrã já tiver expirado, você pode tentar os seguintes métodos. Esteja ciente, porém, que estas hipóteses de solução foram feitas principalmente para remediar pixels presos.

Ligue o computador ou o ecrã de LCD.
Exiba uma imagem em preto, que irá mostrar o pixel preso muito claramente contra a imagem do fundo. É muito importante que esteja a mostrar uma imagem em preto e não apenas um sinal em branco, pois precisa da luz de fundo do ecrã LCD para iluminar a parte de trás do painel.

Pegue num objeto estreito com um final arredondado e sem arestas. Um marcador com tampa, um lápis, uma caneta de plástico ou a extremidade de um pincel de maquilhagem podem funcionar perfeitamente para o efeito pretendido.

Use a ponta arredondada do objeto para tocar suavemente no pixel preso. Não bata de força no pixel no princípio, apenas o suficiente para ver um brilho branco rápido sob o ponto de contacto. Se não viu um brilho branco, então não bateu forte o suficiente. Faça um pouco mais de pressão desta vez.

Bata agora com mais força. Aumente a força das batidas gradualmente para 5-10 vezes até que o pixel surja novamente a funcionar.

Aplique alguma pressão no lugar do pixel. Se o que fez ainda não produziu quaisquer resultados, pegue num pano (não molhado) ou toalha de papel. Dobre o tecido para que não o rasgue acidentalmente e pressione-o sobre o pixel preso. Aplique pressão suave, mas de acordo com a que exerceu com o objeto que usou para bater.

Tente aplicar pressão somente no pixel preso e não na área circundante.
Finalmente, verifique os resultados. Exiba uma imagem branca (como um documento de texto vazio, ou envie o seu navegador para 'about: blank') para verificar que não causou mais danos. Se conseguiu arranjar o pixel preso, todo o seu ecrã deve ficar branco.

(A autor e a ruaDireita não se responsabiliza por qualquer avaria no equipamento causada pela tentativa de raparação.)


Ruben Duarte

Título: Como recuperar um pixel danificado num LCD!

Autor: Ruben Duarte (todos os textos)

Visitas: 6

796 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    05-06-2014 às 19:04:17

    Arrasou com essas dicas! Adorei mesmo. Mas, como não tenho muita prática, ainda creio ser mais prudente procurar um técnico para isso!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Como recuperar um pixel danificado num LCD!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios