Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > As cidades na Idade Média

As cidades na Idade Média

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 338
As cidades na Idade Média

A partir do ano 1000 verificamos um grande desenvolvimento das cidades. A expansão demográfica, assim como, a expansão agrícola permitiram a existência das cidades. O êxodo rural marca este período.

Os filhos segundos dos camponeses vão para as cidades procurar um novo modo de vida em atividades de tipo artesanal. A chegada da população, em geral, vai permitir o crescimento das cidades e o aparecimento de mais cidades.

Encontramos vários tipos de cidades na Idade Média: a civitas, uma cidade política, onde se instala o conde ou o bispo e, mais tarde, vai dar lugar a uma sede de um senhorio. Nestas cidades há comércio regional, inter-regional, nacional e internacional. Os monumentos antigos predominam e voltam a ser reutilizados para novas funções; a castrum, povoações criadas para abastecer as cidades. Aqui residiam soldados, que, com o passar do tempo, vão também passar a residir também comerciantes, artesãos e clérigos; e os portos, povoações construídas por motivos económicos. No inverno, é aqui que os mercadores se instalam.

Embora uma grande parte da população trabalhe na agricultura, cada vez mais homens e mulheres se inserem nas áreas artesanais e comerciais, fonte de grande riqueza, que gera emprego e prosperidade.

O desenvolvimento das cidades não se faz sem sobressaltos. Os mercadores vão reivindicar garantias e liberdades aos senhores, pois pagam taxas altíssimas. Surgem, assim, as Comunas. Os habitantes de uma cidade unem-se perante o senhor para obter os seus direitos, diminuindo a arbitrariedade do senhor. Estes direitos deviam ser escritos numa carta, a carta de franquia. Estas são conseguidas de forma pacífica ou violenta, dependendo da disponibilidade do senhor. Os habitantes mais ricos vão juntar-se num juramento, a juranda, para conseguirem os tais direitos dos senhores. Os senhores eclesiásticos são os que mais resistem.
As cartas de franquia dão liberdade aos mercadores para se autogovernar. São estes que vão formar as elites de poder, opressoras. O casamento é feito dentro da elite, uma maneira inteligente de não permitir a ascensão dos que estão dela, como os assalariados.

Como é de se prever, esta situação traz situações de tensão no século XIV, quando chegam as fomes e as epidemias.


Daniela Vicente

Título: As cidades na Idade Média

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 338

803 

Comentários - As cidades na Idade Média

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.