Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > As cidades na Idade Média

As cidades na Idade Média

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 405
As cidades na Idade Média

A partir do ano 1000 verificamos um grande desenvolvimento das cidades. A expansão demográfica, assim como, a expansão agrícola permitiram a existência das cidades. O êxodo rural marca este período.

Os filhos segundos dos camponeses vão para as cidades procurar um novo modo de vida em atividades de tipo artesanal. A chegada da população, em geral, vai permitir o crescimento das cidades e o aparecimento de mais cidades.

Encontramos vários tipos de cidades na Idade Média: a civitas, uma cidade política, onde se instala o conde ou o bispo e, mais tarde, vai dar lugar a uma sede de um senhorio. Nestas cidades há comércio regional, inter-regional, nacional e internacional. Os monumentos antigos predominam e voltam a ser reutilizados para novas funções; a castrum, povoações criadas para abastecer as cidades. Aqui residiam soldados, que, com o passar do tempo, vão também passar a residir também comerciantes, artesãos e clérigos; e os portos, povoações construídas por motivos económicos. No inverno, é aqui que os mercadores se instalam.

Embora uma grande parte da população trabalhe na agricultura, cada vez mais homens e mulheres se inserem nas áreas artesanais e comerciais, fonte de grande riqueza, que gera emprego e prosperidade.

O desenvolvimento das cidades não se faz sem sobressaltos. Os mercadores vão reivindicar garantias e liberdades aos senhores, pois pagam taxas altíssimas. Surgem, assim, as Comunas. Os habitantes de uma cidade unem-se perante o senhor para obter os seus direitos, diminuindo a arbitrariedade do senhor. Estes direitos deviam ser escritos numa carta, a carta de franquia. Estas são conseguidas de forma pacífica ou violenta, dependendo da disponibilidade do senhor. Os habitantes mais ricos vão juntar-se num juramento, a juranda, para conseguirem os tais direitos dos senhores. Os senhores eclesiásticos são os que mais resistem.
As cartas de franquia dão liberdade aos mercadores para se autogovernar. São estes que vão formar as elites de poder, opressoras. O casamento é feito dentro da elite, uma maneira inteligente de não permitir a ascensão dos que estão dela, como os assalariados.

Como é de se prever, esta situação traz situações de tensão no século XIV, quando chegam as fomes e as epidemias.


Daniela Vicente

Título: As cidades na Idade Média

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 405

803 

Comentários - As cidades na Idade Média

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios