Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Sociedade de Classes

Sociedade de Classes

Categoria: Outros
Visitas: 4
Sociedade de Classes

O Liberalismo e a industrialização provocaram mudanças sociais. À medida que o século XIX avançava, as velhas sociedades de ordens tendiam a desaparecer. Ao proclamar-se a igualdade dos homens perante a lei, já não fazia sentido os títulos de nobreza, as honrarias, os brasões e os privilégios fiscais e judiciais. Agora as distinções entre os homens assentava no seu poder económico, na sua situação profissional, no seu grau de instrução e cultura, nas suas opções políticas, nos seus valores e comportamentos. Eram dois os grandes grupos sociais: a burguesia e o proletariado.

Na classe burguesa encontrava-se os empresários industriais, os banqueiros, os directores das companhias-de-ferro ou de navegação e os grandes comerciantes. Devido ao poder político, económico e social, a alta burguesia usufruiu de uma notável hegemonia. Em algumas famílias, o poder era transmitido de pai para filho.

A burguesia imitava a aristocracia, através da compra de propriedades, garantia de respeitabilidade. Nas cidades erguiam grandes moradias de luxo, passavam as férias em estâncias, assistiam a corridas de cavalos e bailes e frequentavam boas colégios e escolas. Aos poucos, a alta burguesia criou uma consciência de classe.

As classes médias deviam o seu nome ao facto na hierarquia social, se situarem entre o proletariado e a alta burguesia. Nesta classe encontravam-se os possuidores de rendimentos, donos de bens fundiários, de imoveis, de obrigações e acções que lhes assegurava capital. As profissões liberais pouco cresceram, mas valorizaram-se.

Na classe operária havia más condições de trabalho: salários baixos, horários rígidos, contractos incertos, falta de alojamento, pouca luz, riscos de acidentes, calor ou frio glacial, falta de arejamento, barulho ensurdecedor, ausência de vestuário, sanitários e cantinas, ausência de férias, de feriados e de descanso dominical e o horário das refeições é quase inexistente. O trabalho da mulher e das crianças era indispensável. O salário das mulheres era menos de 1/3 e das crianças menos de metade dos homens. Quando o trabalho não se via, lá estava o contramestre para chicotear os trabalhadores, nomeadamente, as crianças, apreciadas pela agilidade do seu trabalho.

As condições de vida dos trabalhadores eram, de facto, desequilibradas, sendo os operários um terreno fértil para a propagação de doenças, como a cólera, asma e tuberculose.


Daniela Vicente

Título: Sociedade de Classes

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

667 

Comentários - Sociedade de Classes

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios