Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O papel cultural das Comitivas de Queima do Alho

O papel cultural das Comitivas de Queima do Alho

Categoria: Outros
Comentários: 2
O papel cultural das Comitivas de Queima do Alho

Queima do Alho é o nome dado à comida do peão de boiadeiro, mas que no contexto cultural abrange mais que a culinária, alargando-se para todo um contexto cultural que engloba importantes manifestações da cultura caipira.

O peão de boiadeiro, sendo um caipira viajante, realizava durante as marchas muitas trocas culturais entre cidades, povoados e fazendas. Nos chamados “pontos de pouso” (que poderiam ser fazendas, pequenos povoados e vilas ou mesmo trechos do estradão) os peões das comitivas boiadeiras interagiam entre si e com a comunidade através de manifestações culturais que se realizavam principalmente em torno do ato de sua alimentação, descanso e lazer.

Devido à dureza do trabalho, era necessário que a comida fosse forte, de sustança, como diz o caipira, para que os peões pudessem aguentar o tranco. O cardápio podia variar de região pra região, mas o básico, o que geralmente não faltava, era o arroz carreteiro, o feijão gordo, a paçoca de carne e o churrasco na chapa. O cozinheiro seguia na frente do grupo (geralmente composta de sete a oito peões) levando as bruacas que eram caixas de couro que guardavam mantimentos e utensílios necessários à preparação da comida.

Como as viagens eram longas, às vezes com duração de meses, além da comida para o corpo fazia-se necessário também alimentar o espírito. Temos então as figuras indispensáveis do violeiro, do contador de causo, do berranteiro, do cantador, do catireiro, etc. Mesmo desempenhando uma atividade profissional das mais penosas, os peões das comitivas boiadeiras já disseminavam a cultura caipira. Além de trabalhadores, sempre foram fazedores de cultura.

Com o fim do ciclo das boiadas, a cultura boiadeira passou a ser representada pelas Comitivas de Queima do Alho que reproduzem o contexto cultural antigo em concursos e eventos culturais e festivos. Temos hoje no interior, e mesmo na capital, centenas de comitivas que se organizam com o intuito de preservar a tradição do peão de boiadeiro. Umas com mais teor cultural, outras com menos, mas todas intimamente ligadas aos costumes e artes dos caipiras antigos que transportavam boiadas.

O peão de boiadeiro é um personagem de grande relevância no imaginário do povo e está presente em inúmeras manifestações culturais na área de abrangência da cultura caipira. Com a americanização do nosso rodeio muitos são levados a confundi-lo com o caubói, mas a confusão é motivada pela ignorância cultural, pois peão é peão e caubói é caubói. Nem precisa ler muito para descobrir que a diferença é muito grande.

O papel das atuais comitivas de Queima do Alho é representar o momento da parada das boiadas nos pontos de pouso. Neste sentido, cada comitiva se comporta como um museu que ao mesmo tempo em que preserva o passado ressignifica o fazer cultural caipira adaptando-o ao mundo moderno.

Participar de uma Queima do Alho, além de gostoso, é importante para o fortalecimento de nossa identidade cultural caipira. Queimemos então o alho!


Luiz Mozzambani Neto

Título: O papel cultural das Comitivas de Queima do Alho

Autor: Luiz Mozzambani Neto (todos os textos)

Visitas: 0

196 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Marcos Roberto Pres. CMTV PEMP

    09-03-2015 às 21:51:01

    Primeiramente Boa Noite, Sou Pres. da Comitiva Pula Em Mim Perereca temos 2 anos ai de estrada e gostaria de dizer que temos imensa honra em poder fazer nem que seja só um pouquinho da História ai do Sertão desse mundão Sertanejo representado por diversas Comitivas seja as de larga tradição como as de menos mais todas ligadas em um só proposito que é de não deixar a Cultura morrer que isso é coisa nossa do Brasil e Luiz que belo texto parabéns e nós da Comitiva PEMP temos Orgulho em poder ser seguidores dessa Tradição e o que depender de mim e amigos ela não morre jamais...

    ¬ Responder
  • Luiz Mozzambani NetoLuiz Mozzambani Neto

    11-03-2015 às 20:26:51

    Obrigado pelas palavras e parabéns pelo trabalho da comitiva! Como escritor e pesquisador trabalho na defesa da cultura através das letras mas são vocês com vossas comitivas quem de fato mantém a Queima do Alho! Estamos juntos nesta luta! Abraços!

    ¬ Responder

Comentários - O papel cultural das Comitivas de Queima do Alho

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios