Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > As amantes dos Reis D. Fernando, D. João I e D. Duarte.

As amantes dos Reis D. Fernando, D. João I e D. Duarte.

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
Comentários: 1
As amantes dos Reis D. Fernando, D. João I e D. Duarte.

D. Fernando, filho de D. Pedro I, teve uma amante e tornou-a rainha. Estamos a falar de D. Leonor Teles, filha de Martim Afonso Telo e de D. Aldonça de Vasconcelos. Veio para Portugal após a morte do seu pai com os seus irmãos, João Afonso Teles, Gonçalo Teles e Maria Teles. Quando conheceu D. Fernando era casada com D. João Lourenço da Cunha. Conheceram-se quando esta veio à corte ver a sua irmã D. Maria Teles, dama de D. Beatriz. D. João da Cunha fugiu para Castela, e D. Leonor casou com D. Fernando. O que revoltou o Reino não foi o monarca tê-la como amante, como aconteceu no início, mas fazê-la Rainha de Portugal. Também D. Leonor Teles teve o seu amante, D. João Fernandes Andeiro, mais conhecido como Conde Andeiro.

Teve outros casos antes de D. Leonor Teles, pois sabe-se que teve uma filha em 1364. Mais intrigante foi a suposta relação de D. Fernando com a sua meia-irmã, D. Beatriz, filha de D. Pedro I e sua amante, D. Inês de Castro. D. Fernando desejou desposar esta meia-irmã, mas uma dispensa papal era impossível num caso de consanguinidade tão forte.

D. João I, sucessor de D. Fernando, teve uma relação com Inês Pires, filha de Maria Anes e Pero Esteves, apelidado o Barbadão. Conta a lenda que Pero Esteves, desgostoso da relação da sua filha com o monarca, nunca mais cortou a barba. Diz-se que se conheceram numa cerimónia religiosa e acabou quando D. João I casou com D. Filipa de Lencastre. Desta relação resultaram dois rebentos: D. Afonso e D. Beatriz. Estes estavam sempre na corte. D. João I tem outra lenda associada a ele: a lenda da Sala das Pegas. Segundo esta, quando o monarca foi apanhado pela rainha a beijar uma dama, ele respondeu que o fizera por bem.

D. Duarte foi um monarca que despertou nos historiadores algumas dúvidas. Pensa-se que poderá tido um filho bastardo, mas é uma afirmação muito duvidosa. O bastardo que se pensa chamava-se D. João Manuel, filho de D. Joana Manuel. O certo é que muito provavelmente, D. Duarte não herdou a fogosidade do pai.

Daniela Vicente

Título: As amantes dos Reis D. Fernando, D. João I e D. Duarte.

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 2

682 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • claudia isabel teixeira freitas

    15-05-2015 às 11:54:34

    ja dei isso em historia

    ¬ Responder

Comentários - As amantes dos Reis D. Fernando, D. João I e D. Duarte.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios