Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A crença num Messias

A crença num Messias

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 2
A crença num Messias

Jerusalém, era a capital de um reino unificado de Israel, no século XI a.C
Os seus primeiros reis,de nome Saul, David e Salomão, desenvolveram a economia e garantiram a paz às populações.

O rei Salamão mandou edificar o Templo de Jerusalém, que passou a ser o centro de culto a Javé.
Contudo, quando o rei Salomão morreu os dois reinos dividiram-se, ficando o de Judá, a sul e o de Israel, a norte.

A partir daqui, os hebreus começaram a ser dominados por povos vizinhos, como os assírios, os babilónios, os persas, os gregos, os romanos, e, muito mais tarde, os mculmanos, com os quais têm atualmente um conflito pela disputa da Terra Prometida.
Em face deste domíneo estrangeiro, os hebreus desenvolveram a crença num Messias ou Salvador, que viria á terra para salvar o Povo eleito.

Efetivamente , quando Jesus Cristo iniciou as suas pregações, na Palestina, muitos hebreus acreditaram ser ele o Messias, mas outros recusaram-no, o que gerou controvérsia e divisão.
A partir destes acontecimentos, Jesus Cristo acabou por ser morto, tendo se iniciado depois o Cristianismo.

Os cristãos adotaram um livro sagrado, chamado Bíblia, que narra a história dos hebreus como povo eleito de Deus.
Esta religião é diferente da dos anteriores povos, em virtude de assentar na crença em um só Deus, e não em vários. assim, deixa de ser politeísta e passa a ser designada de monoteísta.

Com efeito, os hebreus recusam a representação de Deus e o culto das imagens, o sábado é o dia sagrado, dedicado á comemoração da criação do mundo por Deus.
Na Páscoa comemora-se a libertação da escravidão e fuga do Egito.

O Judaísmo não permite comer carne de cavalo, porco, coelho, pato, peixes sem escamas e ingerir sangue de animal.
O culto é dirigido por rabinos, sacerdotes e realiza-se nas sinagogas.

Tal como está escrito no livro Génesis, Deus estabeleceu uma aliança, com o seu povo, perpétua, para ser o Deus deles e das raças depois deles(versículo de génesis, 17:7-8.
O muro da Lamentações em Jerusalém ou Muro Ocidental é o local mais sagrado de Israel, tendo sido construído onde outrora se encontrava o Templo de Jerusalém, destruído pelos romanos em 70 d.C.

Todas as sextas feiras e nos dias estivos, os judeus deslocam-se ali para rezar e fazer os seus pedidos a Javé.
Moisés é considerado pelos judeus uma das suas principais figuras religiosas e o seu primeiro legislador.

Segundo a Bíblia, a mãe lançou-o numa cesta, nas águas do Nilo, para escapar à morte, decretada pelo faraó para todos os recém nascidos hebreus, para evitar que fossem muito numerosos e se revoltassem. Mas Moisés foi encontrado pela filha do faraó, que o educou como um príncipe.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A crença num Messias

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 0

612 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    01-09-2014 às 14:30:27

    O Messias, Jesus Cristo, já veio e cumpriu sua missão. Ele voltará para buscar o seu povo. Muitos não acreditam, mas é o que a bíblia relata e é a esperança dos cristãos.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDona maria

    16-04-2014 às 00:17:33

    Fantástico, rezar, acreditar e ter fé

    ¬ Responder

Comentários - A crença num Messias

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios