Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Negro, o livro e a liberdade

O Negro, o livro e a liberdade

Categoria: Literatura
O Negro, o livro e a liberdade

Ao Brasil, assim como a outros países, tem custado muito caro o histórico de discriminação de grupos sociais com base em fatores religiosos, étnicos, econômicos e culturais. No caso de discriminação das pessoas negras, fica evidente, mesmo numa análise superficial da sociedade, que a ferida da escravidão ainda não foi totalmente curada.

Neste sentido, a literatura, como arte das mais introspectivas, tem papel fundamental na construção de uma coletividade menos discriminatória, através da construção de individualidades mais conscientes de seu papel social e humano. A constatação de que as pessoas, às vezes, praticam o racismo sem perceber e, na maior parte das vezes, sem se reconhecerem racistas, devido a uma maquilagem cultural e social (tão típica da sociedade brasileira), leva-nos à necessidade de escancarar alguns sentimentos e hábitos que, mesmo praticados nos subterrâneos da sociedade, afetam, de forma nefasta, o negro enquanto homem e cidadão.

Os hábitos discriminatórios, de tão enraizados em nossa Cultura, vão sendo banalizadas a cada geração. Cabe à Literatura, como arte formadora de consciência emancipatória, o papel de lavar o leitor a um questionamento mais profundo sobre o seu próprio racismo.

Vivemos num país onde as grandes massas, em especial a negra, são ''aculturadas'' pela indústria cultural, o que leva à perda da própria identidade daqueles que, sem condições de acesso às manifestações culturais mais legítimas, são submetidos à verdadeira ditadura cultural das grandes organizações mundiais que produzem uma espécie de cultura globalizada e globalizante, afastando o indivíduo de sua própria história e sujeitando-o a uma verdadeira lavagem cerebral.

Este contexto explica por que a Literatura, por ser na essência introspectiva e questionadora, não é privilegiada pela indústria cultural. Trata-se de uma arte que, invariavelmente, leva o seu ''consumidor'' a um grau cada vez maior de senso crítico, o que não é desejável pelos meios de produção cultural que cumprem um importante papel no esquema de controle das massas através do achatamento cultural.

Teme-se, por certo, que mesmo submetido a uma grande produção literária massificada, o leitor acabe se libertando das armas do sistema pela própria necessidade de questionamento que a Literatura gera. O sistema consegue, por exemplo, que uma pessoa ouça as paradas de sucesso musicais durante toda a vida sem que isso lhe desperte o mínimo de senso crítico, mas o mesmo não se dará em relação à Literatura, pois mesmo um leitor das famigeradas listas dos mais vendidos acabará, como o tempo, caindo na tentação de trilhar seus próprios caminhos que poderão levá-lo ao perigoso exercício da verdadeira cidadania.

Em relação à discriminação do negro, o incentivo à leitura levaria o maior segmento social do País ao reconhecimento de sua própria identidade o que, por certo, mudaria os rumos da história do Brasil, em favor da justiça e da humanidade. Seria impossível continuar mantendo, nas camadas mais baixas da sociedade, aqueles que construíram essa nação, se cada negro brasileiro resolvesse buscar nas suas raízes os meios para sua verdadeira libertação.

A Literatura, por ser arte do contato com seu próprio eu (para além das amarras coletivas) por excelência, é de todas as artes a que mais cumpre a função de libertar os espíritos; maquiavelicamente tem sido desprezada pela indústria cultural que, ao fim das contas, não foi feita para quem queira pensar, muito menos para quem queira libertar-se (ou se dar conta do quanto está cercado pela não-arte).


Luiz Mozzambani Neto

Título: O Negro, o livro e a liberdade

Autor: Luiz Mozzambani Neto (todos os textos)

Visitas: 0

166 

Comentários - O Negro, o livro e a liberdade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Jardinagem Fonte de Vida

Ler próximo texto...

Tema: Bricolage Jardim
Jardinagem Fonte de Vida\"Rua
A jardinagem é conhecida há anos como uma forma de emprego que possibilita a muitos uma renda familiar mensal. A jardinagem também pode ser artística onde a arte do profissional é aplicada. A jardinagem pode ser de inúmeras formas conhecida e exercida, trazendo benefícios imensuráveis a aqueles que dela são adeptos.

Muito mais que fonte de renda ou arte a jardinagem é uma fonte de inúmeros beneficio a vida do ser humano, fonte de alegria, relaxamento e distração. E por ser uma atividade tão simples não é difícil de ser realizada. A jardinagem é por si só fonte de vida, fonte de aprendizado e principalmente fonte de intimidade do ser humano.

Ser adepto da jardinagem não é somente revirar terra, ser adepto da jardinagem é decisão de vida que transforma seu dia-a-dia mudando a rotina de dias estressantes e cansativos.

Ao olhar de muitos a tarefa possa parecer penosa, cansativa e até chata, mais somente estando envolvido na jardinagem para perceber que muito mais ter um corpo cansado após a tarefa, você na verdade descansa seu corpo sua mente e seu espírito da agitação do dia-a-dia.

Alguns minutos dedicados à jardinagem são o suficiente para inibir grande carga emocional e física do nosso dia-a-dia, e proporcionando uma energia a mais para os próximos dias.

A jardinagem pode ser realizada de varias formas simples que vão trazer todos estes benefícios a sua vida e não são necessários grandes investimentos ou mudança radical da sua rotina de vida ou qualquer outra mudança que você possa imaginar. Na verdade as maiores mudanças são comportamentais e só depende de você.

Para detalhar um pouco o que você poderá fazer com alguns minutos dedicados à jardinagem você irá perceber que não há nenhuma dificuldade em realizar esta tarefa.

Com um mínimo de espaço você pode cultivar plantas simples, em vasos pequenos que não irão ocupar espaço e serão na verdade uma linda forma de ornamentar sua casa.

Você poderá cultivar uma espécie de planta conhecida como:
- Rosa de pedra

É uma suculenta, planta que armazena água nas folhas e caules, que tem o formato parecido com o de uma rosa. É muito usada para fazer arranjos em vasos com outras suculentas e cactos. Deve ser regada apenas uma vez por semana, pois a umidade pode apodrecer suas raízes. Não tolera muito sol.

E você vai perceber que se dedicar alguns minutos a jardinagem é muito bom para você, os resultados não tem como ser calculados, somente há possibilidade de experimentar o quanto bom é o resultado final.

Então não espere muito é dedique-se um tempo a descobrir o quanto é bom a jardinagem para sua vida.

Pesquisar mais textos:

Rodrigo Junio Ferreira

Título:Jardinagem Fonte de Vida

Autor:Rodrigo Junio Ferreira(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Briana AlvesBriana

    13-10-2014 às 04:43:33

    É tão gratificante nós mesmos realizarmos a jardinagem. Essa atividade relaxa, gera prazer e o resultado nos deixa muito felizes. Vale a pena!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios