Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O Negro, o livro e a liberdade

O Negro, o livro e a liberdade

Categoria: Literatura
O Negro, o livro e a liberdade

Ao Brasil, assim como a outros países, tem custado muito caro o histórico de discriminação de grupos sociais com base em fatores religiosos, étnicos, econômicos e culturais. No caso de discriminação das pessoas negras, fica evidente, mesmo numa análise superficial da sociedade, que a ferida da escravidão ainda não foi totalmente curada.

Neste sentido, a literatura, como arte das mais introspectivas, tem papel fundamental na construção de uma coletividade menos discriminatória, através da construção de individualidades mais conscientes de seu papel social e humano. A constatação de que as pessoas, às vezes, praticam o racismo sem perceber e, na maior parte das vezes, sem se reconhecerem racistas, devido a uma maquilagem cultural e social (tão típica da sociedade brasileira), leva-nos à necessidade de escancarar alguns sentimentos e hábitos que, mesmo praticados nos subterrâneos da sociedade, afetam, de forma nefasta, o negro enquanto homem e cidadão.

Os hábitos discriminatórios, de tão enraizados em nossa Cultura, vão sendo banalizadas a cada geração. Cabe à Literatura, como arte formadora de consciência emancipatória, o papel de lavar o leitor a um questionamento mais profundo sobre o seu próprio racismo.

Vivemos num país onde as grandes massas, em especial a negra, são ''aculturadas'' pela indústria cultural, o que leva à perda da própria identidade daqueles que, sem condições de acesso às manifestações culturais mais legítimas, são submetidos à verdadeira ditadura cultural das grandes organizações mundiais que produzem uma espécie de cultura globalizada e globalizante, afastando o indivíduo de sua própria história e sujeitando-o a uma verdadeira lavagem cerebral.

Este contexto explica por que a Literatura, por ser na essência introspectiva e questionadora, não é privilegiada pela indústria cultural. Trata-se de uma arte que, invariavelmente, leva o seu ''consumidor'' a um grau cada vez maior de senso crítico, o que não é desejável pelos meios de produção cultural que cumprem um importante papel no esquema de controle das massas através do achatamento cultural.

Teme-se, por certo, que mesmo submetido a uma grande produção literária massificada, o leitor acabe se libertando das armas do sistema pela própria necessidade de questionamento que a Literatura gera. O sistema consegue, por exemplo, que uma pessoa ouça as paradas de sucesso musicais durante toda a vida sem que isso lhe desperte o mínimo de senso crítico, mas o mesmo não se dará em relação à Literatura, pois mesmo um leitor das famigeradas listas dos mais vendidos acabará, como o tempo, caindo na tentação de trilhar seus próprios caminhos que poderão levá-lo ao perigoso exercício da verdadeira cidadania.

Em relação à discriminação do negro, o incentivo à leitura levaria o maior segmento social do País ao reconhecimento de sua própria identidade o que, por certo, mudaria os rumos da história do Brasil, em favor da justiça e da humanidade. Seria impossível continuar mantendo, nas camadas mais baixas da sociedade, aqueles que construíram essa nação, se cada negro brasileiro resolvesse buscar nas suas raízes os meios para sua verdadeira libertação.

A Literatura, por ser arte do contato com seu próprio eu (para além das amarras coletivas) por excelência, é de todas as artes a que mais cumpre a função de libertar os espíritos; maquiavelicamente tem sido desprezada pela indústria cultural que, ao fim das contas, não foi feita para quem queira pensar, muito menos para quem queira libertar-se (ou se dar conta do quanto está cercado pela não-arte).


Luiz Mozzambani Neto

Título: O Negro, o livro e a liberdade

Autor: Luiz Mozzambani Neto (todos os textos)

Visitas: 0

166 

Comentários - O Negro, o livro e a liberdade

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios