Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Já há pouca Segurança

Já há pouca Segurança

Categoria: Segurança
Visitas: 4
Comentários: 2
Já há pouca Segurança

A segurança constitui um tema cada vez mais badalado e debatido nos dias que correm. Infelizmente, as notícias vão-nos dando conta de episódios que remetem exactamente para a falta de incolumidade que se experimenta um pouco por todo o lado. Dantes, este era um problema maioritariamente dos grandes centros urbanos. Na actualidade, porém, a violência gratuita, os roubos, a malvadez, os raptos, e tantos outros males de uma sociedade que caminha alegre e pacificamente para a auto-destruição exercem-se de forma aleatória e indiscriminada.

Normalmente, os protagonistas destas acções abomináveis são indivíduos que sentem não ter nada a perder e para quem a vida se reveste de pouco ou nenhum valor. Assim sendo, para muitos deles, matar ou ser morto faz parte do “ofício”. Ainda que aos olhos de uma pessoa dita normal tais atrocidades adquiram uma dimensão monstruosa, vendo pela perspectiva daqueles que cometem estes crimes, se a vida deles não vale coisa nenhuma, o que poderá representar a de outrem? A questão é deveras complexa, e se se fala tanto de ausência de segurança, devia tentar perceber-se, mais do que as visíveis consequências, o que a origina e o que pôr em prática no sentido de colmatar algumas dessas matérias. Sim, porque mesmo nesta “classe”, cuja “profissão” é oposta à dos homens e mulheres fardados que nos habituámos a ver nas entradas e corredores de numerosos espaços, existem criaturas de bem, a quem as circunstâncias da história pessoal empurraram para a marginalidade.

Estes “inseguranças profissionais”, vigilantes de outros objectivos, não são apenas criminosos; têm um nome, um rosto, uma família e podem, em bastantes casos, ser recuperados, desde que alguém tenha coragem suficiente para lhes dar a mão.

Esta mão não precisa de estender a carteira. Basta que segure um coração minimamente sensível e um humanismo que supere o medo. Tratando-se de seres humanos, a característica distintiva, ou seja, a capacidade de amar, aliada a um certo efeito surpresa em termos de reacção, pode operar verdadeiros milagres.

A segurança de pessoas e bens pode levar-se a cabo de variadas maneiras e com recursos diversos, que vão dos alarmes às vedações especiais, à vigilância através câmaras de filmar e mesmo à contratação dos chamados capangas, que alguns apelidam de “gorilas” e outros, mais sofisticadamente, de bodyguards. Pena que ainda não se tenham lembrado de inventar um “homeguard”, só para aumentar a segurança quando o corpinho está refastelado no sofá ou na cama a realizar “meditação profunda” durante umas boas oito horas…

Maria Bijóias

Título: Já há pouca Segurança

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 4

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    28-05-2014 às 18:22:45

    Realmente, nestes últimos dias não há mais segurança para nada. Por isso, que viver com o pouco é o bastante, uma vida simples é a melhor coisa que podemos desfrutar nesta vida tão passageira.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãomario

    24-03-2011 às 11:40:45

    fixe

    ¬ Responder

Comentários - Já há pouca Segurança

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios