Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Afugente a insegurança

Afugente a insegurança

Categoria: Segurança
Visitas: 2
Comentários: 1
Afugente a insegurança

Numa altura em que o tema mais debatido em televisões, rádios e jornais diz respeito à insegurança, o seu contrário aparece como algo do passado a que dificilmente se conseguirá voltar, porque, no dizer dos mais pessimistas, «isto está cada vez pior». Fala-se da segurança nas escolas, nos centros comerciais, na rua e agora até nas várias repartições públicas. Rouba-se tudo em todo o lado e de forma descarada, mata-se por “dá cá aquela palha”, raptam-se pessoas com o objectivo de lhes retirar e comercializar os órgãos, subtraem-se às famílias crianças que são colocadas em redes de adopção, prostituição, pornografia ou pedofilia, desmantelam-se automóveis debaixo de pontes e recolhem-se as peças que mais interessam ou carrega-se o conjunto desintegrado, enfim, cresce o avontade para praticar o crime, mercê, em boa medida, da esperança de não se ser apanhado, mas sobretudo da impunidade vigente. Em certos casos, só falta condecorar o ladrão, o assassino, o pedófilo e restantes companheiros de marginalidade, pelos actos cometidos.

Outra vertente da falta de segurança diz respeito às parcas medidas de prevenção e combate a certas epidemias de bactérias e vírus, que, volta e meia, se convertem mesmo em pandemias. Não se sente, regra geral, que as autoridades competentes revelem toda a verdade acerca destas enfermidades, e o desvelo pela saúde popular é posto em causa. Um dos grandes receios, neste contexto, refere-se aos mosquitos tropicais, potenciais portadores de doenças terríveis, algumas das quais se revelam letais em curtíssimos espaços de tempo. Numa perspectiva de combater os perigos iminentes transmitidos pela picada, deviam avisar-se as alfândegas e barrar a passagem de tais insectos. As algemas teriam de ser adaptadas, mas criatividade é o que não falta às forças policiais. Aliás, com os escassos recursos que lhes são fornecidos para a operância, não podia ser de outra maneira…

Por outro lado, havia que obrigar os bichos a zunir a sua estirpe alto e bom som, fazer-lhes raios-X, a fim de detectar concentrações excessivas de substâncias contaminantes e, claro, fotografá-los com a costumeira placa identificativa, de frente e de perfil, como é usual. Se, por qualquer motivo, os transgressores resistissem ou optassem pelo silêncio, a sentença passaria, então, pelo trabalho comunitário. No intuito de assistir a necessidades mais urgentes, este teria como prioridade o despertar dos deputados na Assembleia da República e o espevitar de detentores de diversas funções de responsabilidade governativa, civil ou laboral. Acordar seria a palavra de ordem! Pois é, se a segurança fosse coisa vendável, o valor da sua cotação faria disparar o volume de negócios dos mercados paralelos…

Maria Bijóias

Título: Afugente a insegurança

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

610 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFelisberto

    16-05-2009 às 01:22:57

    assaltaram-me a casa á 3 dias. nunca tive dinheiro para instalar alarme. partiram ,
    segurança. como posso ter segurança na minha própria casa. que raiva. que odio.

    ¬ Responder

Comentários - Afugente a insegurança

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios