Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Afugente a insegurança

Afugente a insegurança

Categoria: Segurança
Visitas: 2
Comentários: 1
Afugente a insegurança

Numa altura em que o tema mais debatido em televisões, rádios e jornais diz respeito à insegurança, o seu contrário aparece como algo do passado a que dificilmente se conseguirá voltar, porque, no dizer dos mais pessimistas, «isto está cada vez pior». Fala-se da segurança nas escolas, nos centros comerciais, na rua e agora até nas várias repartições públicas. Rouba-se tudo em todo o lado e de forma descarada, mata-se por “dá cá aquela palha”, raptam-se pessoas com o objectivo de lhes retirar e comercializar os órgãos, subtraem-se às famílias crianças que são colocadas em redes de adopção, prostituição, pornografia ou pedofilia, desmantelam-se automóveis debaixo de pontes e recolhem-se as peças que mais interessam ou carrega-se o conjunto desintegrado, enfim, cresce o avontade para praticar o crime, mercê, em boa medida, da esperança de não se ser apanhado, mas sobretudo da impunidade vigente. Em certos casos, só falta condecorar o ladrão, o assassino, o pedófilo e restantes companheiros de marginalidade, pelos actos cometidos.

Outra vertente da falta de segurança diz respeito às parcas medidas de prevenção e combate a certas epidemias de bactérias e vírus, que, volta e meia, se convertem mesmo em pandemias. Não se sente, regra geral, que as autoridades competentes revelem toda a verdade acerca destas enfermidades, e o desvelo pela saúde popular é posto em causa. Um dos grandes receios, neste contexto, refere-se aos mosquitos tropicais, potenciais portadores de doenças terríveis, algumas das quais se revelam letais em curtíssimos espaços de tempo. Numa perspectiva de combater os perigos iminentes transmitidos pela picada, deviam avisar-se as alfândegas e barrar a passagem de tais insectos. As algemas teriam de ser adaptadas, mas criatividade é o que não falta às forças policiais. Aliás, com os escassos recursos que lhes são fornecidos para a operância, não podia ser de outra maneira…

Por outro lado, havia que obrigar os bichos a zunir a sua estirpe alto e bom som, fazer-lhes raios-X, a fim de detectar concentrações excessivas de substâncias contaminantes e, claro, fotografá-los com a costumeira placa identificativa, de frente e de perfil, como é usual. Se, por qualquer motivo, os transgressores resistissem ou optassem pelo silêncio, a sentença passaria, então, pelo trabalho comunitário. No intuito de assistir a necessidades mais urgentes, este teria como prioridade o despertar dos deputados na Assembleia da República e o espevitar de detentores de diversas funções de responsabilidade governativa, civil ou laboral. Acordar seria a palavra de ordem! Pois é, se a segurança fosse coisa vendável, o valor da sua cotação faria disparar o volume de negócios dos mercados paralelos…

Maria Bijóias

Título: Afugente a insegurança

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

610 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFelisberto

    16-05-2009 às 01:22:57

    assaltaram-me a casa á 3 dias. nunca tive dinheiro para instalar alarme. partiram ,
    segurança. como posso ter segurança na minha própria casa. que raiva. que odio.

    ¬ Responder

Comentários - Afugente a insegurança

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um caminho para curar o transtorno alimentar

Ler próximo texto...

Tema: Saúde
Um caminho para curar o transtorno alimentar\"Rua
De acordo com um relatório divulgado em novembro de 2014 pelo Comitê Permanente sobre o Status da Mulher, entre 600 mil a um milhão de canadenses cumprem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar em um dado momento. Problemas de saúde mental com ramificações físicas graves, anorexia e bulimia são difíceis de tratar.

Os programas públicos de internação frequentemente não admitem pacientes até que estejam em condição de risco de vida, e muitos respondem mal à abordagem em grupo. As clínicas privadas costumam ter listas de espera épicas e custos altos: um quarto custa de US$ 305 a US$ 360 por dia.


Corinne lutou juntamente com seus pais contra a bulimia e anorexia por mais de cinco anos. Duffy e Terry, pais de Corinne, encontraram uma clínica na Virgínia. Hoje, aos 24 anos, ela é saudável e está cursando mestrado em Colorado. Ela e seus pais acreditam que a abordagem holística, o foco individualizado e a estrutura imersiva de seu tratamento foram fundamentais para sua recuperação.

Eles sabem que tinham acesso a recursos exclusivos. "Tivemos sorte", diz Duffy. "Podíamos pagar por tudo." Mas muitos não podem.
A luta desta família levou-os a refletir sobre o problema nos Estados Unidos. Em 2013, eles fundaram a Water Stone Clinic, um centro privado de transtornos alimentares em Toronto. Eles fazem yoga, terapia de arte e participam na preparação de refeições, construindo habilidades na vida real com uma equipe de apoio empática. Os programas funcionam nos dias da semana das 8h às 14h, e até agora, não tem lista de espera. Porém essa abordagem é onerosa: aproximadamente US$ 650 por dia.

A família criou a Fundação Water Stone - uma instituição de caridade que fornece ajuda a pacientes que não podem pagar o tratamento. Os candidatos são avaliados por dois comitês que tomam uma decisão baseada na necessidade clínica e financeira. David Choo Chong foi o primeiro a se beneficiar da fundação. Ele havia tentado muitos programas, mas nenhum foi bem sucedido. A fundação pagou metade do tratamento. Dois anos depois, Choo Chong, feliz e estável diz "Water Stone me ajudou a encontrar quem eu sou".

Pesquisar mais textos:

Roberta Darc

Título:Um caminho para curar o transtorno alimentar

Autor:Roberta Darc(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios