Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Tenho vergonha de estar desempregado

Tenho vergonha de estar desempregado

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 22
Tenho vergonha de estar desempregado

Quem está desempregado ou já passou por esse momento de se ver em busca de vagas de emprego, sabe que não se trata de sorte e sim de saber como conseguir apresentar um currículo que desperte interesse, ser selecionado após a entrevista, ser indicado por um amigo, saber onde e como estar atualizado sobre as ofertas de vagas e o principal; estar qualificado e atualizado para ter um diferencial e atender ao perfil exigido pela empresa.

Perder o emprego é algo aterrorizante para a grande maioria, mas antes de se desesperar ou sentar para descansar enquanto recebe o auxílio desemprego, ou mesmo ficar gastando o dinheiro que recebeu da rescisão, certamente não é a melhor decisão, ao contrário, é hora de arregaçar as mangas, mas sem se desesperar. O desespero não resolve nada e o que é pior, além de não oferecer solução ainda pode desenvolver problemas relacionados à saúde. Então, manter a serenidade e analisar os fatos para fazer as melhores escolhas e se manter motivado é o ideal.

Antes de tudo, é importante considerar que estar desempregado (a), não é motivo para sentir vergonha. Muitas pessoas acabam se fechando em casa, abrindo mão da vida social para não ter que falar sobre trabalho. Ora, nessas situações, se pode dizer a verdade, afinal, quem sabe consegue uma indicação.

Como já sabemos, para encontrar um novo emprego, vai além do fator sorte, tem também que se empenhar e para isso, fazer uma autoavaliação sobre si, sem severidade é o primeiro passo, os empresários estão muito atentos quanto ao perfil do candidato à vaga no sentido da qualidade emocional, que quer dizer, se o futuro empregado tem equilíbrio para lidar com situações adversas, além é claro das aptidões necessárias para a função. Por isso, pense com clareza nos pontos fortes e fracos da personalidade e anote. Talvez o que pensa ser uma questão de personalidade, possa ser apenas um ponto de vista que antes, por estar envolvido (a) diretamente, não percebeu que o problema não existe e que tudo não passou de um mal-entendido, caso tenha vivenciado uma situação de pequenos conflitos e divergência de opinião com algum colega de trabalho. É muito importante não tomar tudo como pessoal e ao mesmo tempo, não ficar se criticando se tiver tido atitudes que tenham influenciado na demissão. Agora é hora de levantar a cabeça e se concentrar e investir em si mesmo (a) para encontrar um novo emprego, entendendo que tudo o que aconteceu serviu de experiência.

Boa sorte!


Sílvia Baptista

Título: Tenho vergonha de estar desempregado

Autor: Sílvia Baptista (todos os textos)

Visitas: 22

675 

Comentários - Tenho vergonha de estar desempregado

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios