Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > O problema do outro

O problema do outro

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
O problema do outro

Nada como um dia depois do outro. Ouvi isto milhares de vezes, e em algumas delas quase acreditei, no entanto na maioria das vezes, o meu interior marado e resistente ao pensamento formado, à frase feita e assim por diante, sempre retorquia internamente numa reposta um pouco estúpida mas não absolutamente desprovida de razão, porque naqueles momentos era só o que me poderia ocorrer: Nada como problemas resolvidos, nada como no dia que vem depois do outro as situações complicadas que vivemos hoje já não existirem ou pelo menos terem-se descompicado. Na vida que vivemos neste mundo, todos os dias ocorrem situações que nos perturbam, que nos afligem, e ainda assim, precisamos sempre insistir em viver com o maior dos sorrisos, porque as alegrias dos outros não têm culpa das nossas tristezas, afinal eles também têm problemas e não queríamos vê-los a descarregar em cima de nós quando as nossas vidas têm os seus momentos cinzentos, nem mesmo nos dias ensolarados de primavera.

Na verdade, quando nos pomos a pensar sobre nós próprios encontramos características de altruísmo, de solidariedade, de compreensão, de amizade e muitas outras qualidade fascinantes, porém, se pensarmos mais a fundo, muitas vezes não temos paciência para aturar os maus humores dos que ao nosso lado definham com problemas que não conseguem resolver, e somos capazes de responder torto, e de nos queixar aos outros, que por sua vez corroboram o nosso azedume momentâneo dizendo-nos que temos razão que não há direito de nos virem com disposições enviesadas porque não temos culpa dos seus dilemas e das suas aflições.

Realmente não temos culpa. Realmente não contribuímos para as situações que nos são completamente alheias, no entanto, enquanto colegas, enquanto amigos, ou apenas enquanto pessoas que cruzamos o mesmo espaço, somos chamado não a ser indiferentes para com as pessoas que passam ao nosso lado, mas a determinar as causas dos seus argumentos fora de propósito afim de podermos de alguma forma contribuir diminuir a amargura das pessoas em causa. Somos chamados a travar a hemorragia de problemas e não a potenciá-la.

A vida é um emaranhado de situações, e de pessoas que vivem misturados num mesmo espaço. Quando as situações atingem as pessoas, necessariamente quem está à volta do indivíduo atingido, acaba por sofrer os efeitos colaterais, e precisamos estar preparados, não para ripostar, mas para minorar as causas, levando a uma conclusão vantajosa para todos, os primeiros porque vêm os seus males diminuídos e os restantes porque acabam por se sentir úteis no seio da comunidade de que são parte integrante.

Ana Sebastião

Título: O problema do outro

Autor: Ana Sebastião (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Comentários - O problema do outro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios