Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Auto-estima afeta emprego

Auto-estima afeta emprego

Categoria: Outros
Auto-estima afeta emprego

Quando se trata de baixa auto-estima, por vezes é só preciso 'fingir' um pouco para conseguir ultrapassar essa fase negativa.

Se é um dos muitos que luta contra a baixa auto-estima, a sua carreira profissional estará realmente a sofrer com o resultado dessa batalha. Os especialistas dizem que as pessoas com baixa auto-estima se deixam levar por comportamentos inconscientes que comprometem o seu sucesso, tornando-as menos propensas a solicitar ou obter promoções, aumentos e até mesmo outros empregos.

As pessoas com baixa auto-estima tentam, frequentemente, permanecer sob um radar porque não querem ser notadas. No entanto, numa sociedade economicamente dependente, esta atitude não é a melhor.

Pior ainda do que isto, a baixa auto-estima pode mascarar as caraterísticas positivas de um indivíduo. Depois, são feitas suposições sobre as pessoas que apresentam comportamentos de baixa auto-estima e, erradamente, pode ser-lhes atribuida inteligência inferior.




Certas características são facilmente identificáveis em indivíduos com baixa auto-estima no trabalho. Geralmente, são pessoas com baixo nível de confiança que são avessas ao risco. Elas são as que falam menos nas reuniões ou escusam-se a assumir tarefas desafiadoras, o que pode levar os seus superiores a acreditar que elas são ineficazes. Nenhuma destas situações é boa quando se está a lutar para manter um ambiente de trabalho competitivo.

A baixa auto-estima também pode manifestar-se através da linguagem corporal e da sua apresentação. Todos aqueles indivíduos que fazem as suas declarações como se fossem questões denunciam uma atitude menos confiante. Falar muito baixo, o que denota medo, e não fazer gestos suficientes para enfatizar pontos e transmitir energia ao discurso também podem traí-lo em ambientes de trabalho importantes, especialmente quando se trata de conseguir o emprego desejado.

Esses comportamentos subconscientes podem evoluir para um estado perigoso de medo e rejeição.
Na realidade, este sentimento é uma faca de dois gumes, uma vez que o medo de ser rejeitado leva a comportamentos que asseguram que os medos se tornem reais.

De fato, um dos comportamentos mais perigosos que as pessoas com baixa auto-estima tendem a demonstrar é o pessimismo.

Uma pessoa com baixa auto-estima pode pedir um aumento desta forma: "Eu percebo que tivemos um ano mau e não houve demissões, mas tenho vindo a fazer mais trabalho e acho que mereço um aumento."

Este tipo de abVocê sordagem apenas dá um forte argumento ao seu superior para dizer-lhe 'não'.
Em vez de destacar o negativo, é aconselhada uma abordagem positiva apoiada em factos: "Nos últimos 12 meses, tenho sido responsável por cerca de 25% dos lucros e tenho vindo a trabalhar mais horas. Por isso, penso que mereço ser compensado."

Ironicamente, os homens estão em melhor situação quando se trata de auto-estima no trabalho, não porque eles não têm dúvidas sobre si, mas porque a pouca confiança manifesta-se de forma diferente nas mulheres, pois os homens são melhores a mascará-la.

Alguns dos maiores erros que as mulheres fazem incluem pedir permissão para fazer as coisas e dar demasiadas explicações sobre as suas decisões. Uma solução rápida para este facto é tentar ser mais objectivo e tentar usar menos 25% de palavras em conversas e e-mails para não 'diluir' o seu ponto.

Por outro lado, a falta de confiança pode ser um motor supremo, levando as pessoas a tornarem-se viciadas em trabalho. As pessoas com baixa auto-estima podem fazer tanto quanto os seus colegas mais confiantes. Elas simplesmente não conseguiram apreciar todo o processo e não se divertiram muito a fazê-lo.

Infelizmente, parece tratar-se de uma batalha perdida. Na última década, o trabalho deixou de ser uma fonte de auto-estima e passou a ser um escorredor de auto-estima. A demanda por produtividade tem crescido tanto que a maioria de nós sente que não está a fazer o suficiente.

Mas existem coisas que se podem fazer para aumentar a auto-estima de qualquer maneira. O fingimento acaba por ser uma boa forma de ultrapassar uma fase menos positiva. Esse fingimento não só irá convencer os seus superiores, mas também irá ajudá-lo a revigorar o seu pensamento sobre si e sobre o que faz.

De facto, a auto-estima pode ser aprendida. Pode parecer algo psicologicamente infundado, mas um diálogo positivo e optimista consigo mesmo pode ser poderoso. Então, quando esses pensamentos negativos disserem que não está suficiente bom para se afirmar, reconheça-os e substitua-os por pensamentos positivos.


Ruben Duarte

Título: Auto-estima afeta emprego

Autor: Ruben Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

626 

Comentários - Auto-estima afeta emprego

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios