Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Auto-estima afeta emprego

Auto-estima afeta emprego

Categoria: Outros
Auto-estima afeta emprego

Quando se trata de baixa auto-estima, por vezes é só preciso 'fingir' um pouco para conseguir ultrapassar essa fase negativa.

Se é um dos muitos que luta contra a baixa auto-estima, a sua carreira profissional estará realmente a sofrer com o resultado dessa batalha. Os especialistas dizem que as pessoas com baixa auto-estima se deixam levar por comportamentos inconscientes que comprometem o seu sucesso, tornando-as menos propensas a solicitar ou obter promoções, aumentos e até mesmo outros empregos.

As pessoas com baixa auto-estima tentam, frequentemente, permanecer sob um radar porque não querem ser notadas. No entanto, numa sociedade economicamente dependente, esta atitude não é a melhor.

Pior ainda do que isto, a baixa auto-estima pode mascarar as caraterísticas positivas de um indivíduo. Depois, são feitas suposições sobre as pessoas que apresentam comportamentos de baixa auto-estima e, erradamente, pode ser-lhes atribuida inteligência inferior.




Certas características são facilmente identificáveis em indivíduos com baixa auto-estima no trabalho. Geralmente, são pessoas com baixo nível de confiança que são avessas ao risco. Elas são as que falam menos nas reuniões ou escusam-se a assumir tarefas desafiadoras, o que pode levar os seus superiores a acreditar que elas são ineficazes. Nenhuma destas situações é boa quando se está a lutar para manter um ambiente de trabalho competitivo.

A baixa auto-estima também pode manifestar-se através da linguagem corporal e da sua apresentação. Todos aqueles indivíduos que fazem as suas declarações como se fossem questões denunciam uma atitude menos confiante. Falar muito baixo, o que denota medo, e não fazer gestos suficientes para enfatizar pontos e transmitir energia ao discurso também podem traí-lo em ambientes de trabalho importantes, especialmente quando se trata de conseguir o emprego desejado.

Esses comportamentos subconscientes podem evoluir para um estado perigoso de medo e rejeição.
Na realidade, este sentimento é uma faca de dois gumes, uma vez que o medo de ser rejeitado leva a comportamentos que asseguram que os medos se tornem reais.

De fato, um dos comportamentos mais perigosos que as pessoas com baixa auto-estima tendem a demonstrar é o pessimismo.

Uma pessoa com baixa auto-estima pode pedir um aumento desta forma: "Eu percebo que tivemos um ano mau e não houve demissões, mas tenho vindo a fazer mais trabalho e acho que mereço um aumento."

Este tipo de abVocê sordagem apenas dá um forte argumento ao seu superior para dizer-lhe 'não'.
Em vez de destacar o negativo, é aconselhada uma abordagem positiva apoiada em factos: "Nos últimos 12 meses, tenho sido responsável por cerca de 25% dos lucros e tenho vindo a trabalhar mais horas. Por isso, penso que mereço ser compensado."

Ironicamente, os homens estão em melhor situação quando se trata de auto-estima no trabalho, não porque eles não têm dúvidas sobre si, mas porque a pouca confiança manifesta-se de forma diferente nas mulheres, pois os homens são melhores a mascará-la.

Alguns dos maiores erros que as mulheres fazem incluem pedir permissão para fazer as coisas e dar demasiadas explicações sobre as suas decisões. Uma solução rápida para este facto é tentar ser mais objectivo e tentar usar menos 25% de palavras em conversas e e-mails para não 'diluir' o seu ponto.

Por outro lado, a falta de confiança pode ser um motor supremo, levando as pessoas a tornarem-se viciadas em trabalho. As pessoas com baixa auto-estima podem fazer tanto quanto os seus colegas mais confiantes. Elas simplesmente não conseguiram apreciar todo o processo e não se divertiram muito a fazê-lo.

Infelizmente, parece tratar-se de uma batalha perdida. Na última década, o trabalho deixou de ser uma fonte de auto-estima e passou a ser um escorredor de auto-estima. A demanda por produtividade tem crescido tanto que a maioria de nós sente que não está a fazer o suficiente.

Mas existem coisas que se podem fazer para aumentar a auto-estima de qualquer maneira. O fingimento acaba por ser uma boa forma de ultrapassar uma fase menos positiva. Esse fingimento não só irá convencer os seus superiores, mas também irá ajudá-lo a revigorar o seu pensamento sobre si e sobre o que faz.

De facto, a auto-estima pode ser aprendida. Pode parecer algo psicologicamente infundado, mas um diálogo positivo e optimista consigo mesmo pode ser poderoso. Então, quando esses pensamentos negativos disserem que não está suficiente bom para se afirmar, reconheça-os e substitua-os por pensamentos positivos.


Ruben Duarte

Título: Auto-estima afeta emprego

Autor: Ruben Duarte (todos os textos)

Visitas: 0

626 

Comentários - Auto-estima afeta emprego

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios