Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A moda nunca passa!

A moda nunca passa!

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Comentários: 2
A moda nunca passa!

A cada estação, a moda muda. Antes, a cor que dominava as vitrines era tal e agora já é outra - e a anterior já está fora de moda, já saiu da estação. Você já observou que é difícil acompanhá-la? Ela logo passa como um vento no céu, quando pensamos que ia chover, logo foi embora. Assim mesmo é a moda em nosso mundo.

A mulher cristã não deve ter como prioridade de vida estarem dia com as últimas tendências de moda. Deve se preocupar-se mais com seu caráter, com sua conduta, com seu tratamento à outras pessoas, deve se vestir de boas obras. Isso realmente é sua maior prioridade.

Isso não quer dizer que devamos ser relaxadas e usar roupas do tempo de nossos bisavós, não é isso. Nossa aparência exterior deve refletir a interior, ser digna de uma verdadeira filha de Deus e isto também vale para os homens nos dias atuais.

Qual a sua prioridade? Servir a Deus ou andar na moda? Em Provérbios 31:30 diz: A beleza é enganosa, e a formosura é passageira; mas a mulher que teme ao Senhor, será elogiada.

De nada adianta investir em produtos de beleza, ter armários cheios de roupas e a aparência mais atraente possível se o seu coração não estiver em Deus. Tudo isso passa, mas o temor do Senhor permanece intacto. Hoje há tanta ênfase no cuidado do corpo, com a aparência exterior, com a beleza do rosto, das curvas. Observe uma revista com fotos de celebridades, as mais magras fazem o maior sucesso.

A mulher cristã tem que ser diferente! Pode sim, estar bem vestida e arrumada, mas a sua prioridade deve ser de agradar a Deus com sua vida. Uma das formas mais visíveis disso é a prática de boas obras. Esta é a moda cristã! Esta é a moda que nunca passa!

Que venhamos a ser conhecidas por nossas boas ações mediante a confiança em Jesus, que sejamos belas mulheres de Deus em sermos gentis com nosso próximo, em ajudarmos nas necessidades das pessoas, em amar e ser cordial e não por nossas curvas, nossa mais bela aparência e modo de se vestir.


Adriana Santos

Título: A moda nunca passa!

Autor: Adriana Santos (todos os textos)

Visitas: 0

604 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Carla HortaCarla Horta

    17-09-2012 às 23:59:21

    E porque não a moda e o carácter das pessoas estarem de mãos dadas? Porque é que se olha para a moda com olhos de perdição e pecado? Cabe-nos andar arranjados e para além de ser bonito aos olhos de todos os outros, faz-nos bem à alma. Uma alma triste faz pessoas tristes e nada como uma roupa bonita e na moda para animar todas as vidas. O que interessa é ser feliz.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    11-09-2012 às 16:06:22

    Pessoalmente, sou uma apaixonada por moda. Não acredito em máximas do género «o interior é que conta». Claro que conta, mas cada pessoa é, na minha opinião, um conjunto. Se uma mulher ou um homem gosta de se exprimir com recurso àquilo que veste, sem entrar em consumismos excessivos, perfeito. Se não gosta, é evidente que não tem de seguir a moda. O exterior é como um espelho da personalidade, dizendo muito das nossas preferências.

    ¬ Responder

Comentários - A moda nunca passa!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios