Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Motas > Proteja-se! A andar de mota

Proteja-se! A andar de mota

Categoria: Motas
Visitas: 6
Proteja-se! A andar de mota

As motas constituem, desde o seu aparecimento, uma paixão para muita gente. Homens e mulheres adoram escarranchar-se em cima destes veículos, de duas, três ou quatro rodas, e cortar o vento com uma celeridade, frequentemente, excessiva. Os semáforos de controlo de velocidade, por vezes, nem têm tempo de disparar o sinal vermelho. Quando este aparece, os condutores já se encontram a repetir a façanha noutro ponto, deixando os parceiros de rota parados atrás de si.

No trânsito urbano, as motas revelam-se mais ágeis e, como duas rodas ocupam menos espaço do que quatro, tal “elegância” favorece abrir caminho por entre os carros e, consequentemente, maior rapidez. Também para as entregas de encomendas ou pizzas, por exemplo, estes veículos económicos são bastante utilizados. Afinal, há que dar primazia à ligeireza e conservar a quentura a todo o custo, certo?

O que custa, e não é assim tão raro, a quem anda de mota sem ter carta ou sem observar as normas de segurança e do código da estrada, pode ser a própria vida ou a obtenção de uma incapacidade permanente. As pessoas tendem a esquecer-se que, ao conduzir uma mota, o pára-choques é mesmo o corpo, sendo as lesões na cabeça e na coluna vertebral as mais graves e usuais. Portanto, e ainda que lhe chamem “cabeça dura”, recorde que o capacete pode livrá-lo de grandes problemas. E não siga o modelo daqueles que o usam enfiado no braço; para isso existem cotoveleiras!

Embora as deslocações em mota aportem um enorme sentido de liberdade, nem todos estão aptos a fazê-lo. Tirando os que se “pelam” de medo, há indivíduos que, por falta de equilíbrio, por doença mental ou neurológica, ou por qualquer outro impedimento veemente não podem concretizar este sonho. Paralelamente, é necessário ter cuidados redobrados em circunstâncias específicas, como sejam o derramamento de óleos no pavimento, a presença de areia no chão ou o piso molhado.

Na capital da Nigéria, Laos, as motas servem também de táxi. São chamadas de “okadas” e uma viagem custa, em média, trinta cêntimos de dólar. Numa perspectiva de angariar o máximo de clientes, as manobras efectuadas são perigosas q.b., o que fez aumentar muitíssimo o número de mortes. Perante este cenário, o Governo implementou a obrigatoriedade do uso de capacete.
Como escasseiem as posses para os adquirir, os nigerianos optam pela utilização de capacetes das obras, cascas de melancia e outras originalidades absolutamente nada protectoras. Naturalmente que o objectivo da redução de óbitos nos acidentes não foi atingido!

Por cá, as motas já conquistaram o mercado aquático. Na água pode transitar-se um pouco mais à vontade, cumprindo, todavia, as regras para a circulação no mar. Entretanto, em terra firme, convém não carregar demasiado no acelerador. De contrário, é possível que algum agente da autoridade o mande parar para lhe perguntar se está com problemas de descolagem…!



Maria Bijóias

Título: Proteja-se! A andar de mota

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

639 

Comentários - Proteja-se! A andar de mota

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios