Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Imóveis Arrendamento > Imóveis de Arrendamento – Que Burocracia é necessária?

Imóveis de Arrendamento – Que Burocracia é necessária?

Visitas: 26
Comentários: 3
Imóveis de Arrendamento – Que Burocracia é necessária?

Se a maior parte das vezes em que procuramos casa para viver, nos preocupamos com a estética, localização, estado e valores a pagar no final do mês, saiba que no momento de assinar um contrato de arrendamento deve ter em conta a legalização da casa.

Para a compra de uma casa, é necessário muita burocracia, mas para um arrendamento também é necessário especial atenção.

Quer seja futuro senhorio, ou futuro inquilino, saiba o que deve verificar, obter e comprovar.

As casas têm uma identificação da mesma forma que um individuo. Tanto a nível de Finanças como a nível de Conservatória.

Se é proprietário de uma casa, dirija-se à Repartição de Finanças e solicite uma Caderneta Predial. Este documento corresponde a um Cartão de Contribuinte da casa. Lá estarão mencionadas algumas características da casa, tais como a morada completa, fração a que corresponde (corresponde sempre a uma letra), nome e contribuinte fiscal do proprietário. Se é o dono, poderá comprovar que o é na realidade e se for o futuro inquilino, poderá verificar a realidade que o seu futuro senhorio está a falar.

Vai necessitar também de uma Certidão Predial da Conservatória. Este documento equivale-se ao bilhete de identidade da casa. Aqui comprova-se que a casa não sofre de nenhum impedimento jurídico para ser alvo de arrendamento. Com toda a certeza, enquanto inquilino não quererá ser alvo de uma visita do tribunal a solicitar-lhe que saia no próprio dia.

No ato da assinatura do contrato, o proprietário deverá ser portador de certificação Energética, cuja obrigatoriedade se iniciou para transações desde o dia 01 de janeiro de 2009. Este documento avalia a suficiência energética do imóvel.

O contrato de arrendamento deverá ser elaborado por alguém com bastantes conhecimentos, mas se não quiser gastar dinheiro com um advogado, solicitador ou mediador, informe-se. Na internet pode procurar algumas minutas de contratos de arrendamento. Compare alguns e sugira á outra parte o que mais o agrada. Nunca se esqueça que um contrato deve proteger as duas partes.

Todas as partes devem ser identificadas à exaustão. O senhorio, e o inquilino, tal como o imóvel e os fiadores.

Se enquanto senhorio exige fiadores, solicite toda a sua informação, incluindo morada. As três partes devem assinar e ser responsáveis sobre o contrato que estão a assinar.

No contrato tem obrigatoriamente de incluir a duração do contrato, clausula de rescisão, valores a pagar mensalmente e a forma como o inquilino o deverá fazer.
Se sentir dificuldades, nada como contratar alguém que elabore o contrato por si. Não vá o diabo tece-las e a rentabilidade de uma casa, tornar-se um autentico pesadelo.


Carla Horta

Título: Imóveis de Arrendamento – Que Burocracia é necessária?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 26

718 

Imagem por: fotographix.ca

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Helna

    17-05-2016 às 19:45:56

    Arrenda apartamento.Que burocracia é necessária? Posso fazer um arrendamento vitalício? tenho 70 anos

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    05-05-2014 às 06:20:07

    É preciso estar atento aos detalhes do imóvel alugado. De preferência tudo escrito no contrato e de forma mais clara possível.

    ¬ Responder
  • ALEXINALDO CORDEIROALEXINALDO CORDEIRO

    04-11-2009 às 00:00:45

    Como faço para ter detalhe de um contrato de arrendamento comercial instalações e equipamentos

    ¬ Responder

Comentários - Imóveis de Arrendamento – Que Burocracia é necessária?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: fotographix.ca

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios