Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Imóveis Arrendamento > Seja mais flexivel no aluguer de uma casa

Seja mais flexivel no aluguer de uma casa

Visitas: 16
Comentários: 1
Seja mais flexivel no aluguer de uma casa

Quando se pretende alugar casa, regra geral, têm-se algumas condições prévias em mente, que englobam o preço, a localização, a vizinhança, a dimensão da curiosidade do senhorio (que pode vir a descambar num indesejável e irritante intrometimento permanente na vida dos inquilinos), na seriedade das cláusulas do contrato (numa perspectiva de evitar futuros aborrecimentos em termos de eventuais estragos ou obras), e toda uma panóplia de dimensões práticas e mais ou menos imediatas. Ao contrário da compra, o arrendamento não obriga a um vínculo marcado e duradouro.
Portanto, e dado que pode ser uma situação temporária, verifica-se uma maior flexibilidade na aceitação de parâmetros que não estejam tanto a gosto, por contraposição aos benefícios reconhecidos.

Ainda assim, não convém nada ter uma vizinha de cima que passeie freneticamente os seus saltos altos às seis da manhã, nem outra por baixo que se lembre de arejar as ideias uma hora antes, procedendo ao quase arrancamento da janela… Por outro lado, tratando-se de um prédio, as circunstâncias envolventes também são relevantes. Imagine-se o que é ficar preso entre o décimo e o décimo primeiro andares, encerrado na escuridão de uma paragem forçada, num elevador que não eleva para lado nenhum! Não raras vezes, o desfecho desta amostra de filme de terror é a sombria e gélida cave, onde o aparelho procura segurança. Que cena mais condizente… E não é que os condomínios sejam propriamente baratos…

Dos serviços de manutenção, para além dos ascensores, fazem parte a limpeza das escadas, corredores, entrada e espaços comuns, a mudança de lâmpadas e os pequenos arranjos. Contudo, nem sempre a resposta a estas necessidades é pronta e adequada. Muitas vezes, são os próprios moradores que têm de pôr mãos à obra. Não obstante, acaba por se desenvolver entre eles um verdadeiro espírito de família (ou de aversão, consoante as empatias e o desenrolar das actividades de restauro…).

Independentemente, qualquer casa deixa em nós uma marca, porque constitui, mesmo que por pouco tempo, o nosso espaço, onde se vivem alegrias e tristezas, solidão e o convívio de familiares e amigos, Verões e Invernos, noites e dias, enfim, tudo o que compõe a vida. Deste modo, por muitos defeitos que se encontrem, aquelas paredes compartilharam um trecho da nossa história, pelo que não nos são indiferentes. Acontece amiúde que, uma vez deixadas para trás, instala-se no nosso íntimo uma repentina saudade, até do que criticávamos, e apodera-se de nós uma certa nostalgia. É o que se pode apelidar de “sentimentos à flor da parede”…

Maria Bijóias

Título: Seja mais flexivel no aluguer de uma casa

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 16

625 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    05-05-2014 às 22:46:49

    Tem que haver flexibilidade em ambas as partes. Não é apenas lançar o aluguel e pronto, é preciso avaliar o imóvel, a localização, a luz, água, quem é o seu público, enfim, é preciso oferecer algo bom e que esteja de acordo com a propriedade.

    Cumprimentos,
    SSophia

    ¬ Responder

Comentários - Seja mais flexivel no aluguer de uma casa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios