Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > Pintura italiana do século XVI contada pelos pintores

Pintura italiana do século XVI contada pelos pintores

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 38
Pintura italiana do século XVI contada pelos pintores

Dama com unicórnio, de Raffaello Sanzio, 1506, exibe uma jovem senhora elegante a segurar um unicórnio, símbolo da virgindade. Este retrato deve ter sido realizado pouco antes do casamento da dama para a família abastada visível em pequenos pormenores: o pendente que cai sobre o regaço, a joia incrustada no cabelo e o cinto com fivela de ouro.

Deposição de Cristo, de Raffaello Sanzio, 1507, está atualmente exposta na Galeria Borghese, em Roma. Foi encomendada por uma nobre de Perugia, Atalanta Baglioni, para a igreja de San Francisco al Prato. Podemos ver nesta composição o transporte do corpo inanimado e pálido de Jesus Cristo para o Santo Sepulcro em primeiro plano, e o desespero da Vigem, pálida, quase a desmaiar, suportada pela figura de três mulheres. Ao fundo ainda vemos as três cruzes, onde foram crucificados o Bom Ladrão, Cristo e o Mau Ladrão.

Vénus com Amor com um favo de mel, Lucas Cranach, o Velho, 1531, expõe a deusa Vénus nua, com um chapéu de plumas, um colar e um véu transparente, muito alta junto a uma árvore também esta alta, destacando-se na composição. Ela tenta consolar o Amor, que foi picado pelas abelhas quando procurava um favo de mel. É uma obra que transmite uma ideia: o amor pode seguir-se de picadas de abelhas.

Danae, de Corregio, de 1531, exibe a lenda de Danae e Júpiter. Narra a lenda, Danae foi presa pelo pai Acrísio num quarto, pois segundo o oráculo o filho de Danae seria o causador da sua morte. Júpiter consegue chegar até Danae transformando-se em chuva de ouro, e esta concebe de um filho do deus do Olimpo, Perseu. Aqui na composição vemos Danae a receber a semente do deus com um ar sorridente. À beira da cama, dois Eros afiam as suas setas do amor.

Santa Cecília e São Valeriano, de Lelio Orsi, segunda metade do século XVI, apresenta Cecília e Valeriano, duas figuras destinadas a casar. Porém, Cecília tinha feito um voto de castidade. Contou ao seu marido do seu voto e este aliou-se a ela. Um anjo sobrevoa a cena para coroa-los com duas coroas de flores.


Daniela Vicente

Título: Pintura italiana do século XVI contada pelos pintores

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 38

775 

Comentários - Pintura italiana do século XVI contada pelos pintores

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios