Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > O início da modernidade: o ponto de partida

O início da modernidade: o ponto de partida

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 4
Comentários: 42
O início da modernidade: o ponto de partida

O grupo impressionista nasceu a 15 de abril de 1874, na exposição de vários quadros de artistas impressionistas no estúdio do fotógrafo Nadar. Foram expostos quadros de pintores como Auguste Renoir, Camille Pissarro, Alfred Sisley, Berthe Morisot, Paul Cézanne, Edgar Degas, Eugène Boudin, Félix Bracquemond e Claude Monet. Foi o quadro deste último que deu o nome ao grupo. O crítico Louis Leroy escreveu um artigo no jornal Le Charivari, onde fez alusão ao exibicionismo dos impressionistas. Para ele, o impressionismo era uma arte fácil, tomada pela liberdade. Os quadros pareciam inacabados. O quadro Impressão: Nascer do Sol, atualmente no Museu Marmottan, em Paris, apresenta o porto de Havre no amanhecer, onde o Sol e a nebulosidade se confrontam. A luz laranja do Sol refletida nas ondas do mar envolve a barca no meio da composição, em primeiro plano, dando à obra equilíbrio e dinamismo. O tom laranja domina a obra, tanto no céu como no mar, assim como o azul-cobalto e o branco. Alguns barcos atravessam o mar e as suas figuras vão ganhando definição com o afastamento do porto. O espaço é-nos dado através destes barcos, que vão ficando cada vez mais esbatidos conforme a sua distância vai aumentando. Estas figuras parecem ser o resultado de poucas pinceladas livres e não há lugar a pormenores. Por detrás da nebulosidade, surge o porto de Havre, também definido por poucas pinceladas, entre o azul e o verde. As máquinas do porto rasgam o céu e só não se confundem com ele, porque o céu tem reflexos laranjas. Encontramos uma paleta de cores muito reduzida, lembrando-nos de Joseph Mallord William Turner, um pintor londrino, que privilegiou a pintura da natureza revoltada usando cores muito limitadas. Eliminou também ele o desenho definido, com pormenores, o traço e adquiriu o jogo da cores com a luz. Claude Monet teve conhecimento de William Turner quando emigrou para Londres, na sequência da guerra franco-prussiana. Nesta viagem, interessou-se também pela obra de John Constable, que jogava com a luz usando as nuvens. Podemos afirmar que Claude Monet foi fortemente influenciado por estas figuras do Romantismo, que estão na origem do Impressionismo. Embora o quadro tenha ficado marcado como o quadro que esclarece o objetivo do Impressionismo, este ficou aquém daquilo que o pintor francês já tinha feito, nomeadamente em Argenteuil, como a Regata em Argenteuil e A Ponte em Argenteuil.

Daniela Vicente

Título: O início da modernidade: o ponto de partida

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

657 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 42 )    recentes

  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 15:53:08

    Muito bom o texto!

    ¬ Responder
  • Hélder FinoHélder Fino

    02-11-2012 às 23:14:33

    excelente

    ¬ Responder
  • Fernando FerreiraFernando Ferreira

    02-11-2012 às 23:08:01

    o seu gosto pela arte é demasiado translúcido neste texto lindo. Parabéns.

    ¬ Responder
  • Elsa FonsecaElsa Fonseca

    02-11-2012 às 23:05:43

    obrigado pela sua exposição

    ¬ Responder
  • Dário PatricioDário Patricio

    02-11-2012 às 23:03:28

    parabéns pelo seu texto FANTÁSTICOOOO

    ¬ Responder
  • Andreia NevesAndreia Neves

    02-11-2012 às 23:01:39

    um texto simplesmente agradável

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:22:41

    continuem a votar people

    ¬ Responder
  • Cristina AraújoCristina Araújo

    02-11-2012 às 19:14:23

    Já votei em si Daniela
    Espero que ganhe, pois adoro como escreve

    ¬ Responder
  • Rui Jorge AmorimRui Jorge Amorim

    02-11-2012 às 19:08:08

    Boa sorte Daniela
    Gostava que fosse a vencedora deste concurso, pois já li vários dos seus textos e escreve de uma forma magnifica

    ¬ Responder
  • Jerónimo AdeusJerónimo Adeus

    02-11-2012 às 19:04:25

    Parabéns pelo magnifico texto

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    02-11-2012 às 19:01:36

    Onde é que aprendeu tanto sobre arte Daniela?

    ¬ Responder
  • Nélio OliveiraNélio Oliveira

    02-11-2012 às 18:59:48

    Parabéns pela sua escrita.
    Boa sorte para o concurso!

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    02-11-2012 às 18:57:57

    Sem dúvida que escreve muito bem. Tenho aprendido muito com os seus textos

    ¬ Responder
  • Alexandre BenficaAlexandre Benfica

    02-11-2012 às 18:55:43

    Olá Daniela!
    Continue com o excelente trabalho e continue com o mesmo rigor!

    ¬ Responder
  • Rui FonsecaRui Fonseca

    01-11-2012 às 23:03:14

    bom texto Daniela. gostei imenso!

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:21:02

    obrigada Sr Rui

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    01-11-2012 às 23:01:52

    Adorei

    ¬ Responder
  • Nélio OliveiraNélio Oliveira

    01-11-2012 às 23:00:50

    parabéns pelo seu texto

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:21:26

    obrigada Sr Nélio

    ¬ Responder
  • Manuel SemedoManuel Semedo

    01-11-2012 às 12:37:32

    o texto é espectacular e de um rigor cientifico sem explicação

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:21:53

    que comentário tão interessante

    ¬ Responder
  • Nuno MousinhoNuno Mousinho

    01-11-2012 às 12:35:22

    adorei o seu texto... muito bom.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 22:41:26

    obrigada Sr Nuno. continue a votar para alcançar a vitória.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 20:22:14

    obrigada Nuno

    ¬ Responder
  • Cátia LourençoCátia Lourenço

    01-11-2012 às 12:34:12

    desejo-lhe muita sorte para amanhã à noite

    ¬ Responder
  • Fábio NobregaFábio Nobrega

    01-11-2012 às 12:32:58

    desta vez demorou mais tempo a competição, mas continuei a votar em si, porque acho que merece. é uma óptima escritora.

    ¬ Responder
  • Alexandre BenficaAlexandre Benfica

    01-11-2012 às 12:31:30

    já votei Daniela e espero que ganhe

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 22:38:48

    eu também adorava ganhar.. all see!

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    01-11-2012 às 12:30:15

    podem continuar a votar, pois já falta muito pouquinho

    ¬ Responder
  • Jerónimo AdeusJerónimo Adeus

    11-10-2012 às 20:32:04

    bom texto

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    11-10-2012 às 20:31:11

    já votei

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    11-10-2012 às 20:29:29

    espero que ganhe novamente Daniela

    ¬ Responder
  • Jerónimo AdeusJerónimo Adeus

    10-10-2012 às 17:21:01

    parabéns pelo seu texto

    ¬ Responder
  • Rui TavaresRui Tavares

    08-10-2012 às 21:49:40

    um texto bastante assertivo

    ¬ Responder
  • Liliana MacedoLiliana Macedo

    08-10-2012 às 21:44:38

    bom tema

    ¬ Responder
  • Maria VasconcelosMaria Vasconcelos

    08-10-2012 às 21:42:33

    gosto mais deste texto do que o outro

    ¬ Responder
  • Cátia LourençoCátia Lourenço

    08-10-2012 às 21:40:20

    está muito interessante o texto

    ¬ Responder
  • Fábio NobregaFábio Nobrega

    08-10-2012 às 21:39:13

    já votei

    ¬ Responder
  • Maria GuerraMaria Guerra

    06-10-2012 às 19:48:21

    gostei do seu texto e confesso que gosto mais deste, pois não tem aquele erro horrível no início. parabéns.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    02-11-2012 às 22:42:40

    é verdade Sra Maria Guerra, também gosto mais deste.obrigada pelo seu comentário.

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    06-10-2012 às 19:43:53

    vejo que ganhou o outro concurso, Parabéns.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    06-10-2012 às 00:08:18

    podem começar a votar

    ¬ Responder

Comentários - O início da modernidade: o ponto de partida

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que fazer quando não há “nada” para vestir!

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Vestuário
O que fazer quando não há “nada” para vestir!\"Rua
Acorda tarde e vai a correr ao armário da roupa para se vestir mas no meio de tanta tralha não consegue encontrar o que quer. E solta um suspiro dizendo:” não tenho nada para vestir!” Claro que o armário está cheio de roupa. De inverno, de verão, roupa que já vestiu e não veste mais, roupa de quando era criança, roupa que tem valor sentimental...tanta coisa mas nada que sirva para quem está com pressa e só quer vestir-se rápido para ir trabalhar. Certamente já lhe aconteceu. O mostrador do relógio anuncia que está atrasadíssima e para agravar o seu chefe liga a resmungar. O que fazer?

Primeiro que tudo mantenha a calma. Não vale a pena enervar-se senão a situação só tende a piorar. Depois pense nas suas prioridades. Procure “calmamente”(conforme for possível) aquela blusa básica branca e aquelas calças pretas formais(se trabalhar num escritório) e como já não há tempo para tomar banho (faça um apanhado no cabelo para não se notar que não o lavou); Se trabalhar num sítio em que a farda é a peça mais importante. Então Vista-a ainda em casa e corra para o trabalho; No caso da farda ser a coisa mais horrível do mundo o melhor é vestir uns jeans básicos e uma uma blusa básica também e sair.

Agora deve estar a perguntar: “Ok. Essas dicas são boas mas não resolvem o meu problema de não ter nada para vestir”. Está bem. Vou explicar melhor. Para que não volte a acontecer o primeiro cenário, é necessário reservar algum tempo para organizar o armário. Quando decidir que finalmente que é o dia ideal retire tudo o que lá tiver dentro. Só com este gesto pode ter a noção do espaço que ficou. Depois decida o que fazer com aquilo que já não usa. Doe a uma instituição, ou faça uma troca de roupa com as amigas. O que estiver em mau estado de conservação não tenha pena. Deite para o lixo. Depois do armário bem limpo volte a colocar as suas roupas de eleição. Todas as peças que veste mesmo. Quando acabar vai sentir-se tão bem que até vai ter vontade de fazer isso mais vezes. Assim, quando necessitar de algo vai encontar logo o que quer vestir e certamente que nunca mais vai dizer que não tem nada para vestir.

Pesquisar mais textos:

Jovita Capitão

Título:O que fazer quando não há “nada” para vestir!

Autor:Jovita Capitão(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Sofia Nunes 11-09-2012 às 12:48:53

    Quem nunca ficou largos minutos parada em frente ao guarda fatos aberto, desesperada e atrasada por não saber o que vestir? Pessoalmente, se não gostar daquilo que tenho vestido num determinado dia, certamente não me irei sentir bem. Pelo contrário, apesar de seguir quase religiosamente as tendências de moda -o único tique consumista que não consigo erradicar- quando estou vestida com algo que adoro não me lembro todo o dia do que estou a usar.

    ¬ Responder
  • Carla Horta 09-09-2012 às 13:12:58

    Se acordou tarde e não está inspirada para escolher o que vestir, siga esta dica. Vista umas calças pretas e uma camisa preta. Coloque um cinto de outra cor qualquer que não o preto. O preto nunca compromete, está sempre na moda e é o ideal para qualquer ocasião.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios