Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Animais Estimação > Como Tratar Do Seu Cão

Como Tratar Do Seu Cão

Categoria: Animais Estimação
Como Tratar Do Seu Cão

Você sabia que existem remédios naturais que podem amenizar alguns problemas caninos? Conheça 7 receitas caseiras indicadas pela médica veterinária Elizabeth Estevão:

1. Acabe com pulgas e carrapatos


Para repelir os parasitas pingue uma gota de chá de arruda no seu cãozinho. A médica também recomenda que os donos façam uma infusão - que consiste em despejar água sobre uma substância posta em uma vasilha - de 1 litro de água (sem ferver) em 20g de folhas de arruda. Esta água deve ser derramada no cão após o banho e secar naturalmente.
Dica: Galhos da erva-de-santa-maria na cama deles agem como repelente.

2. Tratamento para sarna


Para este caso, o melão amargo (ou melão-de-são-caetano) é o mais indicado. Dê um banho normal no cachorro semanalmente, secando com toalha e secador. Posteriormente, aplique o suco puro do melão. Deixe agir por 10 minutos (atenção: o cachorro não pode lamber, é tóxico!), enxágue bem e seque. É necessário fazer o tratamento por três semanas.

3. Acabe com cólicas e desintoxique seu cachorro


Água de arroz e chá de erva-doce são ótimos! A água de arroz ajuda a desintoxicar e o chá alivia as cólicas. Lave arroz cru (use um copo de água para cada ½ xícara de arroz comum) e separe a terceira passagem da água. Coloque numa seringa sem agulha e dê um pouquinho do líquido ao cão várias vezes ao dia. Intercale o remedinho com chá de erva-doce.

4. Aumente a imunidade do seu cachorro


A aveia é um ótimo remédio natural, mas deve ser usada com parcimônia. Se ele estiver doentinho, misture na ração uma ou duas colheres de aveia (café, chá, sobremesa ou sopa, conforme o tamanho do cachorro). É importante ficar atento, pois muita aveia poderá ocasionar diarréia no cão! Nesse caso, procure um veterinário.

5. Acalme cachorros que ficam sozinhos


Seu cão é do tipo que não consegue ficar sozinho em casa? Dê chá de folhas de maracujá (passiflora) para ele. Em uma panela sem tampa, ferva por 10 minutos de 3 a 5g de folhas de maracujá em 250 ml de água. Quando esfriar, misture esse chá na água que o animal bebe.

6. Cicatrização mais rápida para pequenos machucados


A médica aconselha colocar uma folha de couve macerada sobre o ferimento. Mas, se ele insistir em comer o curativo, use o plano B: deixe a couve pra lá e misture uma parte de tintura de calêndula em duas partes de água fervida e filtrada. Passe no machucado de três a quatro vezes ao dia.

7. Alivie sintomas de gripes, resfriados e tosses


O veterinário já deu o diagnóstico? Então prepare o xarope: ferva 6 folhas picadas de guaco em ½ litro de água, coe, misture o suco de um limão e adoce com 3 colheres de sopa de mel puro. Dê uma colher (de chá, sobremesa ou sopa, conforme o tamanho do bicho), de três a quatro vezes ao dia.

Lembrando que consultas periódicas ao veterinário são essenciais!


Miguel Pereira

Título: Como Tratar Do Seu Cão

Autor: Miguel Pereira (todos os textos)

Visitas: 0

569 

Comentários - Como Tratar Do Seu Cão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios