Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Relacionamentos > Filhos da Escolha, Sempre!

Filhos da Escolha, Sempre!

Categoria: Relacionamentos
Filhos da Escolha, Sempre!

Quem na vida optou pela adoção de crianças ou tem amigos ou conhecidos que fez esta escolha, sabe que talvez um dos maiores desafios dos pais é enfrentar o preconceito e a falta de noção das pessoas. E não precisa nem estar tão perto pra ver que sempre há constrangimento nos encontros de família, escola, trabalhos e ...

Infelizmente olhamos na maioria das vezes para a adoção como um ato de caridade e consequentemente para os pais como “caridosos” e para o filho como o coitado que a princípio não era ninguém e depois sendo objeto de tamanha bondade terá que passar o resto da vida nesta situação de agradecimento.

Adoção é sim um ato de amor, como é a maternidade e a paternidade. Um ato de entrega. E quem quer ajudar, fazer o bem às pessoas, existem serviços sociais e voluntários, ONGs para receber doações... Enfim, não faltam formas de se envolver com o social.

Adotar uma criança por vontade de ajudar as pessoas não é uma boa opção, porque vai de certa forma realçar aquela situação de que um está dando e o outro recebendo e isto pode trazer implicações ruins com o tempo.

Adoção é uma entrega incondicional, uma relação transformante, porque temos a ideia de que amamos muito nossos filhos porque vieram de nós, é parte de nós e vamos perceber que somos capazes de mais, não precisa ser parte de nós para ter nosso amor incondicional, aliás nisso concordo com o pequeno príncipe, o que torna a rosa especial é o tempo que dediquei a ela. Tanto que se descobrimos no futuro que um filho foi trocado na maternidade, não deixaremos de ama-lo por isto, o tempo o transformou em parte de nós e não é diferente na adoção.

Eu sou mãe biológica, e quando descobri que estava grávida, tive a oportunidade de escolher: abortar, levar para adoção, colocar na porta de um vizinho bondoso... Assim como o pai, poderia não assumir a paternidade, pedir o divórcio e sumir no mundo...

Mas não, escolhemos, veja bem, escolhemos adota-la como filha. Logo ela é filha adotiva e mais independente se nasceu da barriga ou do coração como costumam dizer por aí, ela é filha da escolha, da nossa decisão de sermos pais dela.

Eu conheço muita gente que passa a vida inteira reclamando que sua vida fracassou por que teve que cuidar dos filhos. Não seria melhor se tivessem se dado esta oportunidade de escolha? Ela não precisa e nem deve ser neste momento é claro, melhor que seja antes da gravidez, mas ela é necessária, para sermos pais inteiros, entregues, capazes de dar amor incondicional, sejam eles filhos nascidos da barriga ou do coração. Serão filhos adotivos, filhos da nossa escolha consciente.


Meirilene Reis

Título: Filhos da Escolha, Sempre!

Autor: Meirilene Reis (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - Filhos da Escolha, Sempre!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios