Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > O fenômeno Marley & Eu

O fenômeno Marley & Eu

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 2
Comentários: 3
O fenômeno Marley & Eu

Por que a história de uma família e seu “terrível” cachorro labrador causou tanta comoção e tornou-se um sucesso mundial de vendas, chegando até a ser filmado em Hollywood?

Primeiro porque não é a história de um simples cachorro, mas de um ser que foi ocupando um espaço muito especial dentro de uma família, acompanhando todos as vivências mais difíceis e tristes e proporcionando momentos de intensa alegria.

Marley & Eu – Vida e amor ao lado do pior cão do mundo é um best seller da atualidade, vivido e escrito por John Grogan, um jornalista norte-americano, casado com Jenny, também jornalista.

Marley é o pior cão do mundo porque este labrador quase enlouqueceu a família, devido as suas travessuras, ao seu pânico de trovões e tempestades. Mas também, pra esta família, sinônimo de amor, pois essa convivência ensinou os Grogan a serem mais tolerantes, unidos e, sobretudo, a valorizar a simplicidade da vida, já que tudo é efêmero. A morte de Marley prova isto.

Essa narrativa não-ficcional de 272 páginas conquistou todos aqueles que amam cachorros e fazem deles uma companhia insubstituível. Dizem alguns que os cães nunca traem, nunca abandonam e sempre entendem seus donos, por isso são e serão sempre seus melhores amigos.

Apesar das bagunças de Marley, esse labrador indomável, participou da vida da família, quase provocando, inclusive, a separação do casal em virtude das suas peraltices. O cão viveu ao lado de seus donos a frustração da perda do primeiro bebê e a felicidade do nascimento dos três filhos dos Grogan, amigos inseparáveis de Marley. Acompanhou as promoções de seu dono e as mudanças de cidade do casal.

O livro, rico em detalhes dramáticos dessa relação de amizade com o cão, misturado com episódios cômicos das trapalhadas realizadas por Marley, é um sucesso de vendas não por acaso. A literatura ainda não tinha visto esse formato bem simples que incluiu um cão muito levado, um casal de donos e uma vida em comum.

Alguns críticos não aprovaram essa narrativa, alegando ser apelativa, de fácil entendimento e contendo uma história muito banal a qual qualquer um poderia ter escrito. Mas ninguém o fez antes. E certamente estas pessoas que não gostaram de “Marley e eu” devem ser as mesmas que não compreendem as relações de amizade e fidelidade que norteiam a convivência das pessoas com seus bichos de estimação.

Os leitores que se identificaram com as peripécias do pior cão do mundo fizeram de Marley o cão mais famoso de todos os tempos, representando uma parcela da sociedade que não vive sem um animal de estimação.
Para estas pessoas ler este livro é uma forma de identificação, de interação e reciprocidade com alguém que sente o mesmo e vive ou viveu as mesmas situações que as suas próprias.

O filme foi bastante assistido, um sucesso de público em todo o mundo, mas não se compara a narrativa mais minuciosa do livro.
Quem leu o livro ficou muito mais próximo de Marley, conhecendo-o mais intimamente; divertindo-se e também chorando com ele e com a família em inúmeros momentos que a linguagem do cinema não conseguiu abranger.

A leitura simples conquistou todas as faixas etárias. Crianças viraram fãs de Marley. E a recordação do que um dia ele foi e representou para os Grogan está registrada para sempre na literatura, no cinema e na mente de todos os que riram e choraram ao lado do pior cão do mundo.


Rosana Fernandes

Título: O fenômeno Marley & Eu

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 2

654 

Imagem por: janet_farthing

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    10-09-2012 às 12:28:26

    Não li este livro, porque o filme chegou antes até mim, mas adorei o filme. Não só pela história de amizade entre os donos e o cão Marley, mas também pela carga positiva que o filme tem. Tão feliz e ao mesmo tempo tão verdadeiro. O seu texto está mesmo muito bonito e muito apelativo para quem tem a ideia de fugir ao livro de 217 páginas pelo filme de uma hora e pouco.

    ¬ Responder
  • MarconiMarconi

    22-09-2011 às 14:32:39

    bom dia a todos, acabei de ganhar um labrador, realemnte eles são muito brincalhões e cheios de energias, quanto a História não ha conhecia, passei a conhecer agora depois da chegada dele, muito legal e bastante emocionante, só espero saber adestrá-la, espero orientações, grato.

    ¬ Responder
  • Michelle MoraesMichelle Moraes

    05-12-2010 às 15:08:27

    O melhor de todos todos, Marley.

    ¬ Responder

Comentários - O fenômeno Marley & Eu

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: janet_farthing

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios