Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Narciso e Goldmund

Narciso e Goldmund

Categoria: Literatura
Visitas: 2
Narciso e Goldmund

O romance «Narciso e Goldmund», de Hermann Hesse, reimpresso em 2009 pela Guimarães Editores, consubstancia 400 páginas de ficção psicanalítica. Datado de 1930, este livro traça, através de uma técnica especialíssima, o perfil psicológico do noviço Narciso, culto e racional, e do seu aluno, Goldmund, bonito e audacioso. Estas personagens centrais integram personalidades absolutamente divergentes, mas admiram-se mutuamente. Ambos estão num convento com o intuito de entregar as suas vidas a Deus e são as particularidades de cada um que os unem, separam, reaproximam, instigam.

Narciso e Goldmund constituem arquétipos de opostos que se atraem com um pseudo-magnetismo. O dilema que se instala entre os dois temperamentos é imagem de marca do autor. Contudo, ele possui a fantástica capacidade de fundi-los numa sinopse que assenta, em grande medida, na filosofia taoista. Nesta obra é notória a presença ideológica de Carl Gustav Jung. Tendo como cenário um convento da Europa Central, são os sonhos das personagens que conduzem o fio da meada de uma história que evoca as noções de inconsciente colectivo, individualização e outras concepções de Jung.

As dicotomias espírito-matéria, ascese-prazer sensual, racional-emocional, conhecimento-sensorialidade são objecto de análise por parte do escritor suíço (da região alemã) que recebeu em 1946 o Prémio Nobel da Literatura. O dualismo da vida, das escolhas e das diferenças, a fragmentação entre o arrebatamento religioso e o deslumbramento da criação artística, numa clara alusão à vida ascética e minimalista de Narciso em oposição à conduta boémia e apaixonada de Goldmund, encontram-se bem patentes nesta produção fictícia de Hesse.

Para quem pense que a diferença só se alimenta de diferença, procurando unicamente mais diferença, num contexto de busca de fundamentos de divisão, este é um bom livro. Uma trama onde coabitam espiritualidade e cepticismo, amor e repulsa, razão e emoção e todo um vasto conjunto de características antagónicas em personagens que basicamente gostam muitíssimo uma da outra é bem reveladora do amor incondicional. As diferenças, geralmente consideradas como elementos de discriminação, entram aqui como qualidades intrínsecas e elementares. Além do mais, tão arreigado é em alguns de nós o elogio da diferença que as próprias semelhanças saem distorcidas e muitas delas até disfarçadas sob o signo da dissemelhança!

Porque é que se há-de consumir concepções pré-fabricadas sem nem ao menos as reformular? Narciso sabia perfeitamente o que estava a ocorrer com Goldmund, dada a sua beleza, energia e idade. Ainda assim, não tinha a pretensão de que o grego colmatasse a juventude da sua alma ou a lógica respondesse a um amor inocente. No respeito pela diferença está a construção da igualdade!


Maria Bijóias

Título: Narciso e Goldmund

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

675 

Imagem por: Randy OHC

Comentários - Narciso e Goldmund

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cuidado com as curvas

Ler próximo texto...

Tema: Motas
Cuidado com as curvas\"Rua
Quando se fala em motas, delineia-se na nossa mente a figura de um indivíduo, “maluquinho” por estes veículos de duas rodas, vestido com colete preto de couro e envergando umas possantes botas da mesma cor, e, quiçá, umas caveiras ou outros distintivos aqui ou ali, nele ou na moto. Normalmente, os motociclistas, motoqueiros ou motards, como são conhecidos, regem-se por um espírito muito próprio, que ninguém sabe definir muito bem, mas que, sem dúvida, engloba a sensação de liberdade e, por vezes, umas bebedeiras a valer numa qualquer concentração de motas. A parte boa é que, não acontecendo nada de pernicioso à mota e ao seu condutor quando se desafia a sorte desta maneira, uma vez despojado das roupas e acessórios motards, colocando o fato e a gravata, este volta a ser uma pessoa “normal”, imbuído de sentido de responsabilidade e bom senso. Estas características, tão úteis no trabalho e em sociedade, são, amiúde, esquecidas quando se está ao “volante” de uma moto. Cede-se, frequentemente, à tentação de andar muito depressa, de ultrapassar em terceira fila, de passar à frente nas portagens, de desrespeitar o próximo perpetrando atrocidades inacreditáveis e fazendo tudo o que dá na veneta, com a segurança de se estar protegido pelo anonimato do capacete e da pouca ou nenhuma visibilidade da matrícula.

Por outro lado, também existe aquilo a que se chama de solidariedade motard, que apela aos mais puros sentimentos de entreajuda em caso de queda ou outra situação de aflição. Claro que, em determinadas circunstâncias, mais valia que estivessem quietos, em vez de retirar apressadamente o capacete a um colega estendido no chão (é a última coisa a fazer), e noutras ainda bem que se tem assistência em viagem, porque, dada a falta de visão periférica dos companheiros de estrada, bem se podia”esticar o pernil” que não apareceria vivalma para dar uma ajuda.

Definições e conceitos à parte, o motociclismo constitui uma paixão fervorosa de um grande números de indivíduos, com um incremento significativo do género feminino. Faz-se uso da mota por razões não profissionais, por diversão, por se ser praticante desta modalidade, para locomoção, ou, simplesmente, porque se gosta de motos. Seja qual for a razão, os agradecimentos têm de ser dados a Gottlieb Daimler (1834-1890), que inventou o primeiro protótipo. E, já agora, não custa render gratidão também a John Boyd Dunlop, veterinário escocês, que concebeu uma espécie de roda, que corresponde ao nascimento do pneu. Pode, portanto, afirmar-se com toda a legitimidade que um veterinário deu à luz um pneu…!

Pesquisar mais textos:

Maria Bijóias

Título:Cuidado com as curvas

Autor:Maria Bijóias(todos os textos)

Imagem por: Randy OHC

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • letícia Cristina Calixto de Souza 20-06-2013 às 17:19:32

    eu achei muito interessante esse texto por que ele me ajudou a fazer um trabalho escolar mas eu quero falar para a autora desse texto que ela está de parabéns e que esse texto possa incentivar cada pessoa que ler ele então meus parabéns

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios