Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: DVD Filmes
Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

O filme do qual vos vou falar chama-se “Our idiot brother”. Este filme é uma comédia fascinante.

SINOPSE
Ned é um homem de coração bom… tão bom que chega a ser um idiota! Este agricultor biodinâmico de coração aberto confia a 100% nas pessoas, ao ponto de ter arranjado droga a um agente fardado, facto que o levou a ser preso.
Ao sair da prisão mais cedo por bom comportamento e, inclusivamente, por ter ganho uma distinção na prisão (um tipo de prémio), Ned volta para a sua quinta, para os braços da sua namorada. No entanto, ao chegar, descobre que tinha sido já substituído por outro, ficando assim sem casa, sem namorada e sem o seu adorado cão, Willie Nelson.

Restava-lhe apenas uma hipótese: pedir apoio à mãe e às três irmãs. Mas como sobreviverá um ex-condenado, cheio de boa-vontade e confiança nas pessoas, na atual selva a que chamamos mundo?

HISTÓRIA (Atenção!!! Contém spoilers)
Após ser libertado da prisão e rejeitado pela namorada, Ned procura a família. A mãe, super protetora e adorável, que o vê ainda como uma criança é a primeira a dar-lhe abrigo. No entanto, Ned não se sente confortável e pede auxílio à irmã mais velha.

Esta oferece-se para o deixar ficar na sua casa e pede ao marido, um realizador que se encontrava a fazer um documentário acerca de uma bailarina, que dê emprego ao seu irmão. O marido, apesar de contrariado, aceita. Entretanto, Ned compromete-se também a tomar conta do seu pequeno sobrinho, River.
River é um menino apaixonado por artes marciais, que toca shinai por imposição dos pais, que são contra a violência. No entanto, o tio Ned ensina-o a lutar, o que estreita a relação entre ambos.

No entanto, a irmã não gosta do tipo de ensinamentos que Ned dá a River, e acaba por o expulsar.

Ned vai viver então para casa da irmã Miranda, uma jornalista de uma revista, desesperada para fazer uma reportagem acerca de uma pessoa real “e não de um hidratante”, segundo a mesma. Miranda consegue finalmente uma reportagem acerca de uma rapariga, a qual gere uma fundação, mas oculta um acontecimento passado negro. Miranda não tem autorização para perguntar acerca do passado à sua entrevistada, no entanto é isso que o editor deseja saber. Ned, que entretanto deu boleia a ambas, acaba por se tornar amigo da rapariga e de ter todas as informações que Miranda necessitava. Ao descobrir, Miranda obriga-o a contar o que sabe e Ned, inadvertidamente, conta sem ter conhecimento que essas informações seriam divulgadas. Para complicar a situação, Ned conta a Miranda algo que lhe tinha feito muita confusão: tinha apanhado o cunhado (realizador) nu com a bailarina do documentário. Miranda entende então o que se passa: o cunhado anda a trair a irmã!

Miranda conta às irmãs o que Ned lhes tinha dito acerca do cunhado e a irmã, desesperada, culpa o irmão em vez do marido.

Miranda, mais tarde, pede a Ned que vá à sede da revista, confirmar as informações que constavam na reportagem. No entanto ele não dá autorização para que sejam divulgadas, arruinando todo o trabalho que a irmã tinha obtido por meios “duvidosos”.

Também Natalie, a irmã mais nova, uma rapariga lésbica apaixonada pela namorada, tem um grande segredo que partilha com Ned: Natalie traíu a namorada com um amigo e está GRÁVIDA! Ned, por sua vez, pensou que a namorada de Natalie sabia e acaba por abordar o assunto com ela.

Com todas as suas irmãs zangadas consigo, Ned acaba por fumar droga de novo e, de boa fé, conta ao agente de condicional, que o envia de novo para a prisão.
As irmãs entendem então: a culpa da ruína das suas vidas nunca fora de Ned, ele apenas lhes abriu os olhos.

Com isto em mente, pagam-lhe a fiança. No entanto, Ned recusa-se a sair da prisão, e é aí que River tem uma ideia: o único modo de tirar Ned da cadeia é levar-lhe o seu cão, Willie Nelson, o qual ele tinha passado todo o tempo a tentar recuperar.

Ao ver o seu adorado cão, Ned sai da cadeia.

Ned recompõe a sua vida. Miranda fica com o colega de apartamento! A mãe de River refaz a sua vida e aceita que o filho pratique karaté. Natalie aceita ter o bebé e acaba por receber uma chamada da ex-namorada, que deseja tentar recompor as coisas.


Patrícia Carvalho

Título: Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

Autor: Patrícia Carvalho (todos os textos)

Visitas: 0

617 

Comentários - Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios