Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: DVD Filmes
Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

O filme do qual vos vou falar chama-se “Our idiot brother”. Este filme é uma comédia fascinante.

SINOPSE
Ned é um homem de coração bom… tão bom que chega a ser um idiota! Este agricultor biodinâmico de coração aberto confia a 100% nas pessoas, ao ponto de ter arranjado droga a um agente fardado, facto que o levou a ser preso.
Ao sair da prisão mais cedo por bom comportamento e, inclusivamente, por ter ganho uma distinção na prisão (um tipo de prémio), Ned volta para a sua quinta, para os braços da sua namorada. No entanto, ao chegar, descobre que tinha sido já substituído por outro, ficando assim sem casa, sem namorada e sem o seu adorado cão, Willie Nelson.

Restava-lhe apenas uma hipótese: pedir apoio à mãe e às três irmãs. Mas como sobreviverá um ex-condenado, cheio de boa-vontade e confiança nas pessoas, na atual selva a que chamamos mundo?

HISTÓRIA (Atenção!!! Contém spoilers)
Após ser libertado da prisão e rejeitado pela namorada, Ned procura a família. A mãe, super protetora e adorável, que o vê ainda como uma criança é a primeira a dar-lhe abrigo. No entanto, Ned não se sente confortável e pede auxílio à irmã mais velha.

Esta oferece-se para o deixar ficar na sua casa e pede ao marido, um realizador que se encontrava a fazer um documentário acerca de uma bailarina, que dê emprego ao seu irmão. O marido, apesar de contrariado, aceita. Entretanto, Ned compromete-se também a tomar conta do seu pequeno sobrinho, River.
River é um menino apaixonado por artes marciais, que toca shinai por imposição dos pais, que são contra a violência. No entanto, o tio Ned ensina-o a lutar, o que estreita a relação entre ambos.

No entanto, a irmã não gosta do tipo de ensinamentos que Ned dá a River, e acaba por o expulsar.

Ned vai viver então para casa da irmã Miranda, uma jornalista de uma revista, desesperada para fazer uma reportagem acerca de uma pessoa real “e não de um hidratante”, segundo a mesma. Miranda consegue finalmente uma reportagem acerca de uma rapariga, a qual gere uma fundação, mas oculta um acontecimento passado negro. Miranda não tem autorização para perguntar acerca do passado à sua entrevistada, no entanto é isso que o editor deseja saber. Ned, que entretanto deu boleia a ambas, acaba por se tornar amigo da rapariga e de ter todas as informações que Miranda necessitava. Ao descobrir, Miranda obriga-o a contar o que sabe e Ned, inadvertidamente, conta sem ter conhecimento que essas informações seriam divulgadas. Para complicar a situação, Ned conta a Miranda algo que lhe tinha feito muita confusão: tinha apanhado o cunhado (realizador) nu com a bailarina do documentário. Miranda entende então o que se passa: o cunhado anda a trair a irmã!

Miranda conta às irmãs o que Ned lhes tinha dito acerca do cunhado e a irmã, desesperada, culpa o irmão em vez do marido.

Miranda, mais tarde, pede a Ned que vá à sede da revista, confirmar as informações que constavam na reportagem. No entanto ele não dá autorização para que sejam divulgadas, arruinando todo o trabalho que a irmã tinha obtido por meios “duvidosos”.

Também Natalie, a irmã mais nova, uma rapariga lésbica apaixonada pela namorada, tem um grande segredo que partilha com Ned: Natalie traíu a namorada com um amigo e está GRÁVIDA! Ned, por sua vez, pensou que a namorada de Natalie sabia e acaba por abordar o assunto com ela.

Com todas as suas irmãs zangadas consigo, Ned acaba por fumar droga de novo e, de boa fé, conta ao agente de condicional, que o envia de novo para a prisão.
As irmãs entendem então: a culpa da ruína das suas vidas nunca fora de Ned, ele apenas lhes abriu os olhos.

Com isto em mente, pagam-lhe a fiança. No entanto, Ned recusa-se a sair da prisão, e é aí que River tem uma ideia: o único modo de tirar Ned da cadeia é levar-lhe o seu cão, Willie Nelson, o qual ele tinha passado todo o tempo a tentar recuperar.

Ao ver o seu adorado cão, Ned sai da cadeia.

Ned recompõe a sua vida. Miranda fica com o colega de apartamento! A mãe de River refaz a sua vida e aceita que o filho pratique karaté. Natalie aceita ter o bebé e acaba por receber uma chamada da ex-namorada, que deseja tentar recompor as coisas.


Patrícia Carvalho

Título: Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

Autor: Patrícia Carvalho (todos os textos)

Visitas: 0

617 

Comentários - Our Idiot Brother - O nosso Irmão Idiota

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios