Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A Mentalidade Do Homem Da Idade Média

A Mentalidade Do Homem Da Idade Média

Categoria: Outros
Visitas: 198
A Mentalidade Do Homem Da Idade Média

Como os homens da Idade Média viam o mundo? Para eles, como o ser humano se relacionava com Deus? O que era o ser humano? O que era a natureza? Como descobrir a verdade das coisas? Em resumo, como era a visão de mundo medieval?

Bem, para começo de conversa, você deve se lembrar de que aquele era outro mundo. As pessoas não viviam como hoje. Tinham outras experiências. A maneira de pensar e de sentir das pessoas era diferente da atual.

A principal característica da visão de mundo medieval era o teocentrismo. Em grego antigo, Théos quer dizer Deus. Portanto, teocentrismo quer dizer mais ou menos "Deus no centro de tudo ". Isso você já sabe: as pessoas eram muito religiosas e seguiam tudo o que a Igreja Católica dissesse.

De que maneira as pessoas acreditavam que poderiam alcançar a verdade? Em primeiro lugar, pelo que a Igreja pregasse. O que o papa, os bispos e os padres falavam era igualmente inquestionável. Em qualquer assunto, religioso ou não, a Igreja era a dona da verdade.
Hoje, esse monopólio da Igreja seria um tanto absurdo, não concorda? De qualquer modo, é bom lembrar que durante séculos só os membros do clero sabiam ler e escrever.

Eram os padres e os monges que guardavam e escreviam livros. Foi a Igreja que uniu culturalmente a Europa. Diante disso, fica mais fácil entender a força intelectual da Igreja.

A mentalidade medieval não dava muita importância à natureza. Ao contrário, as pessoas acreditavam que o ser humano ficaria mais puro se ficasse afastado dela. Com tanto desprezo pela natureza, dá para entender por que a ciência fez tão poucos progressos na Idade Média.

Para um homem, a ideia de progresso não existia. A maioria acreditava que as pessoas sempre haviam usado as mesmas roupas, as mesmas ferrementas, os mesmos objetos, e que no futuro tudo também seria assim. Não foi à toa que a arte medieval atingiu seu apogeu quando construiu catedrais de pedra que deveriam "durar para sempre ".

Na Europa medieval eram raras as viagens. O lugar mais longe a que uma pessoa normal conseguia ir em toda a sua vida não ficava a mais de três quilômetros do lugar onde tinha nascido. Raríssimas eram as pessoas com algum conhecimento geográfico. Em geral, não sabiam nada sobre o mundo que estivesse além das cercanias do feudo em que viviam.

Para o homem medieval, Deus estava sempre se manifestando nos acontecimentos. Se havia uma enchente ou uma derrota numa batalha, com certeza isso tinha ocorrido pelas ação direta de Deus


Márcio Batista da Silva

Título: A Mentalidade Do Homem Da Idade Média

Autor: Márcio Batista Silva (todos os textos)

Visitas: 198

433 

Comentários - A Mentalidade Do Homem Da Idade Média

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios