Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Uma Francesinha à Moda do Porto

Uma Francesinha à Moda do Porto

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alimentação
Visitas: 12
Uma Francesinha à Moda do Porto

E quem não se delicia com uma grande e calórica Francesinha? Nunca provou? Então não sabe o que está a perder. Se já o fez, sabe exatamente que iguaria única estou a falar.

Uma Francesinha aquece, alimenta, cura muitos males do corpo e da alma e acima de tudo, satisfaz qualquer barriga gulosa.

As francesinhas são conhecidas por Portugal inteiro, mas é no Porto que ganha notoriedade e distinção. Mas afinal porque razão se associa a Francesinha ao Porto e não a França como o nome indica? Qual é de facto a sua história?

Bem, como em todos os casos que envolve boa gastronomia, existem várias versões, mas vamos à mais conhecida e bem fundamentada.

Em plena Guerra Peninsular, as tropas de Napoleão tinham por hábito comer sandes de pão de forma recheando-as com todo o tipo de carne, de forma a alimentarem-se de forma rápida, prática, mas que enche-se. O queijo também era típico nestas sandes que depois de prontas, se tornavam altar e difíceis de comer à dentada.

Conta a história que em França estas sandes eram costume comum na alimentação dos Franceses como lanche ou snack bem recheado. Sandes conhecidas como “croque monsieur” fazem ainda hoje parte da gastronomia Francesa.

Consta que em 1950, chega ao porto, vindo de França, um emigrante Português de nome Daniel David Silva que se empregou na baixa do Porto. No Restaurante A Regaleira, empregou-se o homem com alguns hábitos trazidos de França e claro, o gosto por estas tostas habituais em frança.

Criou-a então de forma diferente e com um extra. O molho suculento e fantástico em que podemos embeber cada fatia de Francesinha que temos de comer com talheres, pois a altura não nos permite a dentadas típicas de sandes.

As Francesinhas são ricas em tudo o que é calórico, mas muito saboroso. Linguiça, salsicha fresca, fiambre, carnes frias, bife de vaca ou porco assado e ovo estrelado, tudo entalado em pão de forma. Para terminar, coloca-se queijo derretido por cima e envolve-se num prato com molho picante e batatas fritas.

Em 2011 a Francesinha foi considerada uma das 10 melhores sandes do mundo e são conhecidas mundialmente. Turistas visitam o nosso Porto e sabem através dos livros para turistas que não comer uma Francesinha é o mesmo que ir a Roma e não ver o Papa.

Viver sem comer uma Francesinha é não conhecer uma das coisas mais deliciosas que se podem provar em todo o mundo.


Carla Horta

Título: Uma Francesinha à Moda do Porto

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 12

781 

Comentários - Uma Francesinha à Moda do Porto

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios