Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Vai um cogumelo

Vai um cogumelo

Categoria: Alimentação
Visitas: 2
Vai um cogumelo

Os cogumelos, muito apreciados por um grande número de pessoas, podem ser, como é do conhecimento geral, muito perigosos para a saúde. Costuma deixar-se a tarefa de os apanhar para quem os reconhece bem e sabe distinguir os que são bons para comer, e não fará, portanto, perigar a vida de quem os for consumir. Há, contudo, quem, na brincadeira, diga que todos os cogumelos são comestíveis, só que uns comem-se apenas uma vez…!

Ainda assim, e como não se brinca com um assunto tão sério, convém que se colham apenas as espécies sobejamente conhecidas, e para gastar ou conservar de imediato. Em caso de dúvida, a melhor política é ir pelo pior caso, evitando correr riscos desnecessários. Em hipótese nenhuma de devem misturar cogumelos que se conhecem com outros de que pouco se sabe, pois a possibilidade de contaminação por meio dos esporos venenosos é bem real. Este descuido pode, em ultima análise, conduzir à morte!

Os cogumelos velhos não são aptos para a alimentação. A sua derradeira contribuição prende-se com a multiplicação da espécie. Se houver a desconfiança de ataque por vermes, devem rejeitar-se os exemplares afectados. Para transportar os fungos recolhidos utiliza-se um recipiente que favoreça a ventilação, pelo que os sacos de plásticos não constituem opção.

A água de ferver os cogumelos NUNCA se aproveita. São poucas as espécies que se podem ingerir cruas.

Existem já à venda cogumelos secos, desidratados a temperaturas controladas para não perderam os seus atributos nutritivos. Deste modo, não lhes são aplicados conservantes nem antioxidantes e mantêm-se totalmente naturais, saudáveis e deliciosos. Para os re-hidratar basta colocá-los numa tigela com água fria ou tépida, cerca de 20 a 30 minutos e livrá-los da terra e das impurezas que se sedimentam no fundo. Depois disto, estarão prontos a ser incorporados em pizzas, assados, massas, cremes, sopas, souflés, etcétera.

Os cogumelos são bastante ricos em proteínas e fibras, não patenteando, praticamente, gordura. O seu elevado teor em fibras torna-os de fácil digestão. Para além disso, são compostos por 80 por cento de água, tendo baixo valor nutritivo e calórico, pelo que não engordam! Adicionalmente, encerram uma boa fonte de minerais (fósforo, potássio e ferro) e de vitaminas (B1, B2, B6 e D). Conferem uma sensação de saciedade com poucas calorias, integrando o cardápio de muitas dietas de emagrecimento. Quando secos e triturados, substituem o sal, uma vez que emprestam um excelente paladar à comida.


Maria Bijóias

Título: Vai um cogumelo

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

805 

Comentários - Vai um cogumelo

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios