Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Mercadores e Artesãos na Idade Média

Mercadores e Artesãos na Idade Média

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 62
Mercadores e Artesãos na Idade Média

Os mercadores vão-se destacar pela sua fortuna. Vão tentar imitar a nobreza. Investiram parte da fortuna comprando terras para as dirigirem para aquele tipo de cultivo mais rentável. O que também os distinguiu foi a sua mentalidade. Tinham a mentalidade do lucro. Faziam todo o tipo de negócios: emprestavam dinheiro sobre penhor ou com o pagamento de uma taxa. Para além dos empréstimos, os mercadores também se dedicavam ao arrendamento de rendas. Os agentes senhoriais tinham que estar no senhorio para receber o pagamento do senhor. Também se dedicavam a práticas comerciais, juntando grandes mercadorias e vendendo estas nos mercados e feiras. Podiam ter funções de cambistas: faziam contractos de câmbio não correndo o risco de serem roubados, levando apenas o contrato consigo (espécie de transferência bancária).

Os italianos foram os primeiros a desenvolver este tio de formas comerciais, sendo eles também a criarem as primeiras companhias. Agrupa vários comerciantes da família e de famílias mais próximas. Tinham agentes nas principais cidades, onde possuíam comércio. Foi também em Itália que se desenvolveram os seguros, ficando assegurado o reembolso da mercadoria. Vão fundar as suas próprias escolas. Era preciso aprender aritmética e línguas específicas das regiões onde comercializavam. Tinham um carácter utilitário, sem base religiosa.

Os mercadores vão tentar imitar a aristocracia: a fora de vestir, os divertimentos e os comportamentos. Havia alguma ascensão social através dos casamentos com a nobreza arruinada. Aconteceu também os mercadores colocarem um ou dois filhos na Universidade. Vão ser estes filhos que vão estar ao serviço de papas e reis.

Os artesãos não vão conseguir ascender tanto como os mercadores. A oficina tinha um mestre e podia ter um aprendiz, que tinha que pagar a aprendizagem. Havia também os companheiros, jovens que tinham ultrapassado a aprendizagem e tinham condições para serem mestres. Tinham que fazer um exame e inscrever-se no ofício. Era preciso pagar e obter uma oficina, as nem todos tinham dinheiro suficiente, continuando a trabalhar para o mestre. Também os artesãos estavam organizados em associações, as confrarias, para proteger os artesãos do infortúnio. Eram meios de assistência social. Havia também o arruamento, agrupando-se por ruas.

Daniela Vicente

Título: Mercadores e Artesãos na Idade Média

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 62

765 

Comentários - Mercadores e Artesãos na Idade Média

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios