Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Crise do século XIV e XV

Crise do século XIV e XV

Categoria: Outros
Crise do século XIV e XV

Os séculos XIV e XV foram marcados por uma crise provocada pelas fomes, pestes e guerras. As fomes deveram-se sobretudo às colheitas deficitárias, resultado de maus anos agrícolas, do esgotamento dos solos e do aumento da população no período anterior. A partir das primeiras mortes por epidemia, começou a faltar mão-de-obra nos campos de cultivo, diminuindo, assim, a produção. Começou a aparecer dificuldades de abastecimento às cidades. As gentes do campo ficaram subalimentadas e os frequentes consumidores enfrentaram os preços altos habituais deste tipo de crise. Perante uma população debilitada, enfraquecida e subalimentada, as epidemias propagaram-se facilmente. A isto acrescentou-se a falta de higiene.

Em 1347, a peste começou a difundir-se em Génova. Espalhou-se muito rapidamente por toda a Europa até 1351. Em geral, atacou os mais fracos, embora os fortes também não conseguissem escapar. Foi mais mortífera nas cidades onde havia grandes aglomerações de população. Também chegou às comunidades monásticas. Deu-se uma grande quebra da população, morreu um 1/3 desta. A natalidade baixou e foi difícil repor as gerações, pois as guerras causavam as mortes de muitos homens jovens em idade de procriar. Também os civis morreram nos assaltos às cidades. Foi impossível assegurar os trajectos dos mercadores, o que originou a deslocação das vias de comercialização. A floresta que tinha recuado nos séculos anteriores, voltou a avançar, assim como os pântanos voltaram ao estado inicial. Estávamos perante o recuo na conquista dos solos.

Houve uma quebra dos rendimentos senhoriais e das dízimas da igreja. Os senhores exigiram, numa fase inicial, mais pagamentos por parte dos poucos camponeses que permaneceram nos campos, com o fim de recompensar a falta de pagamento dos restantes camponeses que entretanto morreram ou tinham ido para a cidade. Surgem leis para obrigar as pessoas que não têm profissão a cultivar nas terras que ficaram abandonadas, incluindo mendigos e marginais. Infelizmente, estas leis tiveram pouco resultado. Entretanto, na cidade, encerrou-se as profissões à mão de obra não qualificada dos habitantes que vinham do campo. Os homens com capital investiram em maquinaria para substituir a mão-de-obra. Também no comércio se notou a crise com a falência de algumas companhias italianas.

Daniela Vicente

Título: Crise do século XIV e XV

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 0

665 

Comentários - Crise do século XIV e XV

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios