Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Legendagem vs. Dobragem – A velha questão

Legendagem vs. Dobragem – A velha questão

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: DVD Filmes
Visitas: 4
Legendagem vs. Dobragem – A velha questão

A questão da disputa entre legendagem e dobragem tem sido muito debatida ao longo dos últimos anos. Tenta-se chegar a um consenso sobre qual é o melhor método, mas as opiniões divergem de maneira irreversível, uma vez que as vantagens de cada uma em relação à outra se suplantam.

A legendagem consiste na inserção de texto no ecrã. Este texto representa as falas das personagens e nunca deve ocupar mais do que duas linhas, de forma a não poluir visualmente o decorrer de uma ação. A grande vantagem deste tipo de tradução audiovisual é a dos atores apresentarem as vozes originais, de ser um sistema extremamente barato se comparado com a dobragem e de ser um meio de educar os espectadores. Este último ponto tem sido muito debatido, uma vez que os adeptos da legendagem defendem que este método permite melhorar as capacidades de leitura e de raciocínio do telespectador. As grandes desvantagens deste sistema apresentam-se por não ser uma tradução fiel das falas, na maioria das vezes devido ao número de caracteres restrito numa legenda.
Outra desvantagem é o de muitas pessoas apresentarem dificuldades em ler as legendas e conseguir acompanhar a ação.

A dobragem, por sua vez, tem como grande vantagem o facto de se poder acompanhar a ação sem qualquer tipo de interferência ou de poluição visual no ecrã. O espectador apenas tem de seguir a ação e as personagens. No entanto, há quem defenda uma grande vertente de artificialidade, uma vez que as vozes são cortadas e existe um desfasamento entre as falas e o movimento dos lábios dos atores.
Este é também um método extremamente caro, uma vez que envolve um grande número de recursos humanos, como por exemplo tradutores para o guião, atores para as vozes ou técnicos de som.

Neste início de século XXI, a inserção social passou a ter um papel de destaque nas sociedades ocidentais. A tradução audiovisual não passou ao lado deste mote, pelo que já é possível ver diversos canais de televisão com legendagem em teletexto dirigida principalmente ao público surdo. Estas legendas caracterizam-se por uma linguagem muito mais simples e pelo uso de cores para expressar as emoções dos atores.

Existe também um método que tenta atingir a existência de uma melhor compreensão por parte do público cego e amblíope, que consiste numa voz-off que, no intervalo das falas dos representantes, vai fazendo a descrição oral de um determinado cenário ou dos atores à medida que a ação decorre.

Tanto a legendagem como a dobragem têm as suas vantagens e as suas “estranhezas”, mas o que se pode retirar daqui é que tanto uma como a outra pretendem ser um auxílio não só à inclusão linguística, mas também à inclusão social.


Luís Seco Passadouro

Título: Legendagem vs. Dobragem – A velha questão

Autor: Luís Seco Passadouro (todos os textos)

Visitas: 4

653 

Comentários - Legendagem vs. Dobragem – A velha questão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios