Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > António de Oliveira Salazar

António de Oliveira Salazar

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Biografias
António de Oliveira Salazar

Discorde ou concorde das medidas que tomou, das posições que adotou, certo é que contar a História de Portugal e não falar de Salazar, é não contar um conto chamado Portugal num espaço de tempo mais contemporâneo.

Se perguntar a cada Português quem foi Salazar, a primeira coisa que vão responder é que foi um ditador Português. Ponto. É aquilo porque é identificado. Mas não será este homem, considerado o maior Português de todos os tempos (eleito pelos Portugueses em 2007) muito mais do que isso. Falemos então de um homem que fez história e de quem muito se tem falado ultimamente perante a crise nas finanças de Portugal.

António de Oliveira Salazar nasceu no Vimeiro, em Santa Comba Dão aos 28 dias do mês de abril de 1989. Filho de pequenos proprietários agrícolas, Salazar recebeu uma educação fortemente marcada pelo Catolicismo, tendo chegado a frequentar um Seminário.

Em 1914 conclui com excelente notas o curso de Direito e em 1918 torna-se Doutor e é Professor de Ciências Económicas.

Pelo seu papel tão extraordinário enquanto Professor catedrático na Universidade de Coimbra, é convidado a segurar a pasta das Finanças de Portugal em 1926, mas abandonou o cargo por julgarem as suas medidas demasiado austeras. “Informou” na altura que o chamassem quando acreditassem que as suas medidas seriam as que funcionariam para um pais que se deparava com uma crise em início da República. Voltou ao governo com a mesma pasta em 1928, cargo que manteve a pulso e determinação até 1932 e onde reformulou todas as finanças publicas.

Em 1932 nasce o novo Presidente do Conselho de Ministros e publica a nova Constituição que era aprovada em 1933, criando assim o Estado Novo, onde defende “Deus, a Pátria e a Autoridade”. Era ele quem defendia os interesses e os destinos de Portugal.

Em 1936 apoia Franco na Guerra Civil Espanhola com o envio do armamento para as forças militares espanholas, mas as relações pessoais entre ambos nunca foram boas.

Assume por esta altura a pasta de Ministro dos Negócios Estrangeiros e com a chegada da Segunda Guerra Mundial, Salazar mantem-se neutro no sentido de proteger a pátria, mais uma vez. Com a pressão dos Aliados, cede a base das Lages nos Açores, mas negociei armamento, com receios de invasões nazis. Marca a história durante esta guerra, que Aristides de Sousa Mendes sofreu junto da família um despedimento e uma humilhação social por ter ajudado Judeus a entrar em Portugal.

Estratega, Salazar defendia Portugal e geria de forma a encher cofres do Estado, mesmo que para isso se vivesse mal no continente Português. Apesar das reformas financeiras e da Paz que se vivia quando o Mundo estava em Guerra, muitos afirmam que a escassez de alimentos num país como Portugal, colocavam em acusa qualquer proteção que Salazar podia assegurar.

Em Portugal, a liberdade não era permitida e a PIDV (posteriormente PIDE) foi a maior arma criada em Portugal. A PIDE calava os opositores, perseguindo-os e torturando quem se opusesse à ditadura de Salazar.

Em 1968, cai de uma cadeira no Forte de Santo António (sofre um hematoma intracraniano) e começa a decadência de Salazar. Por motivos de saúde é afastado do Governo, mas até á sua morte (27 de Julho de 1970) julgou sempre que continuava a ser o Chefe do Estado de Portugal.

Nunca casou e não se conhece que tenha algum filho. Diz que casou com a Pátria e pela pátria abdicou de uma vida familiar.

Salazar protegeu os portugueses, encheu os cofres do Estado, assegurou que o pais sobreviveria durante guerras e invasões, mas até que ponto não foi o preço demasiado alto? Dono de uma autoridade inigualável em Portugal, calou vozes que á muito tentavam gritar liberdade criando polícias políticas que os perseguiam e calavam (muitos de vez).

Independentemente das opiniões, foi em 2007 considerado o maior Português de todos os tempos.


Carla Horta

Título: António de Oliveira Salazar

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

638 

Comentários - António de Oliveira Salazar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cães e Humanos: Amizade por interesses

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Animais Estimação
Cães e Humanos: Amizade por interesses\"Rua
Não é de hoje que os cães são considerados nossos melhores amigos, porém como toda amizade ela não é totalmente incondicional e livre de interesses, pense bem, você pode discordar a princípio, mas analise a fundo e verá que tenho razão.

Cães convivem conosco a mais de 10mil anos, foi lá atrás na pré história que essa amizade começou, uma das mais duradouras da história. Teorias dizem que essa conexão iniciou pois ambas as espécies precisavam de algo que não possuíam e juntos se completaram.

Em plena era do gelo onde a sobrevivência estava sendo testada a todo vapor, aquele lobo considerado mais corajoso se encontrou com um homem também corajoso e resolveram unir forças, talvez não conscientemente, mas deu certo para ambos, e ali iniciava uma amizade que duraria por milênios.

Nesse estágio da nossa história, corríamos perigo de sobrevivência; faltava comida, segurança e energia ! ... E então percebemos que esses lobos simpáticos poderiam nos dar uma vantagem na corrida contra a morte, afinal eles caçavam muito bem , coisa que tínhamos dificuldade em fazer pela falta de energia naquele momento; então pensamos, eles nos ajudam a caçar, nós dividimos o alimento e em troca eles ganham segurança e afeto, e foi assim que essa amizade nos ajudou a enfrentar todos os percalços do caminho, e hoje evoluímos tanto que não precisamos mais de seus serviços e ainda sim continuam sendo nossos melhores amigos, posso dizer então que realmente é uma amizade verdadeira, que surgiu da dificuldade e interesses mas que não se deixou abalar por nada.

Então, agora quando virmos alguém maltratar esses animais, desdenhar deles dizendo que "não prestam pra nada", "não fazem nada de útil", como a galinha que põe ovos, ou a vaca que dá leite, lembremo-nos o quão útil eles foram na nossa caminhada, não só no quesito físico mas também no emocional, numa época em que as aparências não importavam e nem o QI para se fazer um amigo, bastava ser corajoso o bastante pra ultrapassar barreiras e conhecer mais o outro, do jeito que ele viesse, garanto que vantagens incríveis nascerão dessa amizade, e não pense em vantagens como algo ruim, quando digo penso em a vantagem da gente se sentir o humano mais importante do mundo quando esses seres peludos nos olham nos olhos sem pedir mais nada em troca, damos e recebemos carinho como nunca, uma retribuição silenciosa a quem sempre esteve do nosso lado, no pior e melhor momento.

O maior interesse em uma amizade é que ela dure para sempre, e acho que com os Cães conseguimos isso.

Pesquisar mais textos:

Lara Lavic

Título:Cães e Humanos: Amizade por interesses

Autor:Lara Lavic(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios