Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. Sebastião e a crise de sucessão

D. Sebastião e a crise de sucessão

Categoria: Biografias
Visitas: 24
D. Sebastião e a crise de sucessão

Após a morte de D. Sebastião na Batalha de Alcácer Quibir a 24 de Agosto de 1578, Portugal ficou com um grave problema de sucessão. O seu sucessor no trono foi o seu tio, o Cardeal D. Henrique, o Casto (1578-1580).

Filho do rei D. Manuel I, o Venturoso, e de D. Maria de Castela, D. Henrique nasceu em Lisboa, a 31 de Janeiro de 1512. Foi priorado comendatário de Santa Cruz de Coimbra, arcebispo de Braga, inquisidor-geral arcebispo de Évora, arcebispo de Lisboa, administrador perpétuo do Mosteiro de Alcobaça, e, por fim, foi regente durante a menoridade de D. Sebastião (1562-1568).

D. Henrique assumiu, de facto, a regência do reino, mas a verdade impunha-se: a probabilidade deste dar descendentes à Coroa Portuguesa, mesmo com dispensa papal, era muito baixa. Contudo, ainda se tentou dar a volta à situação, ponderados alguns casamentos favoráveis, nomeadamente, com D. Isabel de Áustria (acaba por casar com o Imperador Francisco José I).

Em 1580, sofrendo já de grande debilidade física, D. Henrique convocou as Cortes para decidir o próximo na linha de sucessão. Havia três candidatos possíveis: D. Catarina de Bragança, sobrinha de D. Henrique, D. Filipe II de Espanha (futuro Filipe I de Portugal) e D. António, prior do Crato, ambos netos de D. Manuel I. Infelizmente para Portugal, D. Henrique faleceu a 31 de Janeiro de 1580, em Almeirim, não deixando a situação da sucessão resolvida.

Seguiu-se D. António, prior do Crato, que perante a situação de Portugal, foi aclamado rei, a 19 de Junho de 1580, em Santarém. Porém, o seu reinado foi de curta duração, pois D. Filipe II de Espanha invadiu Portugal e derrotou-o na Batalha de Alcântara, a 25 de Agosto de 1580. Viu-se, assim, obrigado a fugir. Durante 15 anos esteve no exílio, acabando por falecer a 26 de Agosto de 1595, em Paris, sendo sepultado no Convento de São Francisco nesta mesma cidade.

D. António nasceu em Lisboa, em 1531, filho de D. Luís e de Violante Gomes. Seguiu a vida religiosa, o que não o proibiu de ter dez filhos. Durante a sua vida, foi obrigado a exilar-se várias vezes.

Estávamos agora perante um interregno de 60 anos.


Daniela Vicente

Título: D. Sebastião e a crise de sucessão

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 24

801 

Comentários - D. Sebastião e a crise de sucessão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios