Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. Sebastião e a crise de sucessão

D. Sebastião e a crise de sucessão

Categoria: Biografias
Visitas: 24
D. Sebastião e a crise de sucessão

Após a morte de D. Sebastião na Batalha de Alcácer Quibir a 24 de Agosto de 1578, Portugal ficou com um grave problema de sucessão. O seu sucessor no trono foi o seu tio, o Cardeal D. Henrique, o Casto (1578-1580).

Filho do rei D. Manuel I, o Venturoso, e de D. Maria de Castela, D. Henrique nasceu em Lisboa, a 31 de Janeiro de 1512. Foi priorado comendatário de Santa Cruz de Coimbra, arcebispo de Braga, inquisidor-geral arcebispo de Évora, arcebispo de Lisboa, administrador perpétuo do Mosteiro de Alcobaça, e, por fim, foi regente durante a menoridade de D. Sebastião (1562-1568).

D. Henrique assumiu, de facto, a regência do reino, mas a verdade impunha-se: a probabilidade deste dar descendentes à Coroa Portuguesa, mesmo com dispensa papal, era muito baixa. Contudo, ainda se tentou dar a volta à situação, ponderados alguns casamentos favoráveis, nomeadamente, com D. Isabel de Áustria (acaba por casar com o Imperador Francisco José I).

Em 1580, sofrendo já de grande debilidade física, D. Henrique convocou as Cortes para decidir o próximo na linha de sucessão. Havia três candidatos possíveis: D. Catarina de Bragança, sobrinha de D. Henrique, D. Filipe II de Espanha (futuro Filipe I de Portugal) e D. António, prior do Crato, ambos netos de D. Manuel I. Infelizmente para Portugal, D. Henrique faleceu a 31 de Janeiro de 1580, em Almeirim, não deixando a situação da sucessão resolvida.

Seguiu-se D. António, prior do Crato, que perante a situação de Portugal, foi aclamado rei, a 19 de Junho de 1580, em Santarém. Porém, o seu reinado foi de curta duração, pois D. Filipe II de Espanha invadiu Portugal e derrotou-o na Batalha de Alcântara, a 25 de Agosto de 1580. Viu-se, assim, obrigado a fugir. Durante 15 anos esteve no exílio, acabando por falecer a 26 de Agosto de 1595, em Paris, sendo sepultado no Convento de São Francisco nesta mesma cidade.

D. António nasceu em Lisboa, em 1531, filho de D. Luís e de Violante Gomes. Seguiu a vida religiosa, o que não o proibiu de ter dez filhos. Durante a sua vida, foi obrigado a exilar-se várias vezes.

Estávamos agora perante um interregno de 60 anos.


Daniela Vicente

Título: D. Sebastião e a crise de sucessão

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 24

801 

Comentários - D. Sebastião e a crise de sucessão

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios