Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > O relicário de Santa Valéria

O relicário de Santa Valéria

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 2
O relicário de Santa Valéria

O relicário de Santa Valeria é uma obra que tem 23,2 x 28 x 11,5 cm está datado entre 1175-85, encontra-se no museu de S. Petersburgo. Este é um exemplar bem preservado de um relicário narrativo, é representativo de um dos pontos altos de design e artesanato em esmalte de Limoges. Toda a superfície desta peça está coberta por um trabalho minucioso onde é possível ver retratada a história da vida de santa Valéria.

O fundo é composto por hastes enroladas de videiras possível de comparar com as caixas relicário de dois outros importantes santos de Limoges, Estevão (a quem é dedicada a catedral de Limoges, noivo de Valéria) e Marçal (primeiro bispo da cidade), também estas obras exibem um rico conjunto narrativo, com várias cenas, às quais também é dada grande atenção a nível do detalhe e da execução minuciosa.

Assim as obras dos relicários destes três santos de Limoges têm em comum uma herança espiritual e artística associada à sua produção em esmalte, foram os principais patronos de Limoges. Contudo não se tem a certeza que estes três relicários tenham sido produzidos para serem usados em Limoges, contudo foram criados para albergarem relíquias, fenómeno que se foi desenvolvendo ao longo do século XII e XIII e continuou pela idade média.

A figuração deste relicário é baseada nas convenções comuns dos mártires virgens, é representado o seu julgamento e sacrifício, representando o episódio mais significativo da sua vida.

A narrativa presente no relicário de Santa Valéria tem início com a condenação de Valéria por Estevão, o seu carrasco Horácio leva-a para o local onde terá lugar a sua execução, fora dos muros da cidade, é possível distinguir Valéria através dos inúmeros detalhes representados, o seu cabelo longo está solto, a sua pose mostra graciosidade, veste um vestido azul com longas mangas e calça sapatos roxos, estas características representadas neste trabalho demonstram-nos que Valéria era como uma princesa nobre.

A representação do duque Estevão através da sua espada, do ceptro em forma de coroa e do facto de este estar entronizado, demonstra a posição que o mesmo tinha na cidade de Limoges. É possível também ver os habitantes da cidade junto ao arco do portão da mesma, alguns virados de costas e outros a olhar para Valéria, ao canto vê-se a mão de Deus confirmando o martírio de Valéria. O seu carrasco aparece representado, por duas vezes, com vestes exóticas e turbante na cabeça. Estas representações, como refere a autora apresentam paralelos na arte Bizantina. Estes elementos mais exóticos são como que a representação, para os observadores dos inimigos dos cristãos os sarracenos.

No “telhado” do relicário aparece a representação da aparição de Valéria onde se processa a colocação da sua cabeça como que hasteada a ser levada a S. Marçal que presidia a eucaristia, Valéria surge-nos nesta altura de uma forma menos graciosa precisando de ajuda para caminhar, a narrativa termina com a oferta da sua cabeça a São Marçal.

A narrativa termina como que em ruptura com a ordem cronológica, em que é representado um fogo divino que leva à concretização da profecia de Valéria, a morte do seu carrasco. Ainda de dar enfase é a questão narrada na parte de trás do relicário, onde se encontra uma cena aparentemente não relacionada com a história de Valéria, e onde é possível observar uma cena em que os Magos fazem as suas oferendas a Jesus. Esta caixa de relíquias é em muito similar a outras criadas, principalmente no que diz respeito ao facto de todas elas terem como preocupação primária mostrar o santo da história como santo virgem mártire, uma visão mais aproximada mostra uma divergência marcada na narrativa da esquerda para a direita, formando uma cruz, ou seja, a acção levada a cabo por Valéria numa fase inicial tem a sua consequência representada no canto superior direito em cima, com a sua oferenda a S. Marçal, a sua decapitação, à direita, é punida com a morte do seu carrasco em cima à esquerda. Este tipo de narrativa é comum na época medieval principalmente em vitrais.

Associado a este culto existe outro facto particular, os milagres cefalóforos comuns na idade média, que têm como características o facto de a cabeça continuar a evocar o nome de Deus, contudo Valéria não fala, o que faz com que o milagre nesta narrativa se encontre noutro lugar, autora faz referência a Maurice Coens para defender esta teoria bem como também para justificar que a narrativa marca um lugar sagrado, ou seja o local que o santo escolheu para ser enterrada a sua maior relíquia, a sua cabeça.

De acordo com a legenda da caixa das relíquias Valéria foi inicialmente enterrada na futura tumba de S. Marçal na igreja de S. Marçal.


Sónia Henriques

Título: O relicário de Santa Valéria

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 2

652 

Comentários - O relicário de Santa Valéria

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios