Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > A Controvérsia Dos Genéricos

A Controvérsia Dos Genéricos

Categoria: Saúde
Visitas: 10
A Controvérsia Dos Genéricos

A polémica acerca dos medicamentos genéricos instalou-se, “rebentam”, de vez em quando, umas altercações das instituições directa ou indirectamente a eles ligadas, mas, no fundo, ninguém parece ter muita vontade ou interesse de ir ao cerne da questão. Efectivamente, quanto maior for a confusão, menos se percebe do assunto, o que, na prática, se revela vantajoso para quase todas as partes envolvidas. Quase, porque aquela que devia ser a parte mais importante, o utente, o “pagador”, não compreende nada, não lhe é permitido contrariar a deliberação do médico, e, na verdade, não poderia ter voto numa matéria que ignora.

Já não lhe basta mendigar uma consulta, aguardar anos por uma cirurgia, ter de prescindir amiúde dos serviços especializados, optar entre comer e tomar a medicação, só para mencionar alguns exemplos, e ainda tem de pagar a contenda! E tamanho despautério é agravado pelo facto de que os grandes protagonistas desta história são os aposentados, com reformas de miséria que mal chegam, ou não são mesmo suficientes, para fazer face às despesas mais comuns: renda de casa, água, luz, alimentação…

A ideia de implementar genéricos prende-se com uma redução de custos para o Estado e para o utente, pois, não sendo necessário defender uma determinada marca comercial, as moléculas do princípio activo destinadas a combater as patologias ficam cerca de 35 por cento mais baratas. Supostamente, os genéricos são sujeitos ao mesmo tipo de testes e pautam-se por regulamentação similar aos medicamentos ditos de marca, pelo que, em princípio, seriam merecedores da mesma credibilidade, em termos de qualidade, eficácia e segurança. Todavia, entre médicos que insistem em afirmar disparidades e efeitos desiguais, um fantástico serviço de desinformação e a guerra entre os lobbies da Associação Nacional de Farmácias e a Ordem dos Médicos, impera a atarantação. O que acaba por estar em causa são os estatutos adquiridos e móbeis económicos estabelecidos de que não é bom que se fale.

Os medicamentos genéricos são identificados pela Denominação Comum Internacional (DCI) das substâncias activas, seguida do nome do titular da Autorização de Introdução no Mercado (AIM) ou de um nome de fantasia, da dosagem, da forma farmacêutica e da sigla «MG», inserida na embalagem exterior do medicamento.

São prescritos pela denominação comum internacional (DCI) ou nome genérico das substâncias activas, seguido do nome de fantasia, quando exista, ou do nome abreviado do titular de AIM, e da dosagem e da forma farmacêutica.

Em suma, dita o bom senso que se informem os pacientes sobre o carácter farmacológico dos medicamentos receitados pelo profissional de saúde, se faça o acompanhamento farmacoterapêutico necessário, e se deixe ao seu critério a escolha do remédio para o seu mal.



Maria Bijóias

Título: A Controvérsia Dos Genéricos

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 10

766 

Comentários - A Controvérsia Dos Genéricos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios