Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > O Museu dos Coches - o automóvel de outros tempos

O Museu dos Coches - o automóvel de outros tempos

Categoria: Automóveis
Visitas: 6
Comentários: 38
O Museu dos Coches - o automóvel de outros tempos

A criação do Museu dos Coches deve-se à Rainha D. Amélia Luísa Helena de Orléans, após uma Exposição no Museu das Janelas Verdes suscitar a atenção do público. Após assistir à Grande Exposição Internacional, em Londres, em 1855, e à Exposição de Arte Ornamental Luso-Espanhola, em South Kensington Museum, também em Londres, em 1881, D. Luís I decidiu trazer esta última a território nacional e juntar a alguns objectos nacionais. Em 1882, um ano depois da exposição em South Kensington Museum, a exposição já estava patente no antigo Palácio dos Condes de Alvor. esta esteve exposta durante seis meses e recebeu 100 000 pessoas. Nesta exposição, estavam inseridos três coches magníficos levados na Embaixada ao Papa Clemente XI e outros objectos ligados ao mundo da cavalaria. estes voltaram para as Reais Cocheiras de Belém até D. Amélia conseguir reunir mais coches (cerca de vinte anos) para inaugurar um Museu, depois denominado Museu dos Coches Reais. Escolheu o Antigo Picadeiro Real, ao lado do Palácio de Belém, que tinha caído no desuso. Segundo Luciano Freire, «Não foi fácil obter o régio consentimento para o edifício apropriado a Museu. Esse picadeiro sendo, sem dúvida, um dos mais notáveis da Europa, justificava de alguma forma a relutância de D. Carlos em autorizar a transformação, solicitada insistentemente quer por por sua esposa, a Senhora D. Amélia, quer pelo seu Estribeiro-Menor, o Sr. Alfredo de Albuquerque.» Foi conseguida a autorização régia e adequou-se o Museu. O seu espólio é composto pelos Bens da Coroa, Repartição das Reais Cavalariças, Reais Cavalariças de Belém e da Casa Real Portuguesa. A cerimónia de inauguração aconteceu no dia 23 de Maio de 1905, onde esteve presente a Rainha D. Amélia e o Tenente-Coronel Alfredo de Albuquerque, Estribeiro-Menor da Casa Real, que assumiu a direcção do Museu. Ao longo do tempo, o espólio foi aumentando com peças vindas da Casa das Armas e da Repartição das Reais Equipagens. Com o 5 de Outubro de 1910, o Museu sofreu algumas alterações e confirmou-se a sua existência, pois se por um lado se acentua o nacionalismo, por outro lado os republicanos poderiam ter eliminado um símbolo da monarquia.

Daniela Vicente

Título: O Museu dos Coches - o automóvel de outros tempos

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 6

647 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 38 )    recentes

  • SophiaSophia

    22-04-2014 às 16:16:21

    Parece ser um museu belíssimo, adoraria conhecê-lo. Obrigada pelo texto, a Rua Direita agradece!

    ¬ Responder
  • Vitor SantosVitor Santos

    14-11-2012 às 21:28:14

    um texto realmente emocionante... Excelente!

    ¬ Responder
  • Nélio OliveiraNélio Oliveira

    14-11-2012 às 21:08:07

    adorei

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    14-11-2012 às 21:07:17

    já votei Daniela BOA SORTE

    ¬ Responder
  • Rodrigo TeixeiraRodrigo Teixeira

    10-11-2012 às 21:27:01

    boa sorte para o concurso

    ¬ Responder
  • Rodrigo CostaRodrigo Costa

    10-11-2012 às 19:05:25

    o conjunto texto-imagem está fantástico!

    ¬ Responder
  • Horácio CruzHorácio Cruz

    10-11-2012 às 19:02:02

    Adorei o seu texto. Está muito interessante e vou recomendar a todos os meus conhecidos.

    ¬ Responder
  • Manuel PastimManuel Pastim

    10-11-2012 às 19:00:58

    Parabéns

    ¬ Responder
  • Cristina AraújoCristina Araújo

    10-11-2012 às 18:57:35

    o seu texto está muito bem escrito e apelativo aos conhecimentos de todos... Parabéns! Já votei

    ¬ Responder
  • Maria GuerraMaria Guerra

    10-11-2012 às 18:55:21

    que grande texto Daniela

    ¬ Responder
  • Rui FonsecaRui Fonseca

    10-11-2012 às 18:54:29

    já votei em si e vou continuar a votar

    ¬ Responder
  • Matilde CruzMatilde Cruz

    08-11-2012 às 21:13:55

    excelente

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    08-11-2012 às 20:53:10

    parabéns pelo texto, está muito original.

    ¬ Responder
  • Nélio OliveiraNélio Oliveira

    08-11-2012 às 20:51:24

    o texto na integral está muito bom e acho que a imagem é linda

    ¬ Responder
  • Nuno MousinhoNuno Mousinho

    07-11-2012 às 23:38:00

    gostei muito do seu texto, mesmooo! Parabéns! Já votei!

    ¬ Responder
  • António JesusAntónio Jesus

    07-11-2012 às 22:06:25

    é uma autora muito interessante. Parabéns pelos seus textos!

    ¬ Responder
  • Cristina AraújoCristina Araújo

    07-11-2012 às 22:04:19

    Parabéns

    ¬ Responder
  • Belmiro SantosBelmiro Santos

    07-11-2012 às 22:03:19

    Adoro a sua maneira de escrever e gostei muito do tema. parabéns

    ¬ Responder
  • Paulo ChapimPaulo Chapim

    07-11-2012 às 22:02:11

    já votei em si Daniela

    ¬ Responder
  • Maria GuerraMaria Guerra

    07-11-2012 às 22:01:11

    gostei muito do seu artigo expositivo. realmente interessante e apelativo para a nossa cultura.

    ¬ Responder
  • Rui FonsecaRui Fonseca

    07-11-2012 às 21:59:46

    Aplaudo o seu texto, adorei!

    ¬ Responder
  • Rui Jorge AmorimRui Jorge Amorim

    07-11-2012 às 21:58:15

    O museu dos coches merece que lhe dêem destaque pelo seu protagonismo no património português.

    ¬ Responder
  • Jerónimo AdeusJerónimo Adeus

    07-11-2012 às 21:56:48

    Um texto realmente impecável!

    ¬ Responder
  • Fernando CorreiaFernando Correia

    07-11-2012 às 21:55:27

    Parabéns Daniela. Excelente artigo sobre os museus. Temos que louvar o que é nosso.

    ¬ Responder
  • Nélio OliveiraNélio Oliveira

    07-11-2012 às 21:53:55

    parabéns pelo seu texto Daniela

    ¬ Responder
  • António FerrazAntónio Ferraz

    07-11-2012 às 21:52:58

    gostei muito do seu texto sobre o museu dos coches. muito interessante.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    07-11-2012 às 00:19:34

    CONTINUEM A VOTAR

    ¬ Responder
  • Joana MateusJoana Mateus

    06-11-2012 às 23:50:30

    Lindo...Fantástico...Excelente escrita

    ¬ Responder
  • Fernando AugustoFernando Augusto

    06-11-2012 às 23:49:07

    Está impecável o seu texto

    ¬ Responder
  • Pedro CardosoPedro Cardoso

    06-11-2012 às 23:47:07

    Parabéns pelo seu texto...adorei

    ¬ Responder
  • Joana SantosJoana Santos

    06-11-2012 às 23:45:45

    Está fantástico o seu texto e estava nada à espera de ler um texto deste tipo neste tema.

    ¬ Responder
  • Ruben MatiasRuben Matias

    06-11-2012 às 23:43:43

    Gostei muito do seu texto

    ¬ Responder
  • Daniela BaptistaDaniela Baptista

    03-11-2012 às 23:14:21

    Adorei o seu texto Daniela.

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    07-11-2012 às 00:19:17

    obrigada

    ¬ Responder
  • Carlos BaptistaCarlos Baptista

    03-11-2012 às 23:13:19

    Lindooo

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    07-11-2012 às 00:18:54

    obrigada pelo seu comentário, simples e directo

    ¬ Responder
  • Filipa BaptistaFilipa Baptista

    03-11-2012 às 23:07:47

    o seu texto é lindo... estou maravilhada

    ¬ Responder
  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    07-11-2012 às 00:18:19

    obrigada pelo comentário Adorei!

    ¬ Responder

Comentários - O Museu dos Coches - o automóvel de outros tempos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Máquinas de Etiquetar

Ler próximo texto...

Tema: Máquinas
Máquinas de Etiquetar\"Rua
Muitos são os materiais indispensáveis ao funcionamento de uma empresa. Alguns de uso corrente, outros nem por isso e enquanto alguns são dispensáveis, outros há que fazem parte do trabalho, como se do ar empresarial se tratasse.

Canetas e blocos, computadores e faxes, secretarias e cadeiras, enfim, um sem número de coisas de que nos lembramos que fazem parte do dia-a-dia das empresas. Existem depois, alguns utensílios que são impensáveis para um ramo, mas que para outros são imprescindíveis. Caso disso são as máquinas de etiquetar.

As máquinas de etiquetar podem, ao contrário do que possa julgar à partida ter uma funcionalidade dentro de um escritório, ter uma utilidade única.

Quando um ramo empresarial obriga a registos em pastas em número substancial, ou até mesmo para identificar documentos, a máquina de etiquetar torna a função muito mais fácil, rápida e eficaz.

Dependo do ramo, as máquinas de etiquetar podem ser diferentes.

Existem máquinas, cuja única função é fazer salientar datas, e aqui os números podem ser alterados à mão e de forma simples, bastando para isso rodar os dígitos uma vez por dia.

Embora à partida julguemos que as máquinas de etiquetar são básicas, a realidade é que podem ser muito complexas. Se anteriormente foi dado um exemplo de máquinas simples e manuais, posso apresentar-lhe um exemplo de uma máquina bastante sofisticada.

Imagine que uma empresa tem de registar milhares de impressos por dia e que todos os impressos têm obrigatoriamente de ter um número sequencial. Aqui, uma máquina electrónica que se encarrega de entregar a cada etiqueta um número único e seguido, consegue transformar uma tarefa complicada e muito exaustiva, numa atitude perfeitamente normal e do quotidiano no trabalho.

As máquinas dependem, sendo electrónicas de um rolo de etiquetas que é impresso e que sai pronto a colar no local necessário.

Os rolos são comprados à parte e podem conter até 1000 etiquetas. Naturalmente que saindo impressas de forma automática, estas maquinas requerem um pequeno deposito de tinta que pode ser em formato de dispositivo (tipo tinteiro) ou através de recarga de tinta.

Apesar do valor de uma maquina de etiquetar ser mais cara e do seu uso ser também mais dispendioso, certo é que nada como um bom utensílio de trabalho que poupe dores de cabeça aos colaboradores.

Há venda em grandes superfícies comerciais especializadas em materiais de escritório, estas máquinas requerem atenção na altura da compra, pelo que o melhor é fazer um pequeno estudo antes da compra e pedir ajuda na própria loja.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Máquinas de Etiquetar

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios