Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Automóveis > Veículos Clássicos

Veículos Clássicos

Categoria: Automóveis
Comentários: 2
Veículos Clássicos

Quando as rodas do primeiro automóvel vez giraram, puseram em marcha um efeito bola de neve. O fenómeno automobilístico alargou-se a cada vez mais pessoas, a um maior numero de situações da vida em sociedade. E atraiu toda uma panóplia de actividades, envolvidas na sedutora imagem do progresso, que viajava sobre rodas. Só quando o automóvel entrou na meia-idade, é que começou a ter orgulho nos seus cabelos brancos.

A nostalgia dos “bons velhos tempos” transformou os carros velhinhos em Clássicos.E toda a parafernália de objectos com eles relacionados. Como os artigos genuínos são cada vez mas escassos e valiosos, uma verdadeira industria floresceu , materializando-se numa série de objectos que vivem da historia do automóvel. E ainda bem. Os entusiastas agradecem.

Por clássico entende-se algo que não passa de moda, devido ás suas características intrínsecas de qualidade (técnica, estética), pela importância histórica , raridade (ou exclusividade) e, mesmo, pela relevância afectiva (carisma). Aqui a idade já conta muito pouco, ou mesmo nada, já que existem automóveis e motos em produção actual que podem ser incluídos nesta categoria.

Alguns dos do veículos que podem ser abrangidos nesta classificação, serão antigos apenas dentro de algumas décadas, outros poderão até vir a ser considerados históricos, mas todos são extraordinários pela forma como se distinguem da produção corrente de veículos motorizados.

O conceito “Clássico” aplicado aos veículos, generalizou-se com o aparecimento, em 1973, da Revista Inglesa “Thoroughbred & Classic Cars”.

O melhor conselho a dar ao proprietário de um veiculo clássico é que desfrute dele o mais possível, participando em eventos organizados por clubes ou, pelo menos que o utilize para passear ao fim de semana. Alguns eventos, como feiras ou concentrações criam condições especiais para que os participantes ou espectadores usem os seus clássicos para chegar ao local de acção.

Um veiculo parado deteriora-se mais do que um carro bem mantido a funcionar e que some vários quilómetros anuais.

No entanto nem sempre é possível sair com o clássico por falta de disponibilidade, ou por causa de alguma avaria, ou ainda porque o dono tem mais do que um clássico na sua colecção.


Rua Direita

Título: Veículos Clássicos

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 0

632 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • André BelacorçaAndré Belacorça

    17-09-2012 às 15:49:08

    É uma delícia ser deliciado com carros clássicos, é de enorme prazer e privilégio que esta geração aprecie todo o design antigo, o esforço e a dedicação a cada modelo e cada beleza de um carro clássico.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTiago N.

    17-03-2009 às 12:38:05

    Escreves altamente . Foi um texto sobre autómoveis muito legal.

    ¬ Responder

Comentários - Veículos Clássicos

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios