Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Globalização ritma o progresso

Globalização ritma o progresso

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
Globalização ritma o progresso

Tudo ao molho e fé em Deus. Era assim o lema, traduzido em dialecto provençal, do conceito de Aldeia Global de Marshall MacLuhan*, quase equiparada aos tempos da Torre de Babel, onde a comunicação entre os seres era perfeita e o entendimento quase divino. Nos dias de hoje, essa sintonia é mediada por instrumentos tecnológicos que permitem encurtar as distâncias físicas e temporais entre os povos.

A globalização, a par do progresso que evolui em busca do retorno às origens dos tempos, permite a (re)união entre os seres e as suas comunidades, fomentando uma aprendizagem contínua e um enriquecimento mútuo, em atualização quase diária em paralelo com os avanços da tecnologia.

Uma altura em que os países aboliram as suas delimitações físicas, ao desfazerem as suas fronteiras, e permitiram o livre acesso de pessoas e bens. A circulação de diferentes valores, comportamentos, técnicas, produtos e serviços, procedimentos e de modelos de gestão contribui para um enriquecimento individual, um aumento do nível de vida familiar, uma melhoria da vivência comunitária e, numa escala mais alargada, uma evolução mundial.

Um momento cunhado por uma moeda com a coroa da comunhão de um espaço económico e a cara da tolerância entre países linguística e culturalmente diferentes. A bem do entendimento, são inclusivé gerados os ditos incoterms para que as comunidades falem a mesma linguagem ao nível das suas relações comerciais, no que concerne (sobretudo) aos procedimentos inerentes às suas ex e importações.

Um segundo coberto pelos media, cada vez mais em cima do acontecimento real, com a capacidade de transportarem os opostos do globo terrestre para um mesmo tempo de experimentação mediada de acontecimentos históricos, contribuindo para uma partilha, vivida ao ritmo de cada cultura, da construção da Histórica da Terra e arredores.

Estes compassos temporais da globalização, marcam o ritmo das sociedades ocidentais e constroem parte de alguns acordes das orientais, graças em particular à rede internacional de contatos, conhecida por Internet, cada vez mais acessível e personalizável.

Nos tempos atuais, em que se luta pela infoexclusão (tal como há umas décadas se batalhou contra o analfabetismo), preserva-se a identidade de cada parte, promovendo uma participação do indivíduo cada vez mais ativa na construção do seu próprio saber e evolução, a bem da sanidade sócio-cultural do todo.

Assim, a globalização, ao invés de anular a identidade de cada comunidade que nela se “funde”, fomenta o enriquecimento mútuo, resultante do confronto da diferença, respeitando cada identidade cultural, essencial para a sobrevivência da espécie humana num mundo cada vez mais tecnicista e mediado.

*Os interessados em aprofundar este conceito podem consultar um dos principais livros deste autor, intitulado Understanding Media (1964).


Carla Santos

Título: Globalização ritma o progresso

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 2

718 

Comentários - Globalização ritma o progresso

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os primeiros brinquedos

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Brinquedos
Os primeiros brinquedos\"Rua
O brinquedo é mais do que um objecto para a criança se divertir e distrair, é também uma forma de conhecer o mundo que tem ao seu redor e para dar asas à sua imaginação. Desta forma, os brinquedos sempre estiveram presentes na sociedade.

Os primeiros brinquedos datam de 6500 anos atrás, no Japão, em que as crianças brincavam com bolas de fibra de bambu. Entretanto há 3000 anos surgiram os piões feitos de argila e decorados, na Babilónia.

No século XIII apareceram os soldadinhos de chumbo, porém só eram acessíveis às famílias nobres. Cinco séculos mais tarde, apareceram as caixas de música, criadas por relojoeiros suíços.

As bonecas são muito antigas, surgiram enquanto figuras adoradas como deusas, há 40 mil anos, mas a primeira fábrica abriu apenas em 1413 na Alemanha. Barbie, a boneca mais famosa do mundo, foi criada em 1959, mas ainda hoje é das mais apetecíveis pelas crianças.

O grande boom dos brinquedos aconteceu quando se descobriu o plástico para o fabrico. Mesmo assim, muitas famílias não podiam comprar brinquedos aos filhos, como tal, estes utilizavam diversos tipos de materiais e construíam os seus próprios brinquedos.

Actualmente, as crianças têm acesso a uma enorme variedade de brinquedos, desde bonecas, a carros telecomandados, a videojogos… Educativos ou apenas lúdicos, há de tudo e para todos os gostos e preços.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Os primeiros brinquedos

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • umdolitoys 23-01-2013 às 05:46:38

    Adorei a reportagem! e tenho algo para vocês verem!!

    Espero que gostem!!!

    ¬ Responder
  • sofia 22-07-2012 às 21:56:29

    Achei muito interecante e muito legal saber que ano foi fabricadoas bonecas

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios