Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Viva a bela da sardinha assada!

Viva a bela da sardinha assada!

Categoria: Alimentação
Visitas: 8
Comentários: 2
Viva a bela da sardinha assada!

O tempo quente está ai a chegar e não há quem não se pele por uma boa da sardinha assada. A verdade é que com o calor a apertar, sabe bem comidas frescas e mais equilibradas.
A sardinha acaba por ser a rainha das refeições, mas outras variedades de peixe, seja grelhado ou cozido, acompanhado por uma salada variada, faz as delicias de qualquer um.

É interessante perceber a riqueza gastronómica de um pais pequeno como Portugal, em que as determinados pratos vão surgindo e desaparecendo, consoante a estação do ano. E por ser um pais à beira mar, aposta fortemente no peixe fresco, temperado só com sal, bem trabalhado na grelha, regado por fim com um fio de bom azeite português. Isto com a batatinha de cultivo, cozida mesmo com casca, acompanhada ainda por uma salada, quer seja ela de pimento assado na brasa, quer seja de outro legume fresco, atraem os amantes da boa culinária e não só. Principalmente no Verão, as esplanadas enchem-se de pessoas e ninguém olha à crise, estando dispostos a pagar qualquer preço por um peixe fresquinho.
Muitas vezes acaba por ser exorbitante o preço que alguns restaurantes cobram por um peixe tão simples como a sardinha, mas a lei da oferta e da procura é forte e face a tanta publicidade, a sardinha é paga a preço de cherne… Mas quando se está de férias tudo é permitido, ou se não é, devia ser.

Mas não é só a comida que muda consoante as estações do ano. Nas épocas quentes e porque o nosso corpo se precisa de hidratar, há que apostar fortemente na água mineral, a melhor companheira que se pode ter nestas alturas. Além disso, como o convívio social alarga, aumenta a tendência para beber, mas isso não implica que se abuse no álcool, devendo sim apostar em bebidas com pouco nível de álcool e em composições diluídas com sumos. Os vinhos brancos e rosados são os mais consumidos, por serem ligeiros e de aroma expressivo. Fora das refeições, a caipirinha, uma bebida tipicamente brasileira, é a mais apreciada, até porque actualmente existe dos mais variados sabores de fruta e de álcool. A receita original de cachaça, lima, gelo picado e açúcar amarelo, aos poucos tem sido desvirtuada por invenções que têm surgido.

É certo que a vida nos proporciona diversos prazeres, mas se há coisa que sabe bem, é comer e beber, ou será que estou errada?

Catarina Guedes Duarte

Título: Viva a bela da sardinha assada!

Autor: Catarina Guedes Duarte (todos os textos)

Visitas: 8

655 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãowalter

    06-04-2009 às 00:06:34

    Não gosto de sardinhas . Dão trabalho para comer.

    Li uma vez , tambem, que as sardinhas são muito boas para uma alimentação pura e saudavel.

    Eu nõa como sardinhas e sou saudavel.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDuarte Faria

    05-04-2009 às 19:49:12

    Sou pescador desde os meus 13 anos e o meu prato preferido é sardinhas assadas. Na minha alimentação o peixe têm um papel fundamental

    ¬ Responder

Comentários - Viva a bela da sardinha assada!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios